Descrição de chapéu
Priscila Cruz e João Marcelo Borges

O ministro da balbúrdia

Atitudes de Weintraub comprometem esforços e não conduzem agenda de reformas amplas e complexas

Priscila Cruz João Marcelo Borges

Em sua missão de defesa da qualidade da educação básica, o Todos Pela Educação fez duras críticas a gestões anteriores do Ministério da Educação (MEC), relativas à alocação dos recursos, modelagem das políticas, estratégia de implementação e, principalmente, resultados. 

Entretanto, o atual ministro, Abraham Weintraub, ultrapassou os limites razoáveis, como não se viu antes. 

A postura agressiva adotada nas redes sociais não só desonra a educação, apequena o Governo Federal e desrespeita todo o país, mas fundamentalmente impacta na atuação do ministério, pois gera compromissos com o discurso radical e impõe limitações graves à efetividade das ações para a melhoria da educação básica.

Às palavras, sua força e consequências. Por se tratar do ministro da Educação, essas consequências são graves demais. Há enorme impacto simbólico e também repercussão prática, dada sua função executiva, que deveria ser de referência como principal articulador das várias cadeias de implementação de políticas educacionais.

No Twitter, o ministro já sugeriu a um usuário que carregasse carvão para sua própria cremação, aplaudiu incitação à violência contra estudantes, ofendeu o presidente francês e chamou uma interlocutora de “filha da égua”.

Considerado um problema por muitos do próprio governo, em quase todos os partidos no Congresso Nacional e na comunidade educacional, Weintraub só anima os grupos radicais. Infelizmente, falta intenção de melhorar a educação, sobra intenção no extremismo. 

Apesar de técnicos do MEC seguirem trabalhando pela continuidade de importantes políticas de gestões anteriores, como o apoio a estados e municípios para a implementação da Base Nacional Comum Curricular e para a expansão do ensino médio em tempo integral, o ministro da “balbúrdia” compromete esses esforços e não conduz uma agenda de reformas amplas e complexas. 

Muito mais poderia ter sido feito se o ministro e sua equipe não gastassem grande parte do seu tempo nas novas iniciativas que terão pouco ou nenhum impacto positivo nos resultados educacionais.

Uma delas visa agradar ao presidente e a alguns de seus apoiadores (escolas cívico-militares), outra, o setor privado (“Educação na Prática”, que eleva artificialmente a avaliação das instituições de ensino superior em troca do seu espaço ocioso para a educação básica) e, mais recentemente, a perseguição a professores mascarada de proteção a estudantes

Além disso, o MEC nem sequer definiu uma estratégia concreta para reverter o quadro atual em que 55% das crianças de 8 e 9 anos não estão plenamente alfabetizadas. 

Da mesma forma, a pasta mal se envolveu nos debates na Câmara e no Senado sobre o Fundeb, principal mecanismo de financiamento da educação básica, e segue a reboque do Ministério da Economia nas negociações com parlamentares. 

muito a ser feito, não podemos mais perder tempo. 

O Brasil nunca deu a devida prioridade à educação básica e, como resultado, as oportunidades que os brasileiros poderiam ter de uma vida melhor foram reduzidas, assim como a competitividade do país, e pioraram os índices de segurança pública —para citar alguns efeitos.

Nosso patamar de exigência em relação ao ministro da Educação deveria ser o mesmo que adotamos para o ministro da Economia. 

Entretanto, o titular do MEC não possui liderança técnica, política ou gerencial. Weintraub foi o único a ganhar com tudo isso: de desconhecido passou a figura nacional.

Quem perde somos todos nós e, como sempre, sobretudo as crianças e os jovens.

Priscila Cruz

Mestre em administração pública pela Harvard Kennedy School (EUA), é presidente-executiva e cofundadora do movimento Todos Pela Educação

João Marcelo Borges é diretor de estratégia política do Todos Pela Educação

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.