Descrição de chapéu Coronavírus

De máscara, Bolsonaro anuncia mais um ministro infectado pelo coronavírus

Bento Albuquerque (Minas e Energia), que também esteve em comitiva presidencial nos EUA, está com a doença

Brasília

Vestindo máscara clínica, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou nesta quarta-feira (18) que o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) também está infectado pelo novo coronavírus.

Albuquerque fez parte da comitiva presidencial que entre 7 e 10 de março viajou à Flórida (EUA). Ele já havia feito um primeiro exame, que deu negativo, mas todos que estiveram na missão seguem protocolo médico e estão realizando novas análises durante o período de incubação do vírus.

Além do titular das Minas e Energia, o ministro Augusto Heleno (Segurança Institucional) também divulgou nesta quarta ter sido infectado.

O presidente Jair Bolsonaro concede entrevista usando máscara ao lado de ministros
O presidente Jair Bolsonaro concede entrevista usando máscara ao lado de ministros - Pedro Ladeira/Folhapress

Bolsonaro comanda uma coletiva de imprensa para falar sobre a resposta do governo à pandemia. Nesta quarta, o governo pediu oficialmente ao Congresso que seja reconhecida a situação de calamidade pública no Brasil, diante da emergência sanitária.

O presidente disse que no final do ano passado, quando provavelmente o vírus começou a se manifestar na China, não havia grande preocupação no mundo com o tema.

Bolsonaro disse que a "luz amarela" do governo acendeu durante a operação de resgate de brasileiros isolados na cidade chinesa de Wuhan, o epicentro do Covi-19.

A todos ministros foi determinado que começassem a se preocupar", disse. "Todos sabíamos que ele [vírus] chegaria", acrescentou.

"Começamos a nos preparar. Até que os primeiros casos começaram a aparecer no Brasil. Alguns achavam que a gente deveria suspender o carnaval. Tivemos esses dias um governador que queria impedir as pessoas de ir a praia. Não só foi um fracasso como o número de pessoas nas praias aumentou", declarou, numa crítica velada ao governador do Rio, Wilson Witzel.

Também estão com Bolsonaro na coletiva, todos de máscara, os ministros Walter Braga Netto (Casa Civil), Tarcísio Freitas (Infraestrutura), Sergio Moro (Justiça), Paulo Guedes (Economia), Luiz Henrique Mandetta (Saúde), Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Rogerio Marinho (Desenvolvimento Regional) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), além do diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres.

Bolsonaro realizou seu segundo teste do coronavírus na terça (17), que deu negativo como o primeiro. Outros auxiliares que o acompanharam na comitiva contraíram o vírus, como o chefe da Secom, Fabio Wajngarten, o diplomata Nestor Forster e o secretário de comércio exterior, Marcos Troyjo.

Em sua fala, Bolsonaro voltou a se defender das críticas por ter participado, contra recomendação do ministro Mandetta, de manifestações pró-governo no domingo (15). A orientação para que o mandatário desconvocasse e não comparecesse aos atos ocorreu porque o vírus é transmitido de forma mais fácil em aglomerações.

O presidente voltou a citar o lançamento da rede CNN, que ocorreu num evento em São Paulo no dia 9 de março com vários líderes políticos, para rebater as acusações de que foi irresponsável ao incentivar e tomar parte nos protestos do dia 15 —a festa da nova rede de televisão, no entanto, ocorreu dois dias antes de a OMS (Organização Mundial da Saúde) ter declarado estado de pandemia para o Covid-19.

"Estive ao lado do povo sabendo dos riscos que eu corria. Mas nunca abandonarei o povo brasileiro, esse é o qual eu devo lealdade absoluta. Por isso, grande parte da mídia potencializou esse evento. Não convoquei, não existe um áudio nem imagem de eu convocando [as manifestações]".

Apesar dessa declaração de Bolsonaro, o presidente fez sim um chamamento público para os atos do dia 15 de março, durante escala em Roraima em sua viagem para a Flórida. Além disso, durante o dia das manifestações, o presidente realizou diversas publicações em suas redes sociais com vídeos dos atos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.