Descrição de chapéu Coronavírus

Bolsonaro é alvo de panelaço pelo 5º dia seguido em diferentes cidades do país

Manifestações convocadas nas redes sociais contra o presidente começaram na terça-feira (17)

São Paulo e Brasília

Pelo quinto dia seguido, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi alvo de panelaços em protestos pelo país.

A partir das 20h deste sábado (21), foram registradas manifestações em bairros de capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília. Além dos som das panelas, houve gritos de "Fora, Bolsonaro" e críticas ao presidente.

Os protestos têm sido convocado em redes sociais desde a última terça-feira (17), impulsionados pela reação de Bolsonaro à crise do novo coronavírus, que afetou a rotina de milhões de brasileiros e deve ter duro impacto na economia.

No domingo passado (15), por exemplo, o presidente ignorou orientações dadas por ele mesmo dias antes ao estimular e participar dos protestos pró-governo sem demonstrar preocupação com a pandemia.

Bolsonaro incentivou os atos desde cedo em suas redes sociais. Depois, sem máscara, participou das manifestações em Brasília, tocando simpatizantes e manuseando o celular de alguns apoiadores para fazer selfies. "Isso não tem preço", disse, durante transmissão ao vivo em suas redes sociais.

Desde o início da crise mundial do coronavírus, o presidente tem dado declarações nas quais busca minimizar os impactos da pandemia e, ao mesmo, trata como exageradas algumas medidas que estão sendo tomadas no exterior e por governadores de estado no país.

Neste sábado, na capital paulista, foram registrados panelaços nos bairros de Bela Vista, Santa Cecília, Jardins, Pinheiros, Saúde e Pompeia. No Rio, entre outros, houve protesto em Copacabana.

Em Brasília, um morador da Asa Norte executou áudio com declarações do presidente sobre o novo coronavírus. Em outros locais, apoiadores de Bolsonaro reagiram aos protestos, mas em menor número.

Na última sexta-feira (20), Bolsonaro disse que não está preocupado com os panelaços. "Eu não estou preocupado com o panelaço. Eu estou preocupado com o vírus, com a saúde, com o emprego do povo brasileiro", afirmou. "Qualquer panelaço, qualquer coisa que venha a acontecer é manifestação democrática. Toca o barco."

Ainda neste sábado, um dia após ter se referido ao coronavírus como uma "gripezinha", o presidente lamentou a morte de pessoas diagnosticadas com a Covid-19 e disse que seu dever é impedir que o pânico tome conta do país.

Nas redes sociais, em um tom diferente ao adotado nas últimas semanas, Bolsonaro afirmou que reconhece a seriedade do momento e o temor de muitos brasileiros.

“De todo modo, às famílias que hoje sofrem a perda de seus entes por conta desta epidemia, a minha solidariedade. Essas perdas também são nossas, afinal, somos todos uma grande família. Dou-lhes a certeza de que lutarei com todas as minhas forças para proteger a nossa nação”, escreveu.

Bolsonaro comemorou neste sábado seu aniversário de 65 anos no Palácio da Alvorada ao lado apenas de familiares e assessores. Ele cantou parabéns ao lado da filha caçula, Laura, e na presença dos três filhos mais velhos, Flávio, Eduardo e Carlos.

Ele havia afirmado na terça-feira (17) que faria uma “festinha tradicional”, mesmo diante da orientação do Ministério da Saúde para que as pessoas evitem aglomerações. Na quinta-feira (19), no entanto, disse que seria uma celebração pequena, porque não gosta muito de comemorar aniversário.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.