Painel

Editado por Guilherme Seto (interino), espaço traz notícias e bastidores da política. Com Catarina Scortecci e Danielle Brant

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel

Juscelino Filho diz que PF repete método da Lava Jato e delegado encerra depoimento

Ministro é investigado por suspeita de integrar organização criminosa envolvida em desvios de dinheiro em obras da estatal na cidade de Vitorino Freire (MA)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

O ministro Juscelino Filho (Comunicações) criticou o delegado responsável por tomar seu depoimento na Polícia Federal nesta sexta-feira (17) e disse que o método de interrogatório repete o modus operandi da Operação Lava Jato, que "resultou em consequências danosas a pessoas inocentes."

O depoimento do ministro durou apenas 15 minutos e, segundo Juscelino Filho, foi encerrado abruptamente pelo delegado quando seus advogados comunicaram que ele responderia apenas a perguntas relacionadas ao objeto da investigação autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Ministro das Comunicações, Juscelino Filho, em entrevista à Folha
Ministro das Comunicações, Juscelino Filho, em entrevista à Folha - Gabriela Biló /Folhapress

Juscelino é investigado pela PF por suspeita de integrar uma organização criminosa envolvida em desvios de dinheiro em obras da estatal na cidade de Vitorino Freire (MA), comandada por sua irmã, Luanna Rezende. Os contratos foram bancados com emendas parlamentares de quando ele era deputado.

"Infelizmente, o delegado optou por basear suas perguntas em informações que extrapolam o objeto da apuração, que sequer foram fornecidas a meus advogados, evidenciando que o propósito da investigação é devassar a minha vida e encontrar algo contra mim a qualquer custo", disse. "Esse método repete o modus operandi da Operação Lava Jato que, como sabemos, resultou em consequências danosas a pessoas inocentes."

No depoimento, Juscelino diz que, embora não tenha sido perguntado, ressaltou "a legalidade das emendas e os benefícios que elas levariam para milhares de moradores de 11 povoados na região de Vitorino Freire."

Também afirmou ter perguntado sobre havia alguma dúvida ou acusação envolvendo a atuação à frente do Ministério das Comunicações e disse que se tornou "o personagem principal desta investigação após ser nomeado ministro."

O ministro afirmou ainda estar à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos, "desde que sejam respeitados os procedimentos legais e sem julgamentos prévios."

Além disso, disse esperar que "vazamentos seletivos, como vem ocorrendo ao longo deste processo, sejam cessados, pois ao invés de esclarecer, só distorcem a verdade dos fatos."

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.