Descrição de chapéu Coronavírus

Em reação ao coronavírus, Congresso dos EUA fecha ao público até abril

Câmara americana suspende sessão desta quinta, mas parlamentares podem voltar ao trabalho se convocados

Washington

O Congresso dos EUA anunciou nesta quinta-feira (12) que fechará as portas ao público até o início de abril em reação à pandemia do coronavírus.

A votação desta quinta-feira na Câmara —prevista como a última da semana— também foi suspensa, mas os parlamentares podem voltar ao trabalho assim que convocados pelo presidente da sessão.

Capitólio dos Estados Unidos, sede do poder legislativo americano
Capitólio dos Estados Unidos, sede do poder legislativo americano - Joshua Roberts/Reuters

Em comunicado conjunto, a Câmara e o Senado americanos afirmaram que, seguindo recomendações dos departamentos de saúde do país, as visitas ao Congresso estarão suspensas a partir das 17h locais (18h de Brasília) desta quinta-feira até 1º de abril.

"Estamos tomando essa medida temporária por preocupação com a saúde e segurança dos funcionários do Congresso e também do público", diz a nota.

Até lá, a entrada no Congresso fica permitida somente para parlamentares, funcionários, pessoas que estiverem no local a negócios e imprensa credenciada.

As visitas guiadas eram feitas de segunda a sábado, das 8h30 às 16h30.

A presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, resiste em declarar qualquer tipo de adaptação ao trabalho do Legislativo durante a pandemia do coronavírus.

Na semana passada, ela disse a aliados que os parlamentares são "os capitães do navio" e, portanto, "os últimos a sair."

Isso porque havia sido ventilada entre os parlamentares a possibilidade de fazer voto remoto ou até mesmo estender o período de recesso, mas a democrata inicialmente rechaçou a ideia.

O Congresso americano é um local propício para a transmissão do vírus. Vários deputados e senadores estão no grupo de risco, pois têm mais de 60 anos e, em ambientes fechados durante quase todo o dia, conversam e se cumprimentam exaustivamente.

Nos EUA já foram registrados mais de 1.200 casos e pelo menos 37 mortes. Nesta quarta-feira (11), a prefeita de Washington, Muriel Bowser, declarou estado de emergência na cidade, e o presidente Donald Trump fez um pronunciamento à nação anunciando uma série de medidas, como a suspensão por 30 dias da entrada de passageiros vindos da Europa, exceto Reino Unido.

Trump estava minimizando a crise do coronavírus até esta quarta. O Congresso não descarta novas medidas caso a situação se agrave ainda mais.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.