Descrição de chapéu

Desinformação alimenta o incêndio que Bolsonaro iniciou

Bolsonaro repete atitude reacionária de José Sarney (MDB) quando da proliferação de queimadas na Amazônia em 1988, antes da morte de Chico Mendes.

Marcelo Leite
Berlim

Um dos obstáculos a impedir uma discussão racional sobre o aumento de queimadas e desmatamento no Brasil está na baixa qualidade da informação —de todos os lados.

A Amazônia não é o “pulmão verde” do mundo, por exemplo. Emmanuel Macron, António Guterres, Leonardo DiCaprio e até Cristiano Ronaldo tuitaram esses dias, provavelmente um reproduzindo o outro, ou terceiros, que a floresta amazônica produz 20% do oxigênio do mundo. É uma asneira de proporções bolsonarianas.

O presidente Jair Bolsonaro em Brasília
O presidente Jair Bolsonaro em Brasília - Reuters

Sim, a fotossíntese produz oxigênio, mas a respiração das plantas, de noite, consome oxigênio e devolve gás carbônico (CO2) ao ar. Só há absorção líquida de carbono se a floresta estiver em crescimento. A Amazônia está absorvendo carbono? Aparentemente sim, mas só faz diferença para o balanço de carbono na atmosfera, e portanto para arrefecer o aquecimento global, por dois motivos:

1º. É uma área enorme, cerca de 4 milhões de km² só no Brasil, com muita biomassa para virar fumaça (carbono)

2º. A concentração de CO2 na atmosfera é muito baixa, mede-se em partes por milhão (ppm), repetindo, partes POR MILHÃO (no presente, 415 ppm, quase 50% acima do que havia antes da Revolução Industrial (280 ppm). 

O pecadilho científico-metafórico de Macron e cia. ao pressionarem o governo de Jair Bolsonaro não quer dizer, porém, que estejam errados. Derrubar e queimar floresta sem necessidade beira a estupidez, e aí está o que criticam. Propagar informações equivocadas ou fotos antigas só deita matéria seca na fogueira do presidente. 

Também em nada ajudam palpites como o artigo de Stephen Walt, professor de Harvard, que falava em invasão da Amazônia para proteger a floresta. Nem especulações europeias sobre sanções econômicas e comerciais ao Brasil por causa do desmatamento. 

Essa retórica leviana, boa para tuítes, dá argumentos para Bolsonaro e sua corporação militar. Eles nunca abandonaram a doutrina ultrapassada de afronta à soberania nacional em qualquer injunção de outros países no que toca à Amazônia. 

Devastar floresta, poluir o ar e agravar a mudança climática faria parte do direito ao desenvolvimento, defendia o governo brasileiro na década de 1970. A sandice foi agora reeditada, mas em grau mais grave. 

Bolsonaro repete atitude reacionária de José Sarney (MDB) quando da proliferação de queimadas na Amazônia em 1988, antes da morte de Chico Mendes. Velha política. Há tanto método nessa loucura que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (do Novo, não se perca pelo nome), se dispõe a rasgar dinheiro.

Melou o bilionário acordo do Fundo Amazônia com a Noruega e a Alemanha, que está indo para o buraco (junto com o acordo EU-Mercosul). Faça-se justiça, entretanto: ninguém produz mais falsidades e confusão do que o presidente Bolsonaro.

Na campanha eleitoral, não se cansou de sinalizar a ruralistas que o Ibama seria manietado. Encheu sua administração de raposas para cuidar do galinheiro ambiental. Atacou a imagem do Brasil perante jornalistas estrangeiros ao chamar de mentirosos dados científicos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), um órgão federal.

Ato contínuo, acusou seu diretor de estar a serviço de ONGs. Chamado para o debate público, encolheu-se. Será interessante ver como o governo federal reagirá à publicação do dado anual de desmatamento na Amazônia, em novembro. Tudo indica que a estatística do Inpe indicará salto superior a 50%. 

Bolsonaro poderá tentar duas táticas, contrainformação mentirosa ou censura pura e dura. Em qualquer dos casos, dará com seus burros no fogo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.