Descrição de chapéu greve dos caminhoneiros

Crise de abastecimento afeta viagens; o que fazer se você precisa cancelar a sua

Turistas têm direito a reembolso; reservas em hotéis e agências caem com falta de combustível

Pessoas em fila em pé
Filas de passageiros nos balcões de companhias aéreas no aeroporto de Brasília - Pedro Ladeira - 25.mai.2018/Folhapress
Ana Luiza Tieghi
São Paulo

​​A falta de combustível causada pela paralisação dos caminhoneiros, que começou no último dia 21, afetou o setor de turismo, que já passava por um momento difícil por causa da alta do dólar.

Segundo a Abav (Associação Brasileira das Agências de Viagens), a movimentação nas agências caiu desde a semana passada, o que prejudicou as vendas para as férias de julho. "Temos reservas, mas ninguém quer fechar com risco de não embarcar", afirma a nota da entidade. 

A paralisação prejudicou principalmente o turismo doméstico, que era uma boa opção para fugir da escalada da moeda americana.

De acordo com a associação, 65% das vendas para as férias de julho eram de pacotes nacionais: o normal para o período é de 50% ou menos. 

A falta de combustíveis atrapalhou tanto as viagens de avião —mais de 270 voos foram cancelados até a segunda (28), segundo a Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas)— quanto o transporte por terra. 

A dentista Alessandra Moreira, 46, tinha reservado uma noite de hotel em Campos do Jordão há mais de um mês, para o final de semana dos dias 26 e 27. "Estava com o tanque cheio, mas fiquei com medo de gastar e não ter combustível para a semana", diz.

Ela decidiu cancelar o passeio e agora aguarda uma resposta do hotel sobre remarcação ou estorno do valor (veja abaixo). 

Alessandra não foi a única a desistir da viagem. De acordo com a Abih-SP (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de São Paulo), destinos de inverno no estado sofreram com mais de 50% de cancelamentos nas diárias no último final de semana.

O prejuízo financeiro é de pelo menos R$ 1,8 milhão. Já para o período entre os dias 28 a 30 de maio, os afetados foram os destinos de negócios e eventos, também com ao menos 50% de cancelamentos e prejuízo de R$ 6 milhões.

Segundo Manoel Linhares, presidente da Abih Nacional, os hotéis da cidade do Rio de Janeiro estão com 47% de ocupação para o feriado de Corpus Christi, mesma parcela do ano passado. A previsão de antes da paralisação dos caminhoneiros, porém, era de aumento de pelo menos 15% nas reservas. 

Já no Ceará, 15% das reservas de hotéis para o feriado foram canceladas. 

Com o início da normalização do abastecimento, a associação espera uma retomada das viagens no feriado, principalmente para destinos próximos das grandes cidades.

A Accor, que tem hotéis em 23 estados do país e no Distrito Federal, calcula 30% de baixas nas hospedagens desde o início das paralisações.

Para manter os hotéis em funcionamento, há funcionários que estão dormindo nas unidades em que trabalham, já que o transporte nas cidades foi comprometido. "Alguns hotéis do grupo estão suprindo os mantimentos dos outros", diz a rede Accor. 

Sem combustível no carro próprio, os viajantes podem optar por ônibus ou carros alugados para fazer trajetos terrestres neste feriado, mas precisam ficar atentos. 

A viação Cometa afirmou que só estava saindo com ônibus cheios e que, por isso, precisou alterar os horários de algumas saídas. Porém, nesta quarta (30), anunciou que já estavam trabalhando com 100% da frota e que as viagens para o feriado não seriam afetadas.

A Localiza informou que está honrando as reservas de locação de carros que já foram feitas, mas que pode acontecer de o veículo disponível não ser da categoria escolhida pelo cliente ou de o tanque não estar cheio, como é o costume. O cliente que pegar o carro com o tanque cheio e não conseguir abastecer antes de devolvê-lo não recebe multa, mas paga para que a empresa complete o reservatório.

O engenheiro civil José Ângelo Figueiredo, 52, precisou tentar duas empresas para conseguir reservar um carro no aeroporto de Goiânia. Ele pretendia viajar na quarta (30) à noite para a cidade, de avião, e seguir de carro até Abadiânia (a 90 km da capital), onde vai passar o feriado. 

"Liguei para confirmar a reserva e disseram que até o momento estão conseguindo entregar com tanque cheio." 

Com um filho cadeirante, o aposentado José Fernando Correa, 62, não sabe se vai conseguir visitar a família em Tupã, a 523 quilômetros de São Paulo, onde vive.

Com meio tanque de combustível, ele precisaria abastecer durante a viagem e tem medo das filas. "Com o meu filho é muito difícil ficar parado na estrada."

Para quem estiver em São Paulo, acontece no domingo (3) a Parada do Orgulho LGBT, um dos maiores eventos da cidade. A organização afirma que a parada está confirmada, assim como os trios elétricos que vão passar pela avenida Paulista, com apresentações de Pabllo Vittar e Preta Gil, entre outros artistas. 

A estimativa é que o público seja menor do que os 5 milhões alcançados no ano passado, segundo contagem da própria organização, por causa das dificuldades para chegar até o evento. 

Regras para remarcar hotéis e passagens ou receber o dinheiro de volta 

Cancelamento: Segundo o Procon-SP, quem comprou pacotes de viagem para os próximos dias, incluindo o feriado de Corpus Christi, e não conseguir viajar por causa da paralisação dos caminhoneiros, pode pedir o dinheiro de volta 

Reembolso: Os prestadores de serviço devem devolver o valor integral e não podem cobrar taxas para cancelar a reserva ou pacote. A mesma regra vale para pacotes, transporte e acomodação. A forma de reembolso deve combinada entre consumidor e empresa, ocorrendo de preferência da mesma forma que o pagamento foi realizado

Exceção: O programa de defesa do consumidor classifica a paralisação como uma "situação excepcional", o que facilita as condições de desistência. Quem não conseguir viajar por outros problemas não tem direito a esse benefício e está sujeito às regras de cancelamento das empresas

Processo: Para conseguir a devolução, o consumidor deve procurar a empresa da qual contratou o serviço e justificar que sua impossibilidade de viajar

Ônibus: Nas viagens rodoviárias, a remarcação é gratuita e pode ser feita para até um mês da data de partida se a viagem for estadual ou um ano caso seja entre estados

Hospedagem: O Airbnb pede para que os hóspedes que não puderem viajar entrem em contato com o atendimento ao cliente da empresa e solicitem o cancelamento por situação excepcional. A rede hoteleira Accor informa que estão flexibilizando as regras de cancelamento de diárias, e vendo caso a caso

Companhias aéreas: A Azul permite remarcação gratuita das passagens até 4 de junho. A Avianca permite a remarcação sem custo de passagens para quem for viajar até 31 de maio, mas a nova data de viagem deve ser até 9 de junho. A Gol permite remarcação e reembolso sem custo. Na Latam, os passageiros afetados por cancelamentos podem remarcar as passagens também sem custo

Dersa: A empresa pública, que opera balsas no litoral paulista, afirma que estão trabalhando com menos embarcações, o que aumentou o tempo de espera. Quem reservou saídas pode remarcá-las dentro de um ano 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.