Descrição de chapéu 3º Seminário Economia da Arte

Conjunto de bibliotecas públicas no país é insuficiente e mal distribuído

Sudeste reúne 1/3 das instituições; destaques no Rio e em SP investem em obras e eventos culturais

Amarilis Lage
Rio de Janeiro

O conjunto de bibliotecas públicas brasileiras é insuficiente, apesar de avanços pontuais.

São 6.057 unidades, ou uma para 34,5 mil habitantes, sendo que mais de um terço delas se concentra no Sudeste, de acordo com os dados mais recentes do SNBP (Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas), de 2015.

A questão não é apenas quantidade, como lembra Adriana Ferrari, presidente da Febab (Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições).

É preciso ver se a instituição é acessível, se tem um bom acervo, se funciona aos finais de semana e se oferece serviços significativos à comunidade.

A Febab trabalha para definir parâmetros de avaliação adequados ao Brasil, capazes de orientar, especialmente, a conversa com prefeitos.

"Se levarmos parâmetros internacionais, vão dizer: isso é coisa para a Finlândia", diz Ferrari.

Como ocorre em outras áreas do país, o que salta aos olhos na situação das bibliotecas públicas é o contraste.

Ao mesmo tempo que muitos municípios nem sequer têm uma, há destaques do sistema brasileiro que desfrutam de reconhecimento internacional, que promovem eventos de grande porte e que estão com grandes obras em curso.

Em São Paulo, a Biblioteca Parque Villa-Lobos, por exemplo, concorreu ao prêmio Biblioteca do Ano de 2019 da London Book Fair.

Em 2018, já tinha sido finalista no concurso promovido pela IFLA (Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias), enquanto a Biblioteca de São Paulo disputava o prêmio londrino. 

Outro destaque da capital, a Mário de Andrade tem chamado a atenção por ampliar sua programação cultural.

No mês que vem realiza seu primeiro festival, que espalhará três palcos pela região central.

"Vai ser como uma virada cultural do livro", comenta Joselia Aguiar, que assumiu a direção da biblioteca em março.

Enquanto isso, no Rio, a Biblioteca Nacional se prepara para fazer várias reformas, depois de obter R$ 21,9 milhões junto ao Fundo de Direito Difuso do Ministério da Justiça.

Ainda no Rio, observa-se uma retomada da rede de bibliotecas-parque.

O conceito toma como inspiração a experiência colombiana, que fez desses espaços áreas estratégicas de combate à violência.

Em Medellín, foram criadas grandes unidades em regiões mais vulneráveis, com programas de atividades que ampliaram as funções da biblioteca para além de estudo-pesquisa-leitura: também convivência, lazer e festa.

No Rio, a primeira foi a Biblioteca Parque Manguinhos, criada em 2010. Seguiram-se as unidades de Niterói (2011), Rocinha (2012), Alemão (2013) e Parque Estadual (2014).

"Elas foram um incremento importante, mas houve o sucateamento desse projeto", avalia Luciana Manta, presidente do sindicato do RJ.

Fechadas em 2016, devido à crise do estado, foram reabertas em 2018, com exceção da unidade do Alemão, que voltará a funcionar neste ano, segundo Ruan Fernandes Lira, secretário estadual de Cultura e Economia Criativa. 

Há cerca de dois meses, Lira transferiu a sede da sua pasta para a Biblioteca Parque Estadual, no centro.

Neste ano, a unidade voltou a emprestar livros e passou a oferecer sessões de dramaterapia para seus frequentadores, muitos dos quais são pessoas em situação de rua.

A média mensal de visitas, que era de 1,5 mil em 2018, chegou a 8.953 em julho deste ano.

No Chile, diz Ferrari, criou-se uma verdadeira rede de bibliotecas, em vez de se apostar em unidades isoladas.

"O segredo do sucesso deles é a continuidade. Aqui, temos sempre a sensação de recomeço. Agora, perdemos nosso interlocutor: o MinC [Ministério da Cultura]. Isso diz a estados e prefeituras que não é preciso ter áreas específicas de cultura. O que não está no organograma não tem 'budget'", afirma a presidente da Febab. 

Na atual gestão, o MinC foi incorporado pelo Ministério da Cidadania. Segundo a assessoria de imprensa da pasta, "a coordenação do SNBP estimula políticas públicas para bibliotecas, principalmente por meio de editais ou para a construção de novas unidades ou ampliação ou digitalização de acervos".

Marília Paiva, professora da Escola de Ciência da Informação da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), pesquisou as políticas públicas para o setor desde o governo Sarney e viu que as ações de incentivo à leitura no país costumam focar na cadeia produtiva do livro, não na biblioteca. 

Para Paiva, o PNLL (Plano Nacional do Livro e Leitura), de 2006, foi inovador, mas não definiu de onde viria a verba para novas bibliotecas nem formas de pressionar estados e cidades. 

O alento, diz ela, vem do fortalecimento das bibliotecas comunitárias. "A carência fez nascer essa rede, que já está promovendo eventos, cursos, pesquisas"¦ Isso mostra que onde tem biblioteca, as pessoas vão."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.