Painel das Letras

Coluna assinada por Walter Porto, editor de Livros.

Salvar artigos

Recurso exclusivo para assinantes

assine ou faça login

Painel das Letras
Descrição de chapéu Livros

Feira de Frankfurt rende mais negócios a editoras do Brasil que em outros anos

Contratos fechados alcançaram US$ 928 mil e superaram as últimas edições presenciais do evento

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

A participação brasileira na Feira de Frankfurt, em outubro, rendeu mais em termos de negócios fechados que as últimas edições presenciais do mais relevante evento de livros do mundo, segundo dados da Câmara Brasileira do Livro.

Foram US$ 928 mil em novos contratos, um valor que se refere tanto à venda de obras físicas como de direitos autorais para compradores estrangeiros. O número supera o da feira de 2019, que rendeu US$ 890 mil, e o de 2018, US$ 700 mil, o que aponta para uma trajetória ascendente.

"Eu esperava ficar no patamar de três anos atrás, mas sentimos que a feira estava boa, com as editoras fazendo muitos negócios, e o Brasil tinha muito material a oferecer", afirma Fernanda Dantas, gerente da Brazilian Publishers, entidade que é fruto de uma parceria da câmara com a ApexBrasil voltada à exportação de conteúdo editorial brasileiro.

A instituição levou 21 editoras do Brasil à Alemanha, quantidade menor que em 2018 e 2019 —que ficaram na casa das 30 editoras—, mas a viagem resultou em 170 novos contatos comerciais com representantes estrangeiros.

Dantas afirma que os números vêm de um investimento crescente em comunicação em canais internacionais nos últimos 15 anos, que tem tido sucesso em mostrar ao mundo uma vitrine do que o Brasil anda publicando.

pintura de estátua no deserto com vasta sombra embaixo
A CULPA DEVE SER DO SOL - ‘Enigma de um Dia’, obra de 1914 de Giorgio de Chirico que integra o acervo do Museu de Arte Contemporânea da USP, ilustra a capa de ‘Hebdômeros’, inédito do italiano que sai pela 100/Cabeças - Divulgação

LUA DE MEL A Record vai publicar o romance vencedor do último prêmio Booker, "The Seven Moons of Maali Almeida", ou as sete luas de Maali Almeida, de Shehan Karunatilaka. Foi o primeiro romance do Sri Lanka a ganhar este que é um dos reconhecimentos literários de maior prestígio no mundo, contando a história mágica de um fotógrafo que tenta solucionar o mistério da própria morte. É o segundo ano seguido em que a Record arremata o ganhador do Booker —este ano, foi pela editora que saiu "A Promessa", de Damon Galgut.

COMO O DIABO GOSTAJosé Paulo Netto, professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, compõe um extenso panorama da vida de Bocage no inédito "Da Erótica, Muito Além do Obsceno", um estudo alentado que oferece uma leitura marxista da obra deste autor português que, para parte da crítica, é um poeta tão fundamental quanto Camões. Sai pela Boitempo ainda neste ano.

FLORES, VOTOS E PALMAS E o pesquisador João Roberto Faria, professor titular aposentado da Universidade de São Paulo e uma das principais referências nos estudos de artes cênicas no país, publica este mês pela Perspectiva o livro "Teatro e Escravidão no Brasil" —em que resgata como os embates abolicionistas se refletiram nos palcos na segunda metade do século 19.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.