Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Eliane Brum: O Brasil do eu acredito

Mais opções

"Eu acredito, eu acredito." Uma pequena parte da torcida brasileira ainda repetia o bordão depois de a seleção brasileira já ter levado uma goleada dos alemães no Mineirão. Era uma pequena grande cena. A realidade se impunha como o inacreditável, as bolas iam estourando na rede brasileira como ficção, quem não tinha deixado o estádio olhava para o campo tomado pela anestesia que assinala a tragédia. A inversão da expectativa é tão avassaladora que passa a ser interpretada como irrealidade, num estado delirante, em que qualquer gesto parece destinado ao nada. A goleada era da Alemanha no Brasil, mas era ainda mais profundo do que isso: era realidade 7x1 pensamento mágico. Um? Não. Zero.

Essa foi a seleção do pensamento mágico. E, nesse aspecto, não podia ser mais brasileira nesta Copa de 2014. Não o pensamento mágico como fonte de explosão criativa, mas como um produto de consumo. Vende-se que o espetáculo é a verdade profunda sobre o Brasil e o seu futebol. Confunde-se marketing publicitário com realidade. Os jogadores da seleção comportam-se como astros. Não mais astros de rock, mas astros de um show religioso. Confinados, assistem a palestras de "motivação", são treinados no pensamento de autoajuda mais do que no campo, com a bola no pé.

Age-se como se houvesse uma predestinação. Se você acreditar muito, você consegue. Se você rezar muito, acontece. A arrogância enorme de achar que "deus" é torcedor do seu time porque você é o mais merecedor expressa nas cenas de joelhos dentro do campo, os dedos apontando para o céu, a oração em transe nos momentos-limite.

Só que acreditar não foi o suficiente para fazer acontecer. A realidade deu de goleada. Diante da força avassaladora da verdade em alemão, os torcedores brasileiros reagiram como se tivessem sido traídos. Apresentadores de TV que desempenharam o papel de, em vez de fazer uma narração crítica, serem o mestre cerimônias de um espetáculo no qual a realidade era matéria ordinária, passaram a sangrar os "vilões" com o mesmo empenho com que antes os tinham transformado em "heróis". É fácil perceber por que o espetáculo, com tanto dinheiro envolvido, precisa continuar o mais rapidamente possível. No mundo de negócios a lealdade não importa, os puxa-sacos que antes só faltavam lustrar a careca de Felipão com a língua, agora mostram caninos afiados, ávidos por sangue.

Não há inocentes nessa trágica história de futebol. Nem mesmo os torcedores. O que se convencionou chamar de povo brasileiro embarcou alegremente na lógica do espetáculo. Era visível nos estádios, onde proporcionalmente havia muito mais negros em campo do que nas arquibancadas, que a preocupação com a câmera para muitos era maior do que com o jogo que se jogava no chão. Nas entrevistas com torcedores fantasiados de verde-amarelo, a maioria deixava claro que se produzia para virar imagem na TV. Na entrada da Granja Comary, eram mais numerosos os que tentavam vender alguma coisa, aproveitando a presença das câmeras –em geral a si mesmos. A torcida era mais um produto. E um produto sem constrangimento de apresentar-se como produto.

Todos cumpriram o seu papel, então como não deu certo? Como parecem descobrir agora o que alguns têm dito, a um alto custo pessoal e profissional, que o futebol brasileiro não é mais o futebol brasileiro? Ou, o mais difícil de ouvir, que este é o futebol brasileiro hoje. Algumas cenas da "reação" dizem muito:

1) A entrevista coletiva de Felipão, acompanhado da comissão técnica, nesta quarta-feira (9), na Granja Comary. A cena era bastante patética. Felipão levou várias planilhas para mostrar que fez tudo certo. "O trabalho não foi de todo ruim, tivemos uma derrota ruim." Ele continuava achando –ou fingindo achar– que a "realidade" das planilhas era mais "real" do que o que todos viram no Mineirão. Carlos Alberto Parreira chegou a fazer uma afirmação surreal: "Todos foram perfeitos, nenhum deslize. O resultado é que impactou".

2) O pedido de desculpas de David Luiz depois do jogo. "Eu só queria dar alegria ao meu povo, a minha gente que sofre tanto inúmeras coisas (...). Eu só queria ver o meu povo sorrir. Todos sabem o quanto era mais importante pra mim ver o Brasil inteiro feliz pelo menos por causa do futebol.(...) Um dia vou alegrar esse povo de alguma forma." É um discurso emocionado, em lágrimas, mas também é um discurso de político populista. Expressa sincera emoção, mas também enorme onipotência.

3) Neymar, o menino de chuteiras douradas da seleção e do mercado publicitário. Quando a realidade interfere, na forma do joelho do colombiano Zúñiga, foi preciso rapidamente improvisar para continuar mantendo a propriedade da narrativa. Neymar disse outra frase, que também pertence a essa geração: "Tenho certeza que os meus companheiros vão fazer de tudo para que eu possa realizar o meu sonho, que é ser campeão". O sonho dele. De imediato criaram-se campanhas de apoio, máscaras com o rosto do jogador, usando e potencializando a comoção nacional. Era preciso manter o jogo, não o da bola, mas o do mercado, em campo: "Somos todos Neymar". Na vida real, como mostrou Juca Kfouri, depois dos sete gols Neymar foi jogar pôquer com os amigos.

4) A imagem de um menino inconsolável, aos gritos: "Quero vencer!". Mantém-se a narrativa do "trauma", que atravessou a campanha brasileira nessa Copa. Primeiro, eram os jogadores em permanente estado de "trauma", fosse por quase perder do Chile, fosse por perder Neymar, agora por perder de goleada. É a marca dessa geração, treinada para acreditar que o pensamento mágico de poder tudo é a realidade. Tudo o que é da vida não é da vida, mas "trauma". A vida "traumatiza". Acaba o jogo da Alemanha e são as crianças brasileiras as "traumatizadas". Como se uma derrota, mesmo acachapante, não fizesse parte de qualquer existência humana. Completa-se a transmutação: uma seleção de traumatizados, uma torcida de traumatizados. E, mais uma vez, explora-se o choro a exaustão, agora das crianças. Não é trauma na seleção, não é trauma na torcida. Trauma é de outra ordem.

O espetáculo continua, parece que pouco se aprendeu com a goleada da realidade. Neymar desembarcou nesta quinta-feira (10), na Granja Comary, "para dar apoio" aos companheiros, aos "caras". O único que não estará em campo em Brasília, na partida pelo terceiro lugar, foi o escolhido pela CBF para dar coletiva à imprensa. Torna-se explícito qual é o jogo que realmente importa. O drama real é insuficiente, o espetáculo precisa seguir. É vetado se retirar do palco. O herói alquebrado será explorado até o fim. Todos usando todos.

O que aconteceu não foi um "apagão" de seis minutos no jogo contra a Alemanha. Seria fácil se fossem só seis minutos. Na vida real, o "apagão" dura anos, abarca o país inteiro e continuará como espetáculo depois da Copa, se o bordão "eu acredito" não mudar para "eu duvido".

Editoria de Arte/Folhapress
Mais opções

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Jogo Roubado
Brett Forrest
De:
Por:
Comprar
Festa Brasil (DVD)
Vários
De:
Por:
Comprar
The Yellow Book
Toriba Editora
De:
Por:
Comprar
Futebol Objeto das Ciências Humanas
Flávio de Campos (Org.), Daniela A.
De:
Por:
Comprar
Seleção Brasileira
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Voltar ao topo da página