Descrição de chapéu Obituário Olívia Maria Nassif Fernandes (1951 - 2019)

Mortes: Obstetra e pintora, dava boas vindas a bebês que nasciam

A médica Olívia Maria Nassif Fernandes era reconhecida pelo tratamento humanizado dado às pacientes

Patrícia Pasquini
São Paulo

A paixão pela vida impulsionou o desejo da ginecologista e obstetra Olívia Maria Nassif Fernandes de ser médica. Formou-se na UEL (Universidade Estadual de Londrina).

O marido, o urologista Celso Fernandes Júnior, 65, lembra que ela se referia à medicina como uma forma de lidar com vidas, nunca com doenças ou mortes. 

“Ela nasceu para isso. Às vezes, eu a ajudava nos partos. A cada criança que Olívia colocava no mundo, a primeira coisa que fazia era desejar boas-vindas. Muitas vezes, eu interferia porque havia procedimentos clínicos que precisavam ser feitos naquele momento, e dizia a ela para deixar as palavras para depois”, diz ele.

 
A médica Olívia Maria Nassif Fernandes (1951-2019)
A médica Olívia Maria Nassif Fernandes (1951-2019) - Arquivo pessoal

Familiares e amigos afirmam que Fernandes nasceu com o sorriso. Era alegre. Não havia situação que lhe tirasse o sorriso radiante. A impressão era de que não existia problema para ela. 
As pessoas a descreviam como otimista e elegante.

Em cerca de 40 anos de medicina, fez mais de 5.000 partos, entre muitas gerações. Com um atendimento humanizado, era bem quista na cidade.

Considerava as pacientes quase como amigas, colocava-se à disposição e ajudava sempre que necessário. A medicina só reforçou o carinho e respeito que dispensou ao próximo. 

Adorava esporte. “Ela foi atleta e ultimamente dedicava-se à pintura em cerâmica e porcelana”, diz o marido.

“Olívia deixa um legado de amor importante, um exemplo a ser seguido como pessoa, mãe e médica.”

Olívia Maria Nassif Fernandes nasceu e morreu em Londrina (PR), aos 68 anos, de infarto. Deixa esposo e dois filhos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.