Agência bancária na Assembleia Legislativa de SP é assaltada

Homens armados renderam os vigilantes do Santander e levaram dinheiro do caixa e do cofre

São Paulo

A agência bancária do Santander localizada na sede da Assembleia Legislativa de São Paulo, na zona sul da cidade, foi assaltada na tarde desta segunda-feira (10). Dois assaltantes armados entraram no local, renderam os vigilantes e levaram o dinheiro que estava no caixa e no cofre da agência.

O assalto reacendeu debate entre deputados sobre segurança na assembleia. Alguns deles criticam a falta de controle do local, que não conta com procedimentos e tecnologias que existem em outras Casas, como a Câmara Municipal de São Paulo e a Câmara dos Deputados, em Brasília.

Na Assembleia não há, por exemplo, a exigência de apresentar documento de identificação para entrar nem detector de metais.

O deputado Delegado Olim, do PP, passou pela agência poucos minutos antes do assalto, que começou às 15h50, aproximadamente. Olim, conhecido por sua atuação como delegado, conversou com os funcionários do banco após a ação. Ele já chefiou a Delegacia de Polícia de Investigações sobre Furtos e Roubos a Bancos da Polícia Civil, divisão que fará a investigação do caso.

Segundo ele, os funcionários disseram que os vigilantes foram rendidos, tiveram suas armas roubadas e que mais de R$ 400 mil foram levados da agência, que fica no subsolo da Alesp, ao lado de agências do Bradesco e do Banco do Brasil.

Em nota, a assessoria de imprensa da Alesp afirma que "as polícias Civil e Militar estão mobilizadas para identificar os autores" e que o banco ainda está levantando o valor roubado. O Santander não respondeu até a publicação da reportagem.

"Os deputados mais à esquerda não querem que a gente coloque mais controle na Alesp porque aqui seria a casa do povo, e então acontece esse tipo de coisa. Dois idiotas entraram aqui e limparam o banco", diz Olim.

Os efeitos das fortes chuvas na cidade afetaram a investigação do caso, já que os vigilantes e funcionários da assembleia só deverão ser ouvidos pela polícia a partir desta terça-feira (11). Os policiais encontraram dificuldade de se deslocarem da sede do Departamento de Investigações Criminais, na zona norte, até a sede da Alesp.

O deputado Gil Diniz, do PSL, também se queixa do que vê como precariedade na segurança do local. Ele protocolou há meses um projeto de lei pedindo providencias para melhorar a segurança dentro da assembleia.

"É um perigo, temos diversos serviços para o cidadão no subsolo, como o Detran e um posto para emissão de RG, e não temos qualquer segurança. Tenho alertado desde sempre para o problema. Foi uma tragédia anunciada", afirma.

A deputada Janaina Paschoal, do PSL, escreveu em suas redes sociais que considera necessário, desde que assumiu o cargo, no início de 2019, o controle da entrada de todas as pessoas que entram na Alesp com identificação, detector de metais e câmeras de segurança.

"O dinheiro do fundo da Alesp, que será utilizado para contratar publicidade, seria melhor aplicado na segurança de todos que frequentam a Assembleia. Hoje, qualquer prédio (público ou privado) pede a identificação de quem entra. Não tem justificativa! Até pela transparência, esse controle seria fundamental", escreveu a deputada.

Reportagem da Folha mostrou que o presidente da Alesp, o tucano Cauê Macris, vem fechando o cerco para o público e para a imprensa que frequentam a Casa desde o final do ano passado.

Em votações mais sensíveis para o funcionalismo, como a extinção de estatais e a reforma da Previdência, a Casa tem tido reforço de efetivo da PM. 

Diante da beligerância na Casa, palco constante de brigas entre os deputados, o presidente disse que providenciaria a instalação de detectores de metal, portarias para controle de visitantes e circuito de câmeras. Em dezembro, ele previu que eles ficariam prontos até o começo de abril.

Ao longo do ano, a Casa também passou a impor restrições aos jornalistas —o presidente afirmou à Folha que não tinha conhecimento sobre isso. “Vamos corrigir, meu interesse é que a imprensa tenha liberdade.”

O crachá de jornalista, distribuído pela equipe de comunicação e que dá acesso à sala de imprensa anexa ao plenário, tem validade de apenas um dia. No momento de requisitá-lo, a equipe pergunta ao jornalista qual é sua pauta na Casa e tira uma foto do crachá para controle de quais repórteres estão na Assembleia. 

Policiais militares passaram a entrar na sala de imprensa para verificar se todos os repórteres ali presentes estavam devidamente credenciados.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.