Mercado imobiliário em alta dá apelido de nova Miami a Lisboa

Comprar uma casa na na capital portuguesa ficou, em média, 7,6% mais caro no último ano

Ricardo Ribeiro
Lisboa

O fluxo crescente de estrangeiros em Portugal, seja para passear ou ficar de vez, já faz sentir seu impacto. Assim como o aumento do número de visitantes fez subir o preço do pastel de nata, o novo contingente de residentes está elevando o valor do metro quadrado no país.

Comprar uma casa na terrinha ficou, em média, 7,6% mais caro no último ano. Os dados, divulgados pelo INE (Instituto Nacional de Estatísticas) português, são do último quadrimestre de 2017.

No entanto, assim como o custo para comer no país é baixo mesmo com os aumentos, o preço dos imóveis em Portugal ainda é mais barato do que o praticado em muitos bairros de São Paulo.

Segundo o INE, o preço médio do metro quadrado chegou a € 932, o equivalente a R$ 4.103. Em São Paulo, pede-se R$ 8.734, de acordo com o último levantamento da Fipe, de abril deste ano.

Lisboa segue no topo. Maior e mais procurada, a capital teve alta de 18% no metro quadrado em um ano: R$ 10,7 mil (€ 2.438). Equipara-se ao de empreendimentos da região central de São Paulo, em Santa Cecília, por exemplo. No entanto, o metro quadrado de imóveis novos em bairros como Vila Nova Conceição (zona sul da capital) custa R$ 17 mil.

Em Cascais, a 30 quilômetros de Lisboa, o metro quadrado custa € 1.992 (R$ 8.769). A cidade de praia é um dos locais com mais brasileiros. Na sequência, aparecem Lagos e Oeiras, na região do Algarve, valorizada pelas praias. Porto, segunda maior cidade do país, custa menos: € 1.307 (R$ 5.754) o metro quadrado.

“Há muito brasileiro a comprar casa em Portugal, muitos para fugir de um futuro incerto. Eles vêm do próprio Brasil e também dos Estados Unidos”, diz Raul Neves, 43, corretor de imóveis na região de Lisboa há quase três anos.

Segundo ele, os bancos passaram apertar mais a verificação de quem busca financiamento, mas o mercado ainda está bem aquecido. “Tudo o que temos para venda sai rapidamente”, afirma.

Neves recentemente fechou negócio para uma chef de cozinha e para um médico, ambos de São Paulo. 

Profissionais liberais, pequenos empreendedores e jovens estudantes estão entre os brasileiros que decidiram investir no país, além de aposentados, que ganham isenção de impostos por dez anos ao transferirem seus rendimentos para Portugal. 

“Vendi tudo o que eu tinha e vim. Eu não queria mais esse tipo de vida que a gente leva no Brasil, onde importa mais o ter do que o ser. São Paulo é uma competição de quem tem mais rótulos e qualidade de vida zero. Fora que você sai de casa e não sabe se volta vivo”, diz Adriana Azzi de Moraes, 54, que trocou um apartamento no Paraíso (zona sul) por um na beira do rio Tejo, em outubro do ano passado.

“Não é tudo lindo. Há dificuldades. As opções de empregos mais especializado não são muitas. Deixa de ter status. Abre mão da empregada. Mas a qualidade de vida e a segurança nem se comparam”, afirma Adriana, que está retomando sua atuação no mercado financeiro.

Ricos e famosos que conseguem a ARI (Autorização de Residência para Investimento) também ajudam a turbinar as vendas e, consequentemente, os preços. 

Apelidado de visto gold, ele é concedido a quem investe um milhão de euros (R$ 4,4 milhões), gera dez empregos ou compra uma residência de € 500 mil (R$ 2,2 milhões). 

A cantora Madonna ganhou as páginas dos jornais ao mudar para a capital portuguesa. Entre os brasileiros, a atriz Luana Piovani e executivos de alto escalão podem ser encontrados facilmente pelas ruas do Chiado, bairro tradicional do centro histórico de Lisboa.

O cenário atual já rendeu a Lisboa o apelido de “nova Miami”. Segurança e melhores serviços públicos também integram as justificativas para a mudança de endereço dos integrantes desse grupo, que evitam entrevistas.

Alguns ficam na ponte área Brasil-Portugal, como Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, que comprou um apartamento em Príncipe Real, outra área nobre lisboeta, no ano passado.

Pacotes para Lisboa

US$ 575 (R$ 2.179)
5 noites, na RCA.
Valor para uma pessoa, para cinco noites de hospedagem no hotel Dom Pedro, em Lisboa, com café da manhã e traslados. Não inclui passeios ou bilhete aéreo.

R$ 3.085 
 noites, na Azul Viagens.
Preço para uma pessoa, com saída em 15 de setembro. A hospedagem é em Lisboa, no hotel Vip Executive Zurique. Com traslado e passagem aérea.

US$ 867 (R$ 3.286)
6 noites, na Flot.
Pacote com duas noites em Lisboa e no Porto, uma em Fátima e uma em Braga. Passeio em Óbidos, Coimbra, Aveiro e Santiago de Compostela. Sem passagens.

US$ 925 (R$ 3.506) 
6 noites, na Venice.
Para uma pessoa, tem três noites em Lisboa e três no Porto, passeio para Sintra, Cascais e Estoril e cruzeiro pelo rio Douro. Sem passagem aérea.

US$ 1.200 (R$ 4.548) 
3 noites, na Maringá Lazer.
Preço para uma pessoa, com saídas a partir de setembro. São três noites em hotel quatro estrelas em Lisboa, com tour pela cidade. Inclui passagem aérea e traslados.

R$ 4.849 
3 noites, na Top Brasil.
Pacote para uma pessoa, com saída em 8 de outubro e hospedagem no Princesa Hotel & Tea, em Lisboa. Não tem paseios no valor, mas inclui passagem aérea.

R$ 4.887 
4 noites, na Latam Travel.
Valor para uma pessoa, para saídas em outubro. Inclui hospedagem no hotel My Story Tejo, em Lisboa, e passagem aérea.

US$ 1.685 (R$ 6.386) 
6 noites, na 55 Destinos.
Preço para uma pessoa, para viajar em outubro. São três noites em Lisboa e três no Porto, com passeio para Sintra, Cascais e Estoril e cruzeiro pelo Douro. Inclui passagem aérea e traslados.

R$ 6.656 
6 noites, na CVC.
Valor para uma pessoa, para seis noites em Lisboa, no hotel Mundial. Com passagem aérea e sem passeios.

€ 2.050 (R$ 9.025) 
6 noites, na Interpoint.
Valor por pessoa para três noites em Lisboa, com hospedagem no Four Seasons Ritz Lisbon, e três noites em Évora, na região do Alentejo, no Convento Espinheiro. Inclui locação de carro, mas não a passagem aérea

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.