Painel

Editado por Guilherme Seto (interino), espaço traz notícias e bastidores da política. Com Catarina Scortecci e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel

Sindicalistas cobram Lula por demora em anunciar grupo de transição sobre trabalho

Presidente da Força Sindical diz que já foram nomeados banqueiros e jogadores de futebol, mas ninguém para falar de trabalho

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Líderes sindicais têm manifestado irritação com o que veem como demora do governo de transição de Lula (PT) em anunciar a equipe que discutirá os temas trabalhistas.

"Já foram nomeados banqueiros, economistas, artistas, jogadores de futebol, mas ninguém para falar de trabalho até o momento", diz Miguel Torres, presidente da Força Sindical.

Em entrevista à TVT, Vagner Freitas, vice-presidente da CUT, disse esperar que a participação dos trabalhadores seja levada em conta na formação da equipe de transição.

"Parabéns para Lula e Alckmin pela amplitude dada à composição da equipe de transição. Gosto muito dessa condição de frente ampla. Mas gostaria de ver representantes dos trabalhadores e trabalhadoras para construir um governo que leve em consideração o valor do trabalho em posição superior ao valor do mercado. Como o presidente Lula tem dito, ele quer governar para os que mais precisam. Os que mais precisam são os trabalhadores, que devem estar representados de maneira importante na equipe de transição", disse Freitas.

Sindicalistas durante ato das centrais sindicais para comemorar o 1º de Maio na praça Charles Miller, em SP
Sindicalistas durante ato das centrais sindicais para comemorar o 1º de Maio na praça Charles Miller, em SP - Bruno Santos-1º.mai.2022/Folhapress

Como mostrou o Painel, Lula deve indicar representantes das principais centrais sindicais para comandar o grupo técnico do trabalho na equipe de transição, como CUT, Força Sindical, UGT e CTB.

O chamado às centrais marcará o retorno oficial do diálogo do sindicalismo com o governo federal, que foi interrompido desde o início do governo Jair Bolsonaro (PL), que extinguiu o Ministério do Trabalho e depois o recriou para acomodar Onyx Lorenzoni (PL-RS).

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.