Homem branco é o candidato padrão a prefeito nas 95 maiores cidades do país

Nem Partido da Mulher lança mais mulher do que homem; do total de concorrentes a prefeito, 82% são homens, e 70%, brancos

Brasília e São Paulo

O crescimento da participação de mulheres e negros nas eleições deste ano não se reflete de forma expressiva em um ponto crucial, a corrida pelo comando das 95 maiores cidades do país, que concentram 40% da população brasileira e onde os partidos mantiveram a tendência de indicar homens brancos para a disputa.

Essas são aquelas cidades com mais de 200 mil eleitores —e, com isso, têm a possibilidade de um segundo turno nas eleições de novembro.

De acordo com dados da Justiça Eleitoral compilados pela Folha, 8 em cada 10 candidatos a prefeito nessas cidades são homens, com destaque para Norte e Nordeste. Se levada em conta a cor declarada da pele, 70% são brancos, com maior prevalência no Sul.

A cota de candidaturas femininas, que é de pelo menos 30% vagas, é cumprida com a ocupação das vagas de vice, a candidatura em cidades menores ou nas chapas para vereador —postos de menor importância na disputa.

De acordo com o TSE, de todas as 553,5 mil candidaturas registradas até esta terça-feira (13), o que incluía concorrentes a prefeito, vice ou vereador, 33,4% eram de mulheres, um recorde.

Mas, nas grandes cidades, a história é diferente. Levando-se em conta só as capitais, entre os 35 candidatos inscritos para disputar o comando de Belém, São Luís e Manaus, por exemplo, não há nenhuma mulher.

Entre as legendas, nem mesmo o Partido da Mulher Brasileira lançou mais mulheres do que homens nas principais disputas. Dos seus 13 candidatos a prefeito nessas cidades, 9 são homens. A Folha não conseguiu falar com a direção do partido.

Entre os partido médios e grandes, PTB, DEM, Novo, MDB, Avante, Solidariedade, Republicanos e PSL lançaram mais de 90% de homens para a disputa às prefeituras dos grandes centros urbanos.

Os únicos cujas mulheres representaram mais de 30% dos candidatos foram os nanicos PMB, UP, PSTU, além do PSOL (47%).

Já em relação aos negros, os dados gerais também mostram que, pela primeira vez na história, candidatos autodeclarados pretos e pardos são maioria em relação aos que se declaram brancos —50% contra 48%.

Neste ano, a Justiça determinou que os partidos distribuam de forma igualitária recursos de campanha entre seus candidatos brancos e negros.

Mas assim, como no caso das mulheres, quando se trata da definição dos principais postos na disputa eleitoral, ainda prevalece a opção pelos brancos. Entre os candidatos a prefeito no "top-95" da cidades brasileiras, eles representam 70%. Ou seja, 7 de cada 10 concorrentes. Pardos são 20% e pretos, 9%.

A lista de candidaturas mostra, por exemplo, que todos os 39 concorrentes a comandar as capitais da região Sul —Porto Alegre, Curitiba e Florianópolis— são brancos.

Entre os partidos, o Novo se destaca pela quase total falta de diversidade tanto de gênero quanto de cor. Das 23 candidaturas que lançou nas grandes cidades, 21 são homens brancos. Só há uma mulher, Juliana Benicio (Niterói, no Rio de Janeiro) e um autodeclarado pardo, Professor Agliberto (São José dos Campos, em São Paulo).

Membros do partido Novo promovem um adesivaço do candidato a vereador Andre Bolini. Nas grandes cidades, partido lançou 23 candidatos a prefeito, 21 deles homens brancos - Rubens Cavallari/Folhapress

Em nota, o Novo disse que cresce em ritmo constante e trabalha para que sua mensagem chegue a um número cada vez maior de cidadãos. "O objetivo do partido é, e sempre será, contribuir para fortalecer a representatividade de ideias na política, independente de cor, credo, gênero e orientação sexual.”

Candidata a vereadora pelo Novo em São Paulo, a advogada Naira Sathiyo, 24, diz que o Novo, assim com outros partidos, ainda deixa a desejar na questão da representatividade, mas que tem como um dos pontos positivos o processo seletivo de candidatos em igualdade de condições, sem a necessidade de apadrinhamentos políticos.

"Eu vejo a questão da diversidade como um dos pontos mais importantes a ser debatido na sociedade, e em relação ao qual precisamos evoluir muito , não só na política", diz.

Os únicos partidos em que há pelo menos 40% de negros são PMN, Patriota, PC do B, PSOL, DC PCB, UP e PSTU.

Para Irapuã Santana, que é doutor em Direito pela UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) e . advogado voluntário da Educafro, o quadro nas principais cidades do país mostra como é importante a decisão da Justiça de forçar os partidos a dividir as verbas de campanha de forma igualitária entre brancos e negros.

"A falta de dinheiro reverbera na falta de candidatura", afirma Irapuã, segundo quem a perspectiva de não ter acesso aos recursos de campanha desestimula a participação dos negros na política.

Conforme a Folha mostrou em várias reportagens, os principais partidos políticos resistem em abrir espaço para candidatos negros, o que reduz a diversidade na política, especialmente nos principais postos de comando.

Em 2016, por exemplo, dos 26 prefeitos de capital eleitos, 22 eram brancos, 4 pardos e nenhum preto. Naquela eleição, menos de 30% das vagas e das verbas de campanha para a disputa às prefeituras foi direcionado a pretos e pardos.

De acordo com o IBGE, pretos e pardos representam 56% da população brasileira. Mulheres, 52%.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.