Bolsonaro chama Moro de Judas e diz que ninguém dará um golpe em cima dele

Presidente falou para simpatizantes que criticavam Supremo Tribunal Federal

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro chamou neste sábado (2) o ex-ministro Sergio Moro de "Judas" e afirmou a apoiadores na porta do Palácio da Alvorada que ninguém dará um golpe em seu governo.

Bolsonaro falou sobre golpe a simpatizantes que criticavam o STF (Supremo Tribunal Federal).

"Ninguém vai fazer nada ao arrepio da Constituição, fiquem tranquilos. Ninguém vai querer dar um golpe em cima de mim, não, podem ficar tranquilos", disse.

O presidente Jair Bolsonaro deixa o Palácio da Alvorada após cumprimentar apoiadores em Brasília
O presidente Jair Bolsonaro deixa o Palácio da Alvorada após cumprimentar apoiadores em Brasília - Pedro Ladeira - 24.abr.20/Folhapress

A declaração foi dada depois de um dos apoiadores citar o Supremo. "Fizemos vaquinha para vir aqui para te dar apoio para repudiar o que aquele Supremo Tribunal Federal está fazendo com o senhor", afirmou um dos presentes.

Pouco depois, em rede social, o presidente publicou um vídeo sobre as suspeitas em relação ao mandante da facada que levou na campanha de 2018. "Os mandantes estão em Brasília?", escreveu.

"O Judas, que hoje deporá, interferiu para que não se investigasse?", disse Bolsonaro, citando o depoimento que Moro prestará neste sábado à Polícia Federal sobre as acusações que fez contra o presidente ao sair do governo.

"Nada farei que não esteja de acordo com a Constituição. Mas também NÃO ADMITIREI que façam contra MIM e ao nosso Brasil passando por cima da mesma Constituição", afirmou o presidente.

A informação divulgada na noite desta sexta-feira (1º) de que Moro prestará depoimento neste sábado, em Curitiba, elevou a tensão nas redes sociais bolsonaristas.

A narrativa nessas redes sociais de aliados de Bolsonaro é de um golpe de Estado em curso arregimentado pelo STF, que nos últimos dias impôs uma série de derrotas a Bolsonaro, como a suspensão da posse de Alexandre Ramagem como novo diretor-geral da Polícia Federal e a derrubada das restrições à Lei de Acesso à Informação.

As hashtags #GolpedeEstado e #GolpedoSTF figuram entre os assuntos do momento no início da madrugada deste sábado, com mais de 250 mil tuítes somando as duas.

A oitiva de Moro foi marcada após o ministro Celso de Mello, do STF, dar o prazo de cinco dias para a corporação ouvir o ex-ministro.

Moro deve detalhar as declarações dadas ao pedir demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública, no último dia 24. Em entrevista à revista Veja, ele afirmou que tem provas para incriminar Bolsonaro e disse que as apresentaria à Justiça.

Moro acusou o chefe do Executivo de tentar interferir na autonomia da PF para ter acesso a relatórios de inteligências e a investigações em curso, o que não é permitido.

Para isso, Bolsonaro queria exonerar Maurício Valeixo do comando da instituição, o que gerou o atrito com o então ministro Moro, e nomear alguém que tivesse relação direta.

Ao se despedir do governo, o ex-juiz da Lava Jato disse que o desejo do chefe do Executivo era indicar Alexandre Ramagem para o comando do órgão.

Ramagem foi chefe da segurança de Bolsonaro após ele ter sido eleito presidente, quando se aproximou da família se tornou amigo do vereador Carlos Bolsonaro, investigado pela PF sob suspeita de articular esquema de disseminação em massa de informações falsas.

Bolsonaro nomeou, de fato, Ramagem para o cargo. O ministro Alexandre de Moraes, do STF, no entanto, suspendeu a indicação por entender que não observava os princípios da impessoalidade e da moralidade pública.

Além dos integrantes da PF, três procuradores da República acompanharão o depoimento.

Vídeo do atentado

O vídeo compartilhado nas redes sociais pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), neste sábado (2), com um homem que apresenta teorias sobre o atentado sofrido pelo então candidato na campanha eleitoral, veio a público em 2019 e já teve o conteúdo analisado pela Polícia Federal.

Como mostrou a Folha, a PF concluirá nos próximos dias o relatório parcial do segundo inquérito aberto para esclarecer o caso. Até o momento, a tese propagada por Bolsonaro de que haveria um mandante do ataque está descartada.

A investigação mostrou que o autor do ataque, Adélio Bispo de Oliveira, agiu sozinho. O esfaqueador foi declarado inimputável e absolvido pela Justiça. Ele cumpre medida de segurança na penitenciária federal de Campo Grande (MS). A defesa de Bolsonaro não recorreu da absolvição.

A gravação postada pelo presidente é narrada por um homem que se identificou como "apenas um técnico de informática", um "mero cidadão" que quer justiça. Seu nome não foi informado.

Ele exibe imagens gravadas momentos antes do atentado, durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG), em setembro de 2018, enquanto faz comentários sugerindo que Adélio teria atuado em conjunto com outras pessoas.

O vídeo reproduzido contém a voz de um homem que estava no local do crime e que deu depoimento à PF. A testemunha não forneceu elementos que sustentassem a informação da participação de terceiros.

Para a PF, a expressão "calma, Adélio" que o narrador diz ser possível escutar, na verdade, era "calma, velho" e foi possivelmente dirigida a outra pessoa no local. Os investigadores consideram frágil a tese de que seriam alertas para o esfaqueador.

O homem ouvido pelos investigadores integrou a equipe de apoiadores que fazia a segurança do então presidenciável. O vídeo divulgado por Bolsonaro também foi periciado, e a PF conseguiu desconstruir tecnicamente todas as suspeitas que pesavam sobre o material.

Agentes ligados ao caso na corporação tratam o conteúdo como mais uma das fake news e boatos sobre a facada refutados pela apuração oficial, que é alvo de forte contestação de bolsonaristas após a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça.

Desde o dia do atentado, a Polícia Federal colheu testemunhos de centenas de pessoas, analisou postagens de redes sociais e fez cruzamentos de dados. Nada até hoje apontou para o envolvimento de cúmplices.

Os detalhes do trabalho serão conhecidos com a divulgação do relatório parcial do inquérito, que é o segundo instaurado sobre o episódio e já acumula mais de 300 páginas.

Essa investigação apura especificamente se houve mentores, financiadores ou comparsas. Os advogados de Bolsonaro têm o direito de acessar o conteúdo produzido pela PF, incluindo as informações já levantadas sobre o vídeo deste sábado.

Um primeiro inquérito, finalizado no mês do atentado, mostrou que Adélio agiu por conta própria. Ele já recusou uma proposta de delação premiada, dizendo que, mesmo que quisesse, não teria ninguém para denunciar.

Colaborou Joelmir Tavares

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.