Em Portugal, atrações ficam não muito longe dos olhos e bem perto do estômago

Do norte para o sul, culinária reconhecida mundo afora conta a história do país

Plantações de uva na região do Douro

Plantações de uva na região do Douro Divulgação

Portugal

Se um português disser que determinado lugar fica longe, não acredite. Pois longe, em português de Portugal, parece significar perto. De fato, num país com 218 km de largura e 561 km de comprimento, nada é realmente longe —ao menos não no sentido como os brasileiros entendemos o termo.

Pequeno mas imenso de histórias. Histórias traduzidas em sabores, um excelente fio condutor para conhecer Portugal.

Do norte para o sul do país, a alimentação vai ficando mais leve, mais mediterrânea. A tradição de comida pesada e gordurosa da parte superior do mapa está ligada ao trabalho no campo, sob clima frio. Comem-se batata e arroz, e antes havia um costume mais arraigado de consumir castanha. O vinho acompanha essa lógica —no norte, toma-se uma bebida que “pinta o dente”, dizem os portugueses.

Trás-os-Montes é bom exemplo da culinária do norte. Região de gente em geral mais sisuda do que a costa, ela fica a cerca de duas horas do Porto, depois da Serra do Marão. Ao atravessar um túnel de quase seis quilômetros, tem-se uma vista arrebatadora e a impressão de ter sido transportado para outro mundo.

“Pra cá do Marão mandam os que cá estão”, diz um ditado local. Vê-se à mesa. É um lugar onde se come menos peixe e mais carne, notadamente do gado da raça mirandesa e do porco bísaro. Pratos por vezes servidos com arroz malandrinho, caldoso a ponto de ir escorregando e fugindo para a mesa.

Bragança, já colada à fronteira com a Espanha, é a cidade de mesmo nome da dinastia que inclui a família real portuguesa que veio para o Brasil no século 19, fugindo da invasão napoleônica. Região mais tolerante, abrigou grande número de sefarditas, os judeus ibéricos, que muito contribuíram para o progresso da ciência e da culinária local. 

Deve-se a eles o surgimento da alheira, linguiça de pão que lhes abria caminho para a integração social sem representar desrespeito ao veto à carne de porco do judaísmo.

Está ali a igreja de São Vicente, onde, segundo a tradição, teria ocorrido o casamento secreto de Pedro e Inês de Castro, história de amor que marcou Portugal e acabou de forma trágica, com a morte dela em Coimbra a mando do pai dele, que era o rei —episódio que deu origem à expressão “Inês é morta”.

Típica dessa área é a castanha portuguesa, um fruto sem glúten que resulta em derivados doces e salgados. E, claro, o vinho da vizinhança. Com sua técnica de plantação em encostas, a área do Douro supera, em volume produzido, as demais regiões vinícolas do país.

Quem anda um pouco mais chega a Mirandela. Não é só uma cidade na qual se engendrou um plano de regicídio —no caso, o de dom José 1º, que sobreviveu para se vingar da família Távora. 

É ali que está o Museu da Oliveira e do Azeite, onde se pode fazer prova do óleo, para saber se ele pica a língua e a garganta, na tentativa de diferenciar o que é um produto agradável de outro nem tanto. 

É o vinho do Porto, de qualquer modo, que marca o espírito do tempo de toda a região. Está produzido num consórcio curioso com os ingleses, que entraram no negócio primeiro como comerciantes, depois como produtores. A simbiose remonta ao Tratado de Windsor, de 1386, que deu bases à aliança entre os dois países, posteriormente consolidada no Tratado de Methuen, em 1703.

Resultado da primeira denominação de origem do mundo a ser controlada, o vinho do Porto floresceu num terroir em que a serra do Marão ajuda a segurar a chuva, mantendo tempo frio no inverno e quente e seco no verão. 

O solo de xisto exige trabalho, inclusive com dinamite, antes de se tornar produtivo —o que significa mais trabalho para as plantas, obrigadas a se adaptar, criando raízes que penetram as rochas.

Em Gaia, a porta de saída do vinho e um museu da bebida

Os tripeiros, como se chamam os nativos do Porto, travam rivalidade com Vila Nova de Gaia, do outro lado do rio Douro. Em Gaia ficam as casas do vinho do Porto. Dali se tem a vista clássica da cidade mais famosa. 

A escolha de Gaia se deve a fatores que incluem tributos, disponibilidade de área para armazenamento e até as correntes do rio. Sob rochas que conservam calor ficam os tonéis que preparam o vinho para o consumo. É para contar essa história que deverá ser inaugurado neste ano o World of Wine, um megamuseu da história do vinho local.

O Porto convida a andar a pé, de modo a observar o brilho do granito nos edifícios, resultado da presença de mica. Ou para ouvir o fenômeno do betacismo —habitantes da zona da Ribeira levam a fama de trocar o V pelo B. 

Para a fome há a francesinha, um sanduíche para lá de carregado que deve o nome à imigração francesa e guarda seu segredo no molho. Nos demais pratos, lá, como cá, o coentro vai virando moda e ocupando o lugar da salsinha.

Região da Ribeira, nas margens no rio Douro, no Porto, em Portugal
Região da Ribeira, nas margens no rio Douro, no Porto, em Portugal - Oliver Wintzen/Robert Harding Premium

É nessa cidade que fica uma das mais bonitas livrarias do mundo, a Lello, que agora cobra entrada. Próxima a ela, a rua das Galerias de Paris, que puxou certa renascença da vida noturna do Porto.

A rivalidade com Lisboa aparece até nos doces —os habitantes do Porto consideram seu pastel de nata mais crocante do o pastel de Belém, típico da capital.

Colado ao norte do Porto, um presente pouco conhecido: Matosinhos, onde florescem a indústria conserveira da pesca, um punhado de bons restaurantes e mais praias do que as da cidade vizinha famosa.


Pacotes

R$ 1.922 
3 noites em Portugal, na Top Brasil Tur (topbrasiltur.com.br
Em Lisboa, com café da manhã. Inclui city tour pela cidade e passeio a Sintra, Cabo da Roca , Cascais e Estoril, além de traslados. Preço por pessoa. Sem aéreo

R$ 3.117 
6 noites em Portugal, no Decolar (decolar.com
Em Lisboa, sem regime de alimentação. Inclui traslado. Preço por pessoa, com aéreo a partir de São Paulo

€ 690 (R$ 3.132)
4 noites em Portugal, na BWT (bwtoperadora.com.br
Em Funchal (Ilha da Madeira), com café da manhã e mais oito refeições. Inclui visitas a pontos turísticos da ilha, guia e traslados. Preço por pessoa. Não inclui passagens aéreas

€ 808 (R$ 3.668) 
6 noites em Portugal, na CVC (cvc.com.br
Entre Lisboa, Porto, Coimbra e Fátima, com café da manhã. Inclui passeios panorâmicos nas cidades de estada, visitas a Nazaré, Alcobaça, Óbidos, ao santuário de Fátima e a Aveiro, além de ida a uma adega no Porto e passeio de barco pelo rio Douro. Com traslados e guia. Preço por adulto (crianças de até 2 anos incompletos têm 90% de desconto; de 2 a 7, 40% e de 8 a 12, 15%). Sem aéreo

€ 947 (R$ 4.299) 
8 noites em Portugal, na CVC (cvc.com.br
Entre Lisboa, Porto, Évora e Coimbra, com café da manhã. Inclui passeios panorâmicos, visita ao santuário de Fátima, a Óbidos, a Setúbal, ao santuário de Bom Jesus, a um castelo em Tomar e a Braga, além de ida a adega no Porto e passeio de barco pelo rio Douro. Com traslados e guia. Preço por adulto (crianças de até 2 anos incompletos têm 90% de desconto; de 2 a 7, 40% e de 8 a 12, 15%). Não inclui passagens aéreas

US$ 990 (R$ 4.019) 
7 noites em Portugal, na RCA (rcaturismo.com.br
Entre Lisboa e Porto, com café da manhã. Inclui passeios a Óbidos, Nazaré, Alcobaça, Batalha, Fátima, Braga e Guimarães, além de traslados. Preço por pessoa. Sem passagens aéreas

R$ 4.983 
7 noites em Portugal, na Maringá Lazer (maringalazer.com.br
Em Lisboa, sem regime de alimentação. Com seguro-viagem e aéreo saindo de Campinas. Preço por pessoa

R$ 9.210 
8 noites em Portugal, na Quickly Travel (quicklytravel.com.br
Entre Lisboa, Algarve, Évora, Fátima, Porto e Coimbra, com café da manhã mais duas refeições. Inclui passeio de barco pelo rio Douro, visita ao convento-castelo de Cristo em Tomar, a adegas no Porto, aos Jardins de Mateus e à Capela dos Ossos, além de passeios panorâmicos por Lisboa e Porto. Preço para o casal, sem aéreo

€ 3.502 (R$ 15.899) 
7 noites em Portugal, na Venice (veniceturismo.com.br
Entre Lisboa, Areias do Seixo, Fátima, Coimbra, Aveiro e Porto, com café da manhã. Inclui traslados e passeios a pontos turísticos das cidades de estada e a outras, como Nazaré, Alcobaça e Batalha, além de seguro-viagem. Preço por pessoa. Não inclui passagens aéreas 

O jornalista viajou a convite da Associação de Turismo do Porto e Norte e da Agência Regional de Promoção Turística Centro de Portugal

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.