Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro volta a dizer que pode ter sido contaminado por coronavírus sem que tivesse sintomas

Ao rejeitar divulgação, presidente alega que seus exames pertencem à sua intimidade

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a dizer que talvez tenha sido contaminado pelo novo coronavírus no passado e não tenha sentido sintomas da doença.

"Eu talvez já tenha pegado esse vírus no passado, talvez, e nem senti", disse nesta quinta-feira (30) em entrevista à rádio Guaíba.

Na mesma entrevista, no entanto, o presidente reafirmou que "não está acometido" pela Covid-19, embora tenha defendido que tem direito de não divulgar os dois exames que fez para detectar a enfermidade —que segundo ele deram negativo.

O Presidente da República Jair Bolsonaro na saída da posse do novo chefe do Comando Militar do Sul, no centro de Porto Alegre - Fernando Alves/TheNews2/Folhapress

A declaração de Bolsonaro sugerindo que pode ter sido um caso assintomático de portador do vírus ocorreu enquanto ele, na entrevista, se queixava da imprensa, em especial da Rede Globo.

O presidente reclamou da divulgação de suas falas sobre a pandemia, como quando ele se referiu ao Covid-19 como uma "gripezinha".

"O general Heleno [ministro do Gabinete de Segurança Institucional] só ficou sabendo que estava com o vírus porque fez o teste. Foi pra casa e fez bicicleta todos os dias, com seus 70 e poucos anos. O que essa parte da imprensa quer? Potencializar o que está acontecendo e tentar jogar no meu colo as mortes das pessoas", disse.

A fala de Bolsonaro foi feita em meio a uma disputa judicial que ele trava para não ser obrigado a mostrar os resultados dos seus dois testes de coronavírus. O primeiro foi feito em 12 de março e o segundo, no dia 17 do mesmo mês.

A Justiça Federal de São Paulo determinou que Bolsonaro entregue os resultados de todos os seus exames de detecção da Covid-19.

A decisão ocorreu após um pedido do jornal O Estado de S. Paulo. Nesta quinta, segundo o jornal, a AGU (Advocacia-Geral da União) enviou um relatório médico de 18 de março atestando que Bolsonaro não tem a Covid-19, mas a juíza Ana Lúcia Petri Betto considerou o documento insuficiente e deu mais 48 horas para que os laudos sejam disponibilizados.

Na mesma entrevista à rádio Guaíba, Bolsonaro disse não estar acometido pelo vírus, mas argumentou que os testes pertencem à sua intimidade.

"Eu já falei que não estou acometido. Em dois exames que fiz, por livre e espontânea vontade, isso pertence à minha intimidade. Agora, mandei recorrer [da decisão judicial]. Por quê? Porque pertence à minha intimidade. É um direito que eu tenho como presidente da República e [um direito] do cidadão também na ponta da linha", afirmou Bolsonaro.

"Então não cabe à Justiça se intrometer nessa questão, até porque a lei está ali. Agora, não tenho problema: se no final da linha a Justiça decidir eu vou apresentar", completou.

Pouco antes, ao sair do Palácio da Alvorada, Bolsonaro alegou que se sentirá "violentado" caso seja obrigado a divulgar seus exames.

Não é a primeira vez que Bolsonaro levanta a possibilidade de já ter sido infectado pela Covid-19.

Em 20 de março, ele fez sugestão semelhante. "Aqui em casa, toda a família deu negativo. Talvez, eu tenha sido infectado lá atrás e nem fiquei sabendo. Talvez, e estou com anticorpo."

O presidente foi recebido com panelaços e aglomerações nesta quinta-feira em Porto Alegre, onde participou de cerimônia de transmissão de cargo de comandante do Comando Militar do Sul.

Além dos protestos com panelas, Bolsonaro foi aguardado por um grupo de cerca de 50 apoiadores. Eles faziam coro de ataques à imprensa e permaneceram aglomerados, apesar da pandemia.

Ao cumprimentar militares durante a visita ao Comando Militar do Sul, o presidente estendeu a mão e recebeu de volta saudação com os cotovelos, como manda a etiqueta médica para evitar a proliferação do novo coronavírus.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.