Doria faz intervenção na Saúde e leva decisões sobre coronavírus para o Bandeirantes

Medida leva à saída do número 2 da pasta da Saúde e isolamento de atual secretário, José Henrique Germann Ferreira

São Paulo

Insatisfeito com a atuação da Secretaria de Estado da Saúde nas ações de combate ao novo coronavírus, o governador João Doria (PSDB) decidiu promover uma intervenção na pasta e levar as decisões da crise para o Palácio dos Bandeirantes.

De acordo com decreto publicado no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (27), a pasta da saúde ficará subordinada à Secretaria de Governo, comandada pelo vice-governador Rodrigo Garcia, ao mesmo tempo que será criado um grupo executivo para atuação conjunta entre as pastas.

O Governador de São Paulo, João Doria (PSDB) acompanha fala do secretário da Saúde, José Henrique Germann Ferreira, durante evento no Palácio dos Bandeirantes - Francisco Cepeda/Folhapress

O grupo será coordenado pelo secretário-executivo de Governo, Nelson Baeta, que ganha autonomia para editar, mediante portarias, normas complementares ao combate à Covid-19.

Ficará responsável, por exemplo, pela gestão da compra de kits de testes e de insumos, equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas, além de respiradores hospitalares.

Também poderá celebrar parcerias para a gestão de serviços de saúde e identificar necessidades orçamentárias e financeiras para o combate ao coronavírus.

A intervenção também levou saída do número 2 da pasta da Saúde, Edison Tayar, que ficou apenas 23 dias no cargo. Ele será substituído pelo médico Eduardo Ribeiro Adriano, que foi coordenador de Contratos de Gestão da Secretaria entre 2011 e 2017.

Adriano foi secretário secretário-adjunto de David Uip na pasta da Saúde nessa época. Quando Márcio França (PSB) assumiu o governo paulista, ele foi para a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo.

A intervenção de Doria na Saúde enfraquece ainda mais o secretário José Henrique Germann Ferreira, que já estava sem nenhum protagonismo no enfrentamento do coronavírus.

Desde o começo da crise, Germann teve o papel ofuscado por David Uip.

Antes de ser diagnosticado com coronavírus, Uip foi alçado ao cargo de coordenador do Centro de Contingência e garoto-propaganda das ações do governo contra a crise.

Na avaliação do governo, o infectologista demonstra muito mais naturalidade diante das câmeras, onde, com frequência, Germann se atrapalha e expressa opiniões que desagradam o governo.

Nesta quinta (26), por exemplo, incomodou a cúpula do governo o secretário da Saúde ter falado na possibilidade de um "lockdown", a restrição de circulação da população com ajuda da polícia. Na visão do governo, essa informação, ainda incerta, poderia gerar pânico na população.

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (27), Doria elogiou Germann e afirmou que se trata apenas de uma mudança administrativa. "Apenas estruturação administrativa, estruturação média segue intocável, irretocável e atuando não só com dignidade, com capacidade, como também já testadamente todos esses dias", disse Doria.

Segundo o governador, a mudança ocorreu devido ao envio de recursos à pasta. "Nenhuma dúvida e ao contrário elogios a toda a estrutura da secretaria da Saúde".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.