Painel

Editado por Fábio Zanini, espaço traz notícias e bastidores da política. Com Guilherme Seto e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel
Descrição de chapéu Folhajus

Suplente de deputado vira réu por violência política de gênero

Lucas Pavanato é acusado de ter constrangido políticas de esquerda em evento no ano passado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

A Justiça Eleitoral de São Paulo tornou réu o ex-candidato a deputado estadual Lucas Pavanato (SP) por violência política de gênero, que teria sido praticada contra mulheres de esquerda na eleição do ano passado.

Lucas Pavanato
O ex-candidato a deputado estadual Lucas Pavanato - @lucaspavanato no Instagram

Pavanato, que teve 36 mil votos como candidato do Novo e ficou na suplência, é também influenciador e defende ideias conservadoras.

Ele foi denunciado pela ex-presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes) Carina Vitral por seu comportamento durante um debate em abril de 2022 na PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo, cujo tema era justamente a violência política de gênero.

Segundo a denúncia, Pavanato constrangeu mulheres presentes ao evento, como as ex-deputadas Manuela D'Avila e Isa Penna, filmando-as e fazendo provocações. Depois, postou o vídeo em suas redes sociais.

A representação, encampada pelo Ministério Público, foi aceita pelo juiz eleitoral Paulo Eduardo de Almeida Sorci.

"Os indícios de autoria e de materialidade decorrem da documentação exibida, notadamente do link referente ao vídeo realizado pelo denunciado, no sentido de revelar, ao menos nessa fase processual, a existência de justa causa para a deflagração da ação penal", diz o magistrado.

O crime de violência política de gênero é relativamente novo, tendo sido criado por lei aprovada em 2021. Ela estabelece que é crime assediar, constranger, humilhar, perseguir ou ameaçar uma candidata, com menosprezo ou discriminação à condição de mulher ou ainda à sua cor, raça ou etnia.

A lei também vale para mulheres que já ocupam cargos eletivos. A punição é de até quatro anos de prisão e multa. Se a violência ocorrer pela internet e em redes sociais, a pena pode chegar a seis anos.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.