Com salário de R$ 11 mil, fiscal de SP acumula R$ 12 milhões em imóveis

Prefeitura recebeu denúncia de cobrança de propina; servidor nega e diz que bens são legais

Artur Rodrigues
São Paulo

Com um salário de R$ 11 mil mensais, o fiscal da Prefeitura de São Paulo Jorge Tupynambá Telles Ferreira, 53, leva uma vida bem mais confortável que a maioria dos servidores com rendimentos nesta faixa. 

O agente vistor acumulou um patrimônio na casa de R$ 12 milhões, com quase 40 imóveis em seu nome ou no de uma empresa ligada a ele, segundo levantamento feito pela Folha.

Tupynambá também é alvo de inquérito patrimonial da corregedoria da prefeitura e foi citado por suposta cobrança de propina de um empreendimento comercial na zona sul. 

O funcionário afirma que seu patrimônio foi todo declarado à Receita Federal e diz desconhecer denúncias sobre propina.

Fiscal da prefeitura desde 1989, começou a adquirir bens a partir nos anos 1990 e decolou no mundo dos imóveis nos últimos dez anos, de acordo com registros de cartório analisados pela reportagem e processos judiciais. 

Apenas entre 2008 e 2015, ele declarou ter pago R$ 4,4 milhões em 17 imóveis, o equivalente a 31 anos de seu salário líquido. Os valores declarados estão abaixo da cotação do mercado, hoje em torno de R$ 7 milhões.

Dois consultórios nos Jardins, por exemplo, tiveram o valor de compra declarado em R$ 150 mil cada um em 2015; no mercado, uma unidade não custa menos de R$ 800 mil.

O trabalho de um agente vistor como Tupynambá, com formação em engenharia, consiste em checar desde calçadas a itens que afetam obras maiores. 

Pessoas que foram multadas por ele por questões menores disseram à reportagem que, no dia a dia, o fiscal é ríspido e de pouca conversa. A situação mudou no caso de um empreendimento maior, segundo relatos. 

A Folha apurou que um homem procurou a prefeitura para denunciar estar sendo vítima de Tupynambá, que cobrava R$ 100 mil para não barrar um grande empreendimento na cidade. 

O fiscal trabalhava na Subprefeitura da Vila Mariana, bairro nobre na zona sul, na época do episódio descrito. Um coordenador de obras da subprefeitura havia saído, e Tupynambá assumiu o posto de chefia. 

Na ocasião, segundo o relato do denunciante, ele teria dito ao homem que "tudo mudou" após ter assumido o posto e insistido na cobrança do valor, pessoalmente e por telefone. 

Questionada sobre o assunto, a prefeitura informou que a CGM (Controladoria Geral do Município) "informa já ter tomado as providências devidas em relação à situação noticiada, atualmente em andamento para providências da Procuradoria Geral do Município". 

Na questão patrimonial, foram apontados "elementos de convicção". "A conclusão da sindicância também foi encaminhada para a Receita Federal", afirma a prefeitura.

Os servidores são obrigados a declarar seu patrimônio. Quando a Corregedoria encontra indícios de que ele não condiz com a renda, abre apuração sobre o assunto.

PATRIMÔNIO

Tupynambá mora em um apartamento no Jardim Paulista de quase 200 metros quadrados e com três vagas na garagem, avaliado em R$ 1,8 milhão. 

Apesar do patrimônio, o fiscal não ostenta bens em redes sociais ou compra imóveis de grande luxo. 

O patrimônio do agente é composto por escritórios, apartamentos, terrenos e vagas de garagem, todos em áreas valorizadas da cidade, atrativos para venda ou locação. Parte dos bens está em nome dele, outra em nome de uma empresa familiar e uma terceira são créditos reconhecidos ação judicial contra uma construtora que faliu. 

De acordo com documento anexado pela advogada em processo judicial, o fiscal quitou 11 unidades no valor de R$ 3,4 milhões. 

A empresa em questão é a Construtora Atlântica, cujo dono, Jayme Serebrenic, foi preso, sob suspeita de vender apartamentos a mais de um dono. Um escritório da empresa ficava em imóvel de Tupynambá, que também cobra na Justiça cerca de R$ 89 mil em aluguéis não pagos. 

De acordo com o Diário Oficial da Justiça, os créditos do fiscal já ultrapassam R$ 5 milhões. Hoje, alguns dos empreendimentos da empresa comprados por Tupynambá são esqueletos de concreto em bairros nobres da cidade. 

Ele também atua como representante legal da empresa Ritmo Consultoria, dona de ao menos 13 imóveis. A empresa compra imóveis e terrenos, alguns deles em leilões, adquiridos em sua maioria desde 2010. 

Tupynambá afirma não ser sócio da empresa, que está no nome de um irmão dele, Jorge Luiz Monastério Telles Ferreira, segundo a Receita Federal.

A reportagem encontrou, no entanto, o fiscal assinando pela empresa na compra de diversos imóveis, incluindo em documentos para a construção de um condomínio em Paraisópolis (zona sul de SP), que não chegou a sair do papel. 

Segundo funcionário que atendeu o telefone na sede da Ritmo, o fiscal costuma ficar por lá após as 17h, quando sai do trabalho na prefeitura. 

Assinatura de Jorge Tupynambá como responsável pela empresa Ritmo, para criação de condomínio na zona sul
Assinatura de Jorge Tupynambá como responsável pela empresa Ritmo, para criação de condomínio na zona sul - reprodução

A parceria de Tupynambá com o irmão vai além da área empresarial. Ambos eram homens de confiança auxiliando o então vereador Aurélio Miguel, campeão olímpico de judô, durante a CPI do IPTU. 

Aurélio foi citado por suposta cobrança de propina para não fiscalizar shoppings da cidade, mas sempre negou. O fiscal e seu irmão, que se aposentou, "foram apelidados maldosamente na Câmara Municipal como Irmãos Metralha", relata o livro "Os Ben$ que os Políticos Fazem", do jornalista Chico de Gois. A obra também afirma que ambos eram apaixonados por cavalos, com animais registrados em uma associação hípica. 

Reportagem da Folha de 2012 lembra que Miguel (então no PR), então crítico à gestão de Gilberto Kassab (PSD), subiu o tom dos ataques ao então prefeito após o cancelamento, pelo Executivo, da cessão dos irmãos à Câmara. 

Posteriormente, o irmão de Tupynambá chegou a ser investigado por suspeita de receber propina da boate Bahamas. O inquérito foi arquivado por falta de provas sobre o suborno, mas citava que, de fato, havia movimentação econômico-financeira incompatível com a declaração de renda na Receita Federal.

OUTRO LADO

Tupynambá afirmou à Folha que é alvo de processo de sindicância patrimonial em curso na prefeitura, "no qual foram prestados todos os esclarecimentos a quem de direito". 

"Não tendo o processo finalizado, qualquer atribuição de ilícito é mera suposição", disse, em nota.

O fiscal afirmou que todo seu patrimônio está declarado na Receita Federal e também o sistema patrimonial da prefeitura. 

Ele negou atuar como incorporador e disse não ser sócio da Ritmo.

A respeito da denúncia de recebimento de propina, afirmou desconhecer "qualquer denúncia, de qualquer tipo sobre a minha atuação profissional enquanto funcionário da Subprefeitura Jabaquara ou de qualquer outro departamento em que trabalhei". 

SERVIDORES MILIONÁRIOS REVELADOS PELA FOLHA

Hussain Aref Saab
Acumulou pelo menos 106 imóveis de 2005 a 2012, sob suspeita de cobrar propinas no setor de aprovação de edificações da Secretaria Municipal de Habitação

José Rodrigo de Freitas  
Conhecido como "rei dos fiscais", o ex-auditor fiscal acumulou 55 imóveis. Ele acabou condenado a 54 anos de prisão pela cobrança de propina em uma universidade

Hugo Berni
Então responsável por 28 unidades prisionais do governo de São Paulo, Hugo Berni Neto, construiu casas em condomínios de alto padrão de Sorocaba (interior) avaliadas em mais de R$ 7 milhões, equivalentes a 32 anos de seu salário

Roberto de Faria Torres
Suspeito de cobrar propina durante uma CPI, ele adquiriu 19 imóveis nos últimos cinco anos –entre eles, uma mansão com 23 cômodos 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.