Descrição de chapéu Coronavírus

Governo diz que distribuirá aos estados 10 milhões de testes para coronavírus

Metade será enviada em oito dias, ainda em março

Brasília

O Ministério da Saúde anunciou neste sábado (21) que irá distribuir 10 milhões de testes rápidos para ampliar o número de pacientes testados para o novo coronavírus no país.

Hoje, em razão do número de testes disponíveis, são avaliados apenas os casos considerados graves. Com isso, pacientes com sintomas leves não recebem a confirmação do coronavírus. Com a aquisição dos testes rápidos, a pasta quer aumentar o escopo de verificação.

Segundo o secretário de Vigilância, Wanderson Oliveira, primeiro será distribuído aos estados um carregamento com 5 milhões de testes rápidos. Ele deve chegar ao país em até oito dias, disse o secretário.

Nas próximas semanas, a ideia do ministério é ampliar o número para 10 milhões de kits de testagem, avaliados a R$ 75 cada. De acordo com Wanderson, a pasta está em negociação com empresas como a mineradora Vale para que os testes sejam conseguidos por meio de doação. "Caso isso não seja possível, vamos fazer a aquisição com recursos do ministério", afirmou durante entrevista coletiva.

Os testes serão utilizados primeiro em profissionais de saúde e, segundo o secretário, serão enviados para UBS (Unidades Básicas de Saúde). Além disso a perspectiva, disse, é de implantar um sistema similar ao da Coreia do Sul, "usando um drive-thru de testes em alguns centros para aumentar a testagem".

“A previsão é que a aquisição seja por meio de uma doação ou por uma compra direta do ministério, a depender da capacidade operacional. Nós estamos buscando todos os meios para disponibilizar aos brasileiros os testes mais eficientes e com o melhor custo benefício”, afirmou Wanderson. “É importante lembrar que há uma escassez de testes no mundo”, disse.

Atualmente, o ministério informa que disponibilizou 27 mil testes para os estados brasileiros. Eles são do tipo laboratorial, que analisa o muco e a saliva para identificar material genético do vírus. Eles dependem de processamento por técnicos, e podem demorar dias para que se obtenha um resultado, que é mais preciso.

Funcionário com leva de testes para coronavírus - Rodolfo Buhrer/Reuters


No caso do teste rápido, a verificação é feita por meio de uma gota de sangue, como uma aferição de glicemia realizada por diabéticos, segundo o ministério. A partir daí, seria possível saber o resultado em poucos minutos a partir da presença de antígenos ou anticorpos.​

O governo vem sendo criticado pelo protocolo de testar apenas doentes já em estado grave. Existe a preocupação de que isso leve a uma subnotificação do vírus, e também eleve a taxa relativa de mortalidade.

A própria OMS (Organização Mundial da Saúde) defende que seja feita uma ampla testagem da população, a exemplo do que aconteceu na Coreia do Sul. No país asiático, dados mais recentes mostram que 307 mil sul-coreanos já realizaram o teste —quase que 0,6% da população.

O diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, recomendou a países que sejam feitos testes em todos os casos suspeitos.

“Não se consegue combater um incêndio com os olhos vendados, você não consegue parar essa pandemia se não souber quem está infectado”, disse. “Teste, teste, teste. Teste todo caso suspeito. Se for positivo, isole e descubra de quem ele esteve próximo”, orientou.

Neste sábado (21), a contagem de casos no Brasil chegou a 1128 confirmados e 18 mortos, sendo 15 em São Paulo e 3 no Rio de Janeiro.

Não foi divulgado de que fornecedor o governo comprará esse lote de testes.

A Bio-Manguinhos já desenvolveu um modelo de teste rápido e se prepara para solicitar aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Oito produtos, de seis empresas diferentes, ganharam registro da agência na quarta-feira (18), aval necessário para que possam ser ofertados no mercado —no caso, a laboratórios, hospitais e governos.

A maioria dos produtos é importada ou será feita com matéria-prima de outros países, em especial Coreia do Sul, China e Estados Unidos.

Entre as que obtiveram registro, está a Biocon, que recebeu aval para oferta de um teste da empresa Wondfo, da China. A empresa vai importar a matéria-prima e finalizar a montagem no Brasil. O gerente técnico Marcelo Genelhu diz que ainda não há definição de preço, mas estima que seja até 50% mais barato que o modelo PCR.

Além dos testes rápidos, os estados já começaram a se mobilizar para ampliar o número de testes laboratoriais disponíveis. Em São Paulo, por exemplo, o plano é adquirir 20 mil unidades. Ceará e Mato Grosso do Sul também já analisam a possibilidade de compra de mais kits, ainda sem prazo para entrega nos laboratórios.

A reclamação das diversas instâncias do poder público e também de redes de saúde particulares é de que não há testes do tipo laboratorial o suficiente no mercado para suprir a demanda de testar todos os pacientes com sintomas. Por isso a preferência é dada aos casos graves.

“Do ponto de vista sanitário, é um grande desperdício de recursos preciosos para as nações. Há maneiras de fazer percepção de quadro clínico, isolamento domiciliar, isolamento de famílias. Vamos trabalhar de uma maneira proativa, antecipando quais são aqueles que precisamos testar”, já declarou o ministro Luiz Henrique Mandetta.

Responsável pelo fornecimento para o Ministério da Saúde, o laboratório de Bio-Manguinhos, da Fiocruz, afirma que vai expandir a produção de testes moleculares.

Segundo o laboratório, há expectativa de redução do preço desses kits (R$ 98) quando houver ganho de escala e com o fim da condição de emergência, que encarece os custos de aquisição dos principais insumos envolvidos na produção. Esta redução pode ser de até 20%.

Nesta quarta, o ministério anunciou ter finalizado a capacitação de 27 laboratórios centrais de saúde pública. Com isso, todos os estados serão aptos a fazer o diagnóstico.

O treinamento era feito pelo Instituto Evandro Chagas, do Pará, um dos laboratórios de referência para o vírus. Os outros são a Fiocruz, no Rio de Janeiro, e o Adolfo Lutz, em São Paulo

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.