Descrição de chapéu Coronavírus

'Médico não abandona paciente', diz Mandetta sobre eventual pedido de demissão

Ministro evitou polemizar pesquisa Datafolha que aponta aprovação muito superior ao trabalho da Saúde em relação a Bolsonaro

Brasília

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que não cogita pedir demissão e usou uma metáfora médica para indicar sua posição. "Médico não abandona paciente, meu filho", respondeu ao ser indagado por jornalistas em entrevista coletiva nesta sexta-feira (3).

Mandetta evitou polemizar o resultado de pesquisa Datafolha que mostrou que a aprovação de sua pasta na condução da crise do coronavírus é o dobro da do presidente Jair Bolsonaro.

"Não, isso não tem nada a ver com a minha performance, nada a ver com o presidente. Nós estamos falando de instinto. Isso é o instinto de preservação da vida."

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante entrevista coletiva nesta sexta (3) no Palácio do Planalto
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante entrevista coletiva nesta sexta (3) no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira/Folhapress

Segundo o levantamento, a aprovação do Ministério da Saúde saltou de 55% para 76%, em um intervalo de praticamente dez dias. A reprovação caiu de 12% para 5%. O índice daqueles que veem um trabalho regular caiu de 31% para 18%

No mesmo período, a aprovação do presidente Jair Bolsonaro na condução da crise se manteve estável, oscilando dentro da margem de erro de 35% para 33%. A reprovação aumentou de 33% para 39%, também dentro da margem de erro. Permaneceu estável aqueles que consideram regular, passando de 26% para 25%.

Mandetta ressaltou que a aprovação da pasta da Saúde é fruto do momento atual enfrentado pela população, em meio à pandemia. Por isso, as pessoas estariam mais apegadas e em busca de amparo.

Os últimos dias foram marcados por um confronto de visões entre Bolsonaro e seu ministro. O presidente segue se manifestando em defesa da abertura do comércio e outras atividades da economia. Embora evite um confronto direto, Mandetta mantém a posição em defesa do isolamento da população para evitar que o vírus se propague.

Bolsonaro chegou a declarar nesta quinta-feira (2) que falta ao ministro "um pouco mais de humildade" e que Mandetta teria de "ouvir mais o presidente da República".

Mandetta já havia declarado que continuaria executando seu trabalho, independente das críticas do presidente, pois "quem tem mandato, fala; quem não tem, como eu, trabalha".

"Tenho 31 anos de medicina. A gente se prepara para cuidar de pacientes. Eu já tive pacientes em que a família às vezes questiona o médico, briga, e o compromisso é com o paciente", disse o ministro nesta sexta-feira, novamente usando a metáfora de que o país é seu paciente, e Bolsonaro, um membro da família.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.