Cargos, festas e verba pública impulsionam 'Tattolândia', reduto do candidato do PT em SP

Jilmar Tatto e irmãos dominam região na zona sul da capital paulista com práticas clientelistas

São Paulo

Líder comunitário na Capela do Socorro, zona sul de São Paulo, o ex-perueiro Robson de Oliveira, 42, conhecido como “X Bine”, comanda a Associação X, que nas últimas semanas tem se dedicado à distribuição de cestas básicas e máscaras para cerca de 7.000 famílias da região.

O trabalho na entidade, criada há sete anos, toma grande parte de seu tempo, mas Oliveira diz que consegue conciliar a atividade com a de assessor no gabinete do vereador Arselino Tatto (PT), localizado a 25 km de distância, no centro da cidade.

“Eu trabalho pra ele todo dia, mas separo bem a política da associação, que é neutra”, diz Oliveira, que tem salário bruto de R$ 4.175 como assessor especial de apoio parlamentar.

Robson Oliveira, o X Bine, líder comunitário da Comunidade do 20, na região da Tattolândia - Bruno Santos/Folhapress

Na entrada da Associação X, há uma faixa de agradecimento a Arselino, por ter destinado uma emenda orçamentária no valor de R$ 50 mil à entidade comandada por seu próprio assessor. “O vereador é aqui da região e nos ajuda muito. Se tem um problema de bueiro, iluminação, asfalto, a gente liga e ele manda ofício pra prefeitura resolver”, afirma Oliveira.

Nas campanhas, vem a retribuição. “Eu indico para as pessoas da comunidade voto nele e no PT. São os únicos que não aparecem só em eleição”, diz ele, que também é filiado ao partido.

Vereador no oitavo mandato, Arselino, 63, é irmão do ex-deputado federal Jilmar Tatto, 54, escolhido no último sábado (16) candidato do PT à Prefeitura de São Paulo. Jilmar foi secretário de Transportes nas gestões de Marta Suplicy (2001-04) e Fernando Haddad (2013-16).

Ambos são parte de um clã de dez irmãos, dos quais mais três têm mandato eletivo pelo PT: o também vereador Jair, 51, o deputado estadual Enio, 59, e o federal Nilto, 56.

Filhos de um casal de paranaenses que migraram para a região da Capela do Socorro no final da década de 1970, os Tatto iniciaram sua militância nas Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica e no PT, nos anos seguintes.

Estabeleceram uma máquina eleitoral tão ampla que a região ficou conhecida como Tattolândia.

Seu controle sobre a área, localizada nas proximidades da represa de Guarapiranga, se assenta em práticas clássicas de clientelismo. Envolve liberação de emendas, promoção de ações assistencialistas e cooptação de lideranças locais.

A Folha identificou ao menos oito líderes ou pessoas ligadas a associações comunitárias de bairros sob influência dos Tatto como assessores de gabinetes dos irmãos.

É o caso, por exemplo, de Claudislei Barbosa de Oliveira, ligado à Associação dos Moradores do Jardim Miriam, lotado na primeira-secretaria da Assembleia Legislativa, comandada por Enio Tatto. Ou de Marcos Rogerio Lerois, tesoureiro da Sociedade Amiga e Esportiva do Jardim Copacabana, assessor do gabinete de Enio.

Isso se repete no gabinete de Jair, que dentre os irmãos é o que mais espalha sua atuação para outras regiões da cidade, como a zona leste.

O gabinete de Arselino, por sua vez, absorveu nomes que, até 2016, estavam empregados na prefeitura, quando Jilmar era secretário de Transportes.

Mauro Scarpinatti, ativista ambiental da região de Guarapiranga, foi diretor da SPTrans; Antonio Dias Barroso foi subprefeito da Capela do Socorro; e Ricardo Padula de Moraes foi chefe de gabinete da subprefeitura.

No PT, adversários de Tatto que preferiam o deputado federal Alexandre Padilha como candidato a prefeito preocupam-se com a imagem do ex-secretário. Seria alguém mais interessado em fortalecer seu grupo político do que em se articular com outros líderes de esquerda.

A liberação de emendas é outro instrumento usado pelo clã. No Jardim Universitário, homens trabalhavam na última quinta-feira (21) na reforma de uma quadra poliesportiva feita com dinheiro do Orçamento obtido por Arselino. Há cerca de 15 anos, a construção do espaço também foi feita com recursos repassados por ele.

“Aqui no mínimo 80% do pessoal é Tatto, porque eles são muito atuantes”, disse Claudio José da Silva, diretor-esportivo da Associação do Jardim Universitário, que também já teve membros empregados em gabinetes dos irmãos.

O ex-secretário de Transportes e candidato à prefeito pelo PT, Jilmar Tatto - Filipe Araújo/Divulgação

Na quadra, Silva dá treino de futebol para 190 crianças entre 5 e 17 anos. Agora, será possível ter também aulas de ginástica e realizar eventos como festas juninas e do Dia das Crianças, que antes ocorriam no meio da rua.

Os irmãos são conhecidos por promover eventos para a comunidade, não apenas em época de campanha. Costumam ser assíduos nas celebrações.

Um dos locais favoritos é o centro esportivo Mocidade Ativa Cristã, no Jardim das Imbuias. O espaço é um CDC (Clube da Comunidade), pertencente à prefeitura, mas administrado pelos moradores.

Acabou de passar por uma ampla reforma, também a partir de emenda de Arselino, como registra uma faixa de agradecimento colocada na quadra.

Antes de ser fechado em razão do coronavírus, o clube teve troca de refletores no campo de futebol, onde Enio joga como centroavante nos torneios de várzea. A próxima demanda é a construção de uma arquibancada.

“Aqui a gente tem telecentro, oferece dança pra idosos, faz festa, churrasco, tudo aberto à comunidade”, diz o caseiro do local, Luiz Antonio Mingareli, que diz ser uma espécie de assessor informal de Enio. Os irmãos estão sempre presentes.

O clube MAC (Mocidade Ativa Cristã), no Jardim Imbuias, que foi reformado com emenda de Arselino Tatto - Bruno Santos/ Folhapress

Moradores ouvidos pela Folha dizem que Jilmar trabalhou bastante pela região como secretário de Transportes. Entre as obras e ações listadas estão o Bilhete Único, a duplicação da avenida Dona Belmira Marin, na região do Grajaú, e a construção de corredores de ônibus que reduziram o trajeto até o centro pela metade.

A área dos transportes deve estar entre as principais bandeiras de campanha de Jilmar, que entregou mais de 400 km de vias exclusivas para o transporte coletivo na gestão Haddad, embora não tenha cumprido a meta de construção de corredores.

Em entrevista à Folha, ele prometeu implantar de forma gradual a tarifa zero para os passageiros.

A atuação nesse setor, por outro lado, também é sua principal fonte de dores de cabeça judiciais.

Na gestão Haddad, Jilmar foi denunciado duas vezes por suspeita de improbidade administrativa por aumento de multas e radares na cidade e uso irregular dessa arrecadação. Em uma das ações, foi inocentado, mas há recursos pendentes. Também responde por suspeita de improbidade em relação a obra de uma ciclovia.

Neste ano, Jilmar se tornou um dos alvos de denúncia por suspeita de improbidade administrativa em relação a cartel de empresas de ônibus.

Além disso, em 2006, chegou a ter a prisão pedida pelo Ministério Público, mas negada pela Justiça, em investigação a respeito de influência sobre perueiros que seriam ligados ao crime organizado. Ele sempre negou essa relação e o caso foi arquivado.

Jilmar afirmou à Folha que vê o termo Tattolândia com carinho e não de forma pejorativa. "Lutamos por políticas que possam dar mais qualidade de vida para essas pessoas muitas vezes esquecidas pelo poder público".

Sobre o fato de líderes locais serem assessores parlamentares, afirmou que as equipes dão diversas. "Quanto aos nossos mandatos, eles sempre foram muito plurais mesmo, com técnicos, lideranças populares e gente do povo."

Arselino afirmou, sobre a contratação de Robson de Oliveira, que ela obedeceu à legislação. "Todas as nossas contratações seguem exatamente o que prevê a lei. E a presença de líderes populares da periferia de São Paulo nos enche de orgulho."

“É uma opção termos assessores populares. Não queremos apenas o voto das pessoas, queremos que elas se sintam representadas em nossos mandatos. Então compomos nossas equipes da forma mais plural possível", completa.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.