Painel

Editado por Fábio Zanini, espaço traz notícias e bastidores da política. Com Guilherme Seto e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel

Sindicalistas dizem a Alckmin que não querem imposto sindical e sugerem alternativa

Vice-presidente eleito afirmou a empresários na semana passada que não haverá volta da taxa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Em reunião nesta quarta-feira (30), líderes sindicais disseram a Geraldo Alckmin (PSB) que não desejam o retorno do imposto sindical obrigatório.

No sábado (26), o vice-presidente eleito disse em encontro com empresários que a reforma trabalhista é importante e que não haveria volta do imposto, fala que fez com que fosse aplaudido pelos presentes. Luiz Inácio Lula da Silva (PT), presidente eleito, também já disse ser contra o retorno da taxa, que foi extinto na reforma trabalhista de 2017.

No encontro desta quarta, os sindicalistas afirmaram que a proposta deles atualmente é a de que as categorias definam, em assembleias, se os trabalhadores darão ou não contribuições aos sindicatos e quais serão os percentuais, que não seriam pagos de maneira compulsória.

Geraldo Alckmin, vice-presidente eleito, durante entrevista a jornalistas
Geraldo Alckmin (PSB), vice-presidente eleito, durante entrevista a jornalistas no CCBB - Pedro Ladeira-22.nov.2022/Folhapress

A mesma proposta pode ser apresentada pelo grupo de trabalho que trata do tema no governo de transição, formado por diversos representantes de centrais sindicais.

"A ideia é uma contribuição não compulsória, decidida pelo próprio trabalhador. A palavra final é dele, por meio de votação em assembleia. O sindicato, de seu lado, terá que cuidar de toda a transparência, edital de publicação, divulgação ampla das assembleias", diz Miguel Torres, presidente da Força Sindical, que participou do encontro com Alckmin.

"Quando começa campanha salarial, fazemos reuniões para montar uma pauta. Depois, chamamos a categoria para aprová-la. Dentro dela, perguntaríamos então se haveria contribuição ou não e qual o percentual. E aí iríamos negociando com a categoria para ver se avança ou não, tudo com plena transparência e divulgação", completa.

Vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) durante encontro com líderes sindicais
Vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) durante encontro com líderes sindicais - Arquivo pessoal

Além de Torres, participaram da reunião Sergio Nobre, presidente da CUT, Paulinho da Força, deoutado federal e presidente do Solidariedade, Monica Veloso, do sindicato dos metalúrgicos de Osasco, e Eliseu Costa, presidente da Federação dos Metalúrgicos de São Paulo.

Nesta quinta-feira (1º), os líderes sindicais se encontrarão com Lula para discutir o tema.

O presidente eleito convidou representantes de sindicatos dos bancários, construção civil, químicos, entre outros, para a reunião, além dos presidentes das centrais sindicais.

O gesto foi entendido como sinalização favorável ao fortalecimento dos mecanismos de negociação coletiva, já que eles costumam ser administrados no dia a dia pelos sindicatos, e não pelas centrais, que tratam de questões mais amplas.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.