Bolsonaro repete o filho, chama Renan de vagabundo e vê crime na CPI da Covid

Ao lado de Arthur Lira (PP) e Fernando Collor (Pros), presidente participou de inauguração de casas em Maceió

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Salvador , Rio de Janeiro e Maceió

O presidente Jair Bolsonaro repetiu o seu filho e senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e chamou o relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), de vagabundo nesta quinta-feira (13) em Maceió.

“Sempre tem algum picareta, vagabundo, querendo atrapalhar. Se Jesus teve um traidor, temos um vagabundo inquirindo pessoas de bem no nosso país. É um crime o que vem acontecendo com essa CPI”, disse o presidente em discurso no estado que é base eleitoral do senador Renan Calheiros.

A sessão da CPI desta quarta-feira (12) foi encerrada após Flávio Bolsonaro entrar em rota de colisão com Renan. No bate-boca, o filho do presidente da República chamou o senador alagoano de vagabundo. Mais tarde, em uma rede social, Jair Bolsonaro publicou trecho de vídeo com a discussão dos senadores.

Nesta quinta, pouco depois das declarações de Bolsonaro, o governador Renan Filho (MDB), que não compareceu aos eventos na capital, afirmou que o presidente age por desespero e ataca o Congresso Nacional por se sentir acuado diante da investigação na CPI e da queda de popularidade.

"Por aqui, presidente, responderemos a esse tipo de violência com gestão resolutiva, obras com recursos próprios, contas organizadas, priorizando salvar vidas na pandemia e colocando sempre o povo acima dos interesses políticos. Vale informar ao Brasil, Alagoas resistiu!", declarou Renan Filho, em uma rede social.

Durante o ato em Maceió, apoiadores do presidente também gritaram "Renan vagabundo". Bolsonaro observou em silêncio e sorriu. Ele também aproveitou o ato para fustigar o ex-presidente Lula (PT), a quem chamou de "aquele ladrão de nove dedos".

Nesta quarta-feira, pesquisa Datafolha apontou queda de popularidade do presidente, sobretudo no Nordeste. Na região, segundo a pesquisa, 62% dos entrevistados afirmaram que não votariam de jeito nenhum no presidente Jair Bolsonaro em 2022.

A pesquisa também mostrou Lula liderando a corrida eleitoral com 41% das intenções de voto, contra 23% de Bolsonaro. No segundo turno, Lula venceria Bolsonaro por 55% a 32%, desempenho puxado sobretudo pelas intenções de voto no Nordeste.

Nas inaugurações, o presidente cercou-se de adversários do senador Renan Calheiros e do governador Renan Filho (MDB). Participaram dos atos o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), o senador Fernando Collor (Pros) e o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (PSB).

Presidente da República, Jair Bolsonaro, ao lado do ex-presidente Fernando Collor de Melo e de Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados, durante cerimonia em Maceió para a entrega de 500 unidades habitacionais - Alan Santos/PR

Aliados do presidente ainda aproveitaram o ato para fustigar Lula e exaltar Bolsonaro. O ministro do Turismo, Gilson Machado, disse: "O nordestino gosta de governo, o nordestino não gosta de PT".

No domicílio eleitoral do relator da CPI do Covid, Bolsonaro inaugurou obras que foram executadas e entregues pelo estado de Alagoas, hoje governado pelo filho do senador Renan Calheiros.

Embora duas das obras tenham sido contratadas pelo governo do estadual, Renan Filho foi apenas comunicado, por email do Cerimonial da Presidência, sobre presença de Bolsonaro para a inauguração de duas obras que foram concluídas e já entregues pelo próprio governador.

Uma delas, do Canal do Sertão, custou R$ 3,5 bilhões, em valores corrigidos, dos quais apenas R$ 191 milhões liberados pelo governo Bolsonaro.

O maior desembolso para o projeto, iniciado em 2002, ocorreu no governo Dilma Rousseff (PT): R$ 2,2 bilhões, em valores corrigidos. O governo Lula pagou outros R$ 694,8 milhões.

O quinto trecho do canal, orçado em cerca de R$ 400 milhões, não foi iniciado por falta de recursos. O trecho quatro, hoje inaugurado por Bolsonaro, funciona desde março.

Já o viaduto, que Bolsonaro também inaugurou nesta quinta-feira (13), foi liberado para o tráfego em dezembro do ano passado. Contratada pelo governo Renan Filho, a obra foi majoritariamente financiada pelo governo Temer.

Dos R$ 95 milhões investidos, R$ 53 milhões foram liberados pelo governo Temer, R$ 25 milhões foram pagas pelo governo estadual e R$ 17 milhões foram repassados pela gestão Bolsonaro.

Bolsonaro participou ainda da entrega de 500 unidades habitacionais remanescentes do programa Minha Casa. Minha Vida, rebatizado de Casa Verde e Amarela.

À tarde, Bolsonaro foi à cidade de São José da Tapera, onde inaugurou o trecho 4 do Canal do Sertão. Assim como ocorreu em Maceió, o presidente foi recepcionado aos gritos de “Renan Vagabundo”, em nova menção ao senador.

Após a abertura das comportas, Bolsonaro voltou a defender o voto impresso.

Durante sessão da CPI, o relator Renan Calheiros rebateu Bolsonaro e afirmou que a resposta às ofensas será o aprofundamento das investigações.

"Eu quero dizer a todos os pregadores que a minha resposta a esses ataques é esse número aqui, de vítimas da pandemia", disse, em referência, à placa com o número 428.256, que substitui a indicação de seu nome na mesa da comissão.

"Haja o que houver, intimidações todos os dias, não haverá problema. A melhor resposta é o aprofundamento da investigação", concluiu.

Colaboraram William Rocha, de São José da Tapera (AL), e Julia Chaib, de Brasília

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.