Descrição de chapéu Coronavírus

Secretário testa positivo para coronavírus, e Bolsonaro passa a ser monitorado

Presidente foi aconselhado a mudar rotina, cancelou viagem e fez teste da doença, cujo resultado deve sair nesta sexta

Brasília e São Paulo

A crise do coronavírus chegou nesta quinta-feira (12) ao Palácio do Planalto, com a confirmação de que o chefe de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten, 44, contraiu a doença.

O secretário tem contato próximo com o presidente Jair Bolsonaro, 64, que viajou com ele aos Estados Unidos.

O presidente se submeteu a teste e aguarda resultado para saber se está com coronavírus. Assim como outros integrantes do primeiro escalão do governo, cancelou compromissos e promoveu uma série de mudanças na rotina.

Fabio Wajngarten, chefe da Secom, e Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio da Alvorada, em Brasília - Ueslei Marcelino/Reuters - 19.nov.2019

Após ter minimizado os impactos do vírus dias atrás, Bolsonaro fez uma live em redes sociais de máscara e sugeriu a seus apoiadores a suspensão dos atos marcados para domingo (15) com pauta em defesa do governo e de ataques ao Congresso e Judiciário.

"Tem um aspecto que precisa ser levado em conta. Existe [a manifestação], é mais um agrupamento de pessoas", afirmou. "Daqui a um mês, dois meses, se faz. Foi dado um tremendo recado ao Parlamento", sugeriu na live.

Ele foi atendido pelos principais líderes das manifestações, que já cogitavam a medida devido ao coronavírus e anunciaram a suspensão.

Mais tarde, em pronunciamento em rede nacional de TV e rádio, Bolsonaro repetiu a fala e mandou recado ao Legislativo ao defender a legitimidade dos atos que haviam gerado crise entre os Poderes.

A suspeita de que Wajngarten estava com coronavírus revelada pela coluna Mônica Bergamo, da Folha, na quarta (11). Nesta quinta, diante da confirmação de infecção de seu auxiliar, Bolsonaro passou a adotar procedimentos de segurança que irão alterar a agenda do governo.

O presidente fez teste para a doença (a Covid-19), e a expectativa é de divulgação do resultado nesta sexta (13). Ele passou o dia no Palácio da Alvorada, residência oficial, onde foi monitorado pela equipe médica da Presidência.

Na terça (10), em viagem oficial aos EUA, Bolsonaro havia chamado os impactos do coronavírus de "mais fantasia".

Wajngarten acompanhou Bolsonaro nos EUA. Ele posou em foto ao lado do presidente Donald Trump.

Ao saber da contaminação do secretário, a Casa Branca afirmou que Trump e o vice-presidente Mike Pence não seriam testados. "Deixa eu colocar da seguinte maneira: não estou preocupado", afirmou Trump a jornalistas.

A primeira-dama Michelle Bolsonaro e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que estavam com o presidente na viagem, também fizeram exame.

Eduardo visitou o pai no Alvorada nesta quinta. Na saída da residência oficial, usava máscara cirúrgica, recomendada para evitar o contágio da doença.

O exame para coronavírus foi realizado por outros integrantes da comitiva presidencial que viajou aos EUA, como os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Fernando Azevedo (Defesa), Bento Albuquerque (Minas e Energia) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

Segundo relatos feitos à Folha, Bolsonaro teve um resfriado leve ao voltar da viagem, mas não apresentou até agora os demais sintomas da doença, como febre e tosse.

O presidente pediu ao longo do dia a deputados bolsonaristas que não o visitassem, por precaução. Um deles foi o ex-deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF). "Eu disse que ia visitar, e ele brincou que era melhor não porque podia estar doente", afirmou.

Com o risco de contágio, a rotina administrativa do Palácio do Planalto será alterada.

Além da maior restrição ao acesso de pessoas, os eventos e as solenidades devem ser suspensos e o cumprimento diário do presidente na entrada do Palácio da Alvorada deve ser modificado.

Bolsonaro foi advertido pela equipe médica a evitar interação diária com apoiadores na entrada da residência oficial. Desde meados do ano passado, ele costuma descer do comboio presidencial para saudar seus simpatizantes, momentos em que aperta mãos e tira fotos.

A orientação é para que, nas próximas semanas, Bolsonaro se limite a acenar e a conversar com o público a uma distância segura.

A recomendação é que ele também evite viagens pelo país para participar de inaugurações ou anúncios.
Um dia depois de a OMS (Organização Mundial da Saúde) ter declarado pandemia de coronavírus, Bolsonaro cancelou uma viagem a Mossoró (RN) nesta quinta.

Segundo relataram interlocutores à Folha, foi dito a ele que tanto o deslocamento em aeronave quanto a participação em evento —em um ambiente com aglomeração— seriam problemáticos no cenário de avanço da doença.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, publicou em suas redes sociais uma mensagem em que dizia que a cerimônia no estado teve de ser adiada por "razões de segurança sanitária".

"Infelizmente tivemos de adiar este nosso encontro em função de razões de segurança sanitária. A decretação ontem pela OMS de uma pandemia mundial [de coronavírus] nos obriga a ter uma maior segurança com a figura do presidente da República e com as pessoas que estão no seu entorno", disse.

Ainda segundo Marinho, Bolsonaro também permanecerá em Brasília para se debruçar sobre as negociações do Orçamento, que está em discussão no Congresso.

Assessores relataram à Folha que o presidente foi orientado a tomar outras medidas de precaução. Ele foi aconselhado a evitar aglomeração até pelo menos o mês de maio.

O presidente também suspendeu entrevista que concederia à CNN Brasil, para a estreia do canal de notícias na noite de domingo.

A justificativa é que toda a agenda do presidente está sendo alterada por causa da confirmação de que Wajngarten contraiu o coronavírus.

Em razão de sua idade, Bolsonaro está um grupo considerado de risco pelas autoridades médicas. Pessoas com mais de 60 anos são as mais vulneráveis ao coronavírus.

Em entrevista exibida pela TV Record no domingo (8), Bolsonaro disse que passaria por uma nova cirurgia, sem dar detalhes da motivação nem onde a faria.

Em setembro do ano passado, ele passou por sua quarta cirurgia desde que sofreu um atentado a faca durante a disputa eleitoral de 2018.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.