Descrição de chapéu Coronavírus

Planalto diz que monitora Bolsonaro e alertou EUA após coronavírus em Wajngarten

Presidente não tem sintomas da doença, mas já realizou teste, e resultado deve sair nesta sexta (13)

Brasília e São Paulo

O governo confirmou nesta quinta-feira (12) que o chefe da Secom, Fabio Wajngarten, 44, testou positivo para o novo coronavírus e disse que o serviço médico do Palácio do Planalto está "adotando todas as medidas preventivas necessárias para preservar a saúde" do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Segundo relataram auxiliares à Folha, Bolsonaro não apresenta sintomas da enfermidade, mas já realizou os testes. O resultado deve ficar pronto na sexta-feira (13).

A manifestação do Planalto ocorre após a divulgação pela imprensa de que Wajngarten —que acompanhou Bolsonaro em viagem oficial à Flórida (EUA) —é portador do vírus.

No comunicado, o governo também diz que avisou as autoridades americanas sobre o caso. Durante a viagem, o chefe da Secom manteve contato e posou para fotos com o presidente Donald Trump.

"O secretário de Comunicação está cumprindo todas as recomendações médicas, em quarentena domiciliar, e só retornará ao seu trabalho quando não houver risco de transmissão da doença", diz a nota.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro e que também esteve nos EUA, afirmou em rede social que estava indo nesta quinta fazer teste de coronavírus, mas que não tinha sintomas da doença.‬

Procedimento semelhante foi adotado pelo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), que integrou a missão internacional brasileira a convite de Bolsonaro.

Em nota, ele disse que decidiu "espontaneamente realizar exames preventivos", assim como o diretor-presidente da Invest Paraná (Agência Paraná de Desenvolvimento), Eduardo Bekin, que também esteve na viagem aos EUA. Ambos não apresentam nenhum sintoma de coronavírus.

Nesta quinta, Sophie Wajngarten, mulher do chefe da Secom, afirmou no grupo de WhatsApp das mães da escola onde estudam suas filhas que seu marido fez o teste do coronavírus e que deu positivo.

Representantes do Ministério da Saúde e da equipe médica da Presidência devem realizar uma reunião sobre o tema ainda na tarde desta quinta.

O avanço do coronavírus e a confirmação do caso do chefe da Secom modificaram a agenda de Bolsonaro para esta quinta.

O presidente cancelou uma viagem a Mossoró (RN) devido à avaliação de seus auxiliares de que, no atual quadro, é necessário evitar exposições em ambientes com risco de contaminação.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou na quarta (11) que existe uma pandemia do vírus no mundo.

Segundo relataram interlocutores, Bolsonaro foi aconselhado que tanto o deslocamento em aeronave quanto o ato em si no Rio Grande do Norte —num ambiente com aglomeração— seriam problemáticos no cenário de avanço da doença.

Também participariam do evento em Mossoró os ministros Sergio Moro (Justiça), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Tereza Cristina (Agricultura). O ato foi cancelado e os ministros tampouco viajarão ao Rio Grande do Norte.

Assessores relataram à Folha que o presidente foi orientado a tomar outras medidas de precaução. Ele foi aconselhado a evitar aglomeração até pelo menos o mês de maio.

Bolsonaro também foi advertido a interagir menos com seus apoiadores na entrada do Palácio da Alvorada.

Desde meados do ano passado ele costuma descer do comboio presidencial para saudar seus simpatizantes, momentos em que troca cumprimentos e tira selfies.

A orientação de seus auxiliares é que o presidente, pelas próximas semanas, se limite a acenar e a falar com o público a uma certa distância.

De acordo com o último boletim, divulgado no fim da tarde desta quarta (11) pelo Ministério da Saúde, o Brasil já soma 69 pessoas infectadas pelo coronavírus.

Leia a nota na íntegra:

O Serviço Médico da Presidência da República adotou e está adotando todas as medidas preventivas necessárias para preservar a saúde do Presidente da República e de toda comitiva presidencial que o acompanhou em recente viagem oficial aos Estados Unidos, bem como dos servidores do Palácio do Planalto.

Isso porque um dos integrantes do grupo, o Secretário de Comunicação da Presidência da República, Fábio Wajngarten, é portador do novo coronavírus Covid-19, confirmado em contraprova já realizada.

O governo brasileiro também já comunicou às autoridades do governo norte-americano a ocorrência do evento para que elas também adotem as medidas cautelares necessárias.

O Secretário de Comunicação está cumprindo todas as recomendações médicas, em quarentena domiciliar, e só retornará ao seu trabalho quando não houver risco de transmissão da doença.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.