Descrição de chapéu

Aniversário de pastor cortejado por Bolsonaro sempre foi pit-stop de políticos

Pastor José Wellington está à frente da maior das Assembleias de Deus

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rio de Janeiro

“Aos gritos de ‘presidente, Jesus te ama’, pastores da Assembleia de Deus manifestaram ontem, durante congresso da igreja evangélica, apoio à campanha.”

Não há nada de novo nesta descrição. Ela pode parecer contemporânea para muitos, mas é de 1997 e abre uma reportagem da Folha sobre o aceno do pastor José Wellington Bezerra da Costa, que por anos presidiu a CGADB (Convenção das Assembleias de Deus do Brasil), ao então candidato à reeleição Fernando Henrique Cardoso (PSDB) —que, em 1985, perdeu uma eleição municipal a reboque da fama de ateu e que, no pleito de 1994, fez questão de declarar que “sempre acreditou em Deus”.

A novidade no encontro, na noite desta segunda (5), do presidente Jair Bolsonaro com o mesmo José Wellington está no peso eleitoral dos evangélicos. Hoje estima-se que 30% dos brasileiros professem essa fé, quase três vezes mais do que nos anos 1990. E que, em 2018, sete em cada dez eleitores que seguem a religião tenham apertado o número 17 de Bolsonaro nas urnas.

O pastor José Wellington Bezerra da Costa em seu aniversário de 2013
O pastor José Wellington Bezerra da Costa em seu aniversário de 2013 - Leticia Moreira-7.out.13/Folhapress

É antigo o beija-mão de políticos no aniversário de José Wellington, que completa 86 anos e que está à frente do Ministério Belém, o maior braço daquela que é a maior denominação evangélica do Brasil, a Assembleia de Deus. Vários governadores paulistas já bateram ponto no mesmo evento em anos passados, como Geraldo Alckmin (PSDB), José Serra (PSDB) e Cláudio Lembo (PSD).

Há uma representante da família na disputa pela Prefeitura de São Paulo: a deputada estadual Marta Costa (PSD-SP), filha do pastor e vice na chapa de Andrea Matarazzo (PSD).

Hoje é seu irmão Jose Wellington Júnior quem lidera a CGADB no lugar do pai. Ele foi na semana passada ao Palácio do Planalto, onde, ao lado de parlamentares assembleianos, tomou com o presidente um café da manhã salpicado de orações e conversas sobre temas centrais a evangélicos.

Um deles a própria CGADB destacou em suas redes sociais: o acordo para “parcerias com o governo federal, visando o crescimento das Assembleias de Deus em todo território nacional”.

Outro tópico que circulou à boca miúda foi a possibilidade de ver como vice de Bolsonaro em 2022 a chefe da pasta da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, que já bravateou ser uma “ministra terrivelmente cristã” no seio do “Estado laico”.

Em 2018, os grandes líderes evangélicos, dos Josés Wellingtons pai e filho ao bispo Edir Macedo, marcharam juntos pela primeira vez em torno de um único candidato: Bolsonaro. Até então, não se podia falar em unidade eleitoral no segmento.

Dentro da própria Assembleia, não há consenso. Nem a convenção-geral responde por todas as igrejas que se dizem assembleianas. Exemplo: rachou com ela a primeira delas, fundada em 1911, em Belém (PA), e hoje comandada pelo irmão de Silas Câmara (Republicanos-AM), presidente da bancada evangélica na Câmara dos Deputados.

Até Bolsonaro, costumava ir cada uma pra um lado. Em 2010, por exemplo, algumas Assembleias apoiaram a petista Dilma Rousseff, outras o tucano José Serra, e parte ficou com a então verde Marina Silva.

Falar em números tampouco é fácil, dado o déficit de estatísticas confiáveis sobre um segmento tão pulverizado quanto o evangélico. No Censo de 2010, 12,3 milhões de brasileiros declararam pertencer a alguma Assembleia. A CGADB fala em 3,5 milhões sob sua jurisdição, distribuídos por quase 300 mil igrejas.

Em 1997, no encontro com FHC, José Wellington contou como a Assembleia de Deus estava ajudando o governo federal a reduzir o número de sem-terra no país. “Cada irmão que entra [na igreja] é um sem-terra a menos, pois nós gostamos da terra, mas queremos mesmo é o céu", afirmou.

No mesmo ano, quando pululavam entre não-evangélicos trocadilhos pejorativos como “templo é dinheiro”, o pastor ironizou, em entrevista à revista Veja: “Onde tem Coca-Cola, Correios e Bradesco tem uma Assembleia de Deus”.

Corta para 2020, e a influência dos evangélicos na política nunca foi tão pujante. Bolsonaro sabe bem disso. Fica com a Assembleia de Deus.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.