Painel

Editado por Guilherme Seto (interino), espaço traz notícias e bastidores da política. Com Catarina Scortecci e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel

PT quer resgatar slogan do passado e ir além da força de Lula em 2024

Partido quer ressuscitar marca do 'modo petista de governar' e pretende formar novas lideranças

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

O PT quer ir além da força política do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na eleição do ano que vem para conquistar um grande número de prefeituras.

Coordenador do Grupo de Trabalho Eleitoral (GTE) do partido, o senador Humberto Costa (PE) diz que a ideia é ressuscitar uma marca já usada com sucesso no passado, o "modo petista de governar". Trata-se de um slogan que agrega diversos programas sociais e é marqueteado como uma espécie de "selo de qualidade" para o partido.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante anúncio do Plano Safra no Palácio do Planalto
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante anúncio do Plano Safra no Palácio do Planalto - Gabriela Biló-27.abr.2023/Folhapress

"O PT não pode ficar unicamente preso ao prestígio do Lula no ano que vem. Vamos utilizar isso certamente, mas o partido deve ir um pouco mais além", afirma Costa.

Em 2020, admite o senador, o PT chegou ao "fundo do poço", tendo uma redução brutal no número de prefeituras. Pela primeira vez, não conquistou nenhuma capital, por exemplo.

"Em 2024, o partido pode, além de disputar em várias cidades de forma competitiva, apresentar novas lideranças que, mesmo não sendo vencedoras, poderão ser candidatos às Assembleias e ao Congresso em 2026", declara Costa.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.