Mais da metade das buscas do Google resulta em zero clique, diz relatório

Empresa analisa dados nos EUA e identifica queda no tráfego a sites que não pertencem ao Google

Paula Soprana
São Paulo

Pela primeira vez, mais da metade das buscas no Google resulta em zero clique —o usuário procura um termo ou uma frase e não clica em nenhum site listado na plataforma de busca. A informação é de um relatório recém-publicado pela Sparktoro, empresa de software americana.

O pesquisador usou números da Jumpshot, de análise de dados para marketing. A marca de 50,33% das buscas que geraram zero clique foi atingida em junho. 

O objetivo de Randk Fishkin, autor do texto, é explorar o monopólio nas ferramentas de busca. Ele justifica o uso de dados da empresa de marketing porque o Google não abre essas informações —os dados de tráfego da empresa não são públicos.

O relatório mostra que mesmo antes de atingir o patamar de 50,33%, uma porção das buscas (6%) já terminava em cliques a sites de domínio do Google, como YouTube, Maps e o blog do Google.

Embora esses sites possam estar listados entre os primeiros resultados de busca porque são, de fato, os melhores de acordo com o algoritmo, o Congresso americano questiona a Alphabet, dona do Google, por possíveis práticas monopolistas. 

Logo do Google e Bugdroid, mascote do sistema operacional Android; EUA questionam monopólio de grandes empresas de tecnologia
Logo do Google e Bugdroid, mascote do sistema operacional Android; EUA questionam monopólio de grandes empresas de tecnologia - Reuters

Avaliando dados do segundo trimestre, Fishkin conclui que não existe competição nesse mercado. Segundo a Jumpshot, 94% das buscas nos Estados Unidos acontecem em sites ligados ao Google (como Google Imagens, Youtube e a própria busca).

A análise destaca que a dominação deve ser ainda maior porque a ferramenta não inclui aplicativos móveis como Google Maps e YouTube, amplamente instalados em dispositivos móveis no país.

Nos aparelhos móveis, onde mais da metade das buscas acontecem, os cliques orgânicos caíram quase 20%, enquanto os pagos quase triplicaram e os zero clique subiram de forma significativa nos últimos três anos.

Especialistas têm alertado que a ampla gama de informações que o Google disponibiliza já na primeira página (como cartões explicativos e tabelas com resultados de jogos) faz com que usuários não cliquem nos sites de terceiros indexados em sua ferramenta de busca.

A Jumpshot, que deu os dados da pesquisa, é um braço de dados da Avast, uma das líderes em cibersegurança. A Avast coleta e analisa cada URL visitada por cada navegador nas máquinas em que sua solução está instalada. Depois de anonimizar e agregar os dados, os envia para análise de comportamento de navegação na Jumpshot. 

Em nota, o Google diz que "sempre gerou uma grande quantidade de tráfego para sites de terceiros e que acreditamos que oferecer uma experiência de busca cada vez melhor para usuários no mundo todo é uma maneira de ajudar a entregar ainda mais tráfego para sites em toda a web".

"Estamos sempre explorando novas formas de aumentar ainda mais esse engajamento e assim garantir que estamos apoiando todo o ecossistema digital", afirma.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.