Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter

Ribeirão Preto

07/12/2012 - 05h58

Projeto de Niemeyer em estádio de Barretos (SP) está descaracterizado

Publicidade

MARCELO TOLEDO
EDITOR-ASSISTENTE DA "FOLHA RIBEIRÃO"

Palco do principal rodeio do país, o estádio do Parque do Peão de Barretos (423 km de SP), projetado nos anos 80 por Oscar Niemeyer, está descaracterizado. Outros dois projetos do arquiteto na região de Ribeirão Preto não saíram do papel e um está incompleto.

Em Barretos, os problemas no estádio em formato de ferradura são três, todos em camarotes. Um deles, vertical, impede a visão global da arena a quem chega pelas entradas principais, enquanto outro, ao lado do palco, quebra a simetria das arquibancadas.

O terceiro está nos mais de 50 camarotes erguidos em parte das arquibancadas --deveriam ficar atrás delas.

O próprio Niemeyer disse à Folha, em 2010, lamentar as alterações em sua proposta.

"Trata-se de um trabalho que realizei com muito carinho para atender a amigos. Irei apoiar toda iniciativa no sentido de resguardar as características originais da obra", disse o arquiteto à época.

Silva Junior - 26.ago.2010/Folhapress
Vista do estádio do Parque do Peão, em Barretos, com camarotes construídos sem conhecimento de Niemeyer
Vista do estádio do Parque do Peão, em Barretos, com camarotes construídos sem conhecimento de Niemeyer

Ele também produziu o cartaz comemorativo aos 50 anos da Festa de Barretos, com seu traço característico.

Segundo nota da assessoria de Os Independentes --associação que organiza a festa--, não há nenhuma discussão sobre mudanças no estádio. "Ter o projeto arquitetônico inicial da arena do Parque do Peão desenvolvido por Oscar Niemeyer é motivo de orgulho", diz um dos trechos.

ESTACA ZERO

Em Brodowski (338 km de SP), terra do artista plástico Candido Portinari (1903-62) --com o qual trabalhou na Pampulha (1940), em Belo Horizonte--, Niemeyer projetou um memorial. Um entrave é a dificuldade financeira do município.

Já em Araraquara (273 km de SP), ele desenvolveu o projeto para a Universidade de Música e Artes, lançado em 2010. Não saiu do papel porque o investimento previsto é de R$ 40 milhões.

Segundo a prefeitura, que doou uma área de 30 mil metros quadrados para viabilizar a construção, tentativas para adequar o projeto a alguma lei de incentivo estão sendo feitas.

Edson Silva/Folhapress
Campus 2 do Centro Universitário Moura Lacerda, em Ribeirão Preto, que foi projetado por Oscar Niemeyer
Campus 2 do Centro Universitário Moura Lacerda, em Ribeirão Preto, que foi projetado por Oscar Niemeyer

O quarto projeto do arquiteto na região é o do campus 2 do Centro Universitário Moura Lacerda, em Ribeirão (313 km de SP). Desenvolvido nos anos 70, não foi concluído --falta a praça central, com restaurante, auditório e prédio da administração, que deve começar em 2013.

Segundo o reitor da instituição, Oscar Luiz de Moura Lacerda, o projeto é sequencial e foi implantado na medida do necessário. "Não prevemos tempo de término, mas não prevemos a interrupção do projeto." Segundo ele, Niemeyer "sempre acompanhou de perto" o projeto.

Na USP (Universidade de São Paulo) de São Carlos (232 km de SP), estudantes fizeram ontem um minuto de silêncio em homenagem ao arquiteto.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página