Descrição de chapéu 3º Seminário Economia da Arte

Comunidades na periferia de SP criam bibliotecas até em cemitério

Com 110 organizações, Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias quer democratizar acesso ao livro

Danae Stephan
São Paulo

A biblioteca comunitária Dona Leonor, em Mauá, no ABC paulista, surgiu a partir de uma roda de samba.

A Solano Trindade, em Cidade Tiradentes, bairro periférico no extremo leste de São Paulo, derivou de um grupo de hip hop.

A biblioteca Caminhos da Leitura, que fica em Parelheiros
A biblioteca Caminhos da Leitura, que fica em Parelheiros - Robson Ventura/Folhapress

A Caminhos da Leitura, em Parelheiros, na zona sul, funciona dentro do cemitério, na casa do coveiro.

Essas e outras 110 organizações formam a Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias (RNBC), criada em 2015 para mapear iniciativas do tipo no país, dar apoio e ajudar no desenvolvimento de políticas públicas.

"São instituições que contribuem para democratizar o acesso aos livros, mas que não têm fomento do governo", diz Danilo Ramos, integrante do conselho gestor.

Para ser considerada comunitária, a biblioteca tem que ser iniciativa da população e também gerenciada por ela.

Seus acervos, compostos em geral por doações, são representativos da diversidade dos bairros em que estão inseridas.

Para atrair e criar leitores, essas bibliotecas promovem rodas de leitura, saraus e oficinas —prática que as instituições públicas incorporaram nos últimos anos. 

E extrapolam as paredes dos espaços. "A gente faz mediação de leitura em posto de saúde, em campo de futebol. É preciso seduzir o leitor", diz Ramos.

A maior parte delas, 86,7%, fica em áreas urbanas, porém em zonas periféricas, territórios de ocupação e favelas, de acordo com pesquisa da RNBC.

São regiões sem equipamentos culturais, e a biblioteca acaba virando ponto de referência. "Os moradores criam vínculos com o espaço. Muitas vezes, ele serve para organizar a comunidade", diz Ramos.

A pesquisa mapeou 143 bibliotecas em 45 municípios, e mostrou o impacto dessas instituições: são mais de 23 mil atendimentos mensais e cerca de 200 mil beneficiários atingidos indiretamente pelas ações promovidas. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.