Descrição de chapéu Coronavírus

Cidades paulistas contam 1.000 casos e 100 mortes a mais que governo de SP

Barueri tem 445% de casos a mais; governo credita a falta de atualização do sistema

São Paulo

Os números apresentados pelo Governo de São Paulo de pessoas infectadas e mortas pelo novo coronavírus apresentam grande defasagem em relação aos somados pelas prefeituras municipais, segundo levantamento feito pela Folha em 178 cidades paulistas.

Segundo balanço divulgado pelo governo paulista na última quarta-feira (15), o estado de São Paulo tinha 11.043 infecções confirmadas pelo novo coronavírus e 778 mortes. Enquanto isso, no mesmo dia, as cidades somavam 12.073 casos e 880 mortes.

Se esses 1.030 casos e 102 mortes não somados ao balanço do Governo de SP fossem reunidos num só lugar, seria a sexta unidade da federação com mais confirmações e mais mortes, com mais resultados positivos que estados como PR, MG, SC e BA no mesmo dia.

Os números mudam todos os dias e foram atualizados pelo governo para 11.568 confirmações e 853 mortes nesta quinta-feira (16), mas a defasagem continua alta —o que pode atrapalhar no combate a um vírus que se espalha rapidamente.

Uma das cidades em que os números são mais destoantes é Barueri, na Grande São Paulo. No balanço de quarta-feira, o governo estadual dizia que havia por lá 64 casos confirmados, com 4 mortes. O balanço do município do mesmo dia apontava 349 casos (445% a mais) e 6 mortes.

A contagem estadual está pelo menos uma semana atrasada. A última vez que a prefeitura contou 64 casos confirmados por lá foi em 7 de abril.

O boletim mais atualizado da gestão de João Doria (PSDB), divulgado na quinta (16), manteve o mesmo número de 64 confirmações em Barueri.

"O município está trabalhando em tempo real. Na medida em que fecha os casos e os lança no sistema, já é feito o boletim, enquanto o estado e o Ministério da Saúde acabam demorando um tempo pra receber, depurar e tabular esse dado, até lançar como um dado oficial", disse a Prefeitura de Barueri à reportagem.

A demora na contagem estadual provoca um problema de comunicação entre os moradores do município. Em comentários de informes da prefeitura nas redes sociais, pipocam baruerienses que apontam a discrepância com os números estaduais e acusam a cidade de inflar os dados para justificar o fechamento do comércio.

A Covid-19, doença provocada pelo novo vírus, é de notificação compulsória, ou seja, todos os hospitais ou serviços de saúde que receberem casos suspeitos devem avisar à vigilância epidemiológica do município. A prefeitura lança essas informações em um sistema, compartilhado com o estado e com o Ministério da Saúde, e o alimenta com a evolução do caso —se foi confirmado ou descartado, se o paciente foi curado, se morreu etc.

Há casos em que a demora é longa. Em Sertãozinho, por exemplo, cidade de 126 mil habitantes próxima a Ribeirão Preto, a prefeitura confirma uma morte por Covid-19 desde 3 de abril, de um homem de 62 anos que morreu em março. Até hoje, 13 dias depois, o óbito não entrou na conta oficial do governo de São Paulo.

Para a secretária de saúde da cidade, Angélica Lazarini, a demora pode ser pelo fato de que a confirmação veio a partir de um teste de laboratório privado comprado pela cidade (e credenciado pelo governo), mas ainda aguarda resposta Instituto Adolfo Lutz, órgão do governo responsável por isso.

"O município comprou alguns testes por conta própria, de laboratório credenciado pela Anvisa, e estamos colhendo exames de todos os casos graves e com internação. Notificamos imediatamente no sistema", explica.

Mesmo o dado da capital paulista tinha discrepância entre o que foi apresentado pelo município e pelo governo no mesmo dia. Em Barretos, enquanto o governo confirmava 6 casos e nenhuma morte, a prefeitura dava 26 contaminações e 1 morte.

O governo João Doria (PSDB) não respondeu especificamente sobre os casos citados pela reportagem. Na quarta, o coordenador do Controle de Doenças de SP, Paulo Menezes, afirmou que os números discrepantes por falta de atualização dos casos no sistema.

"Pode acontecer nos municípios que existam situações que não entraram a notificação [da confirmação do exame laboratorial], por terem sido principalmente atendidas no setor privado", disse. "E também a confirmação diagnóstica pode ter sido feita fora do sistema de vigilância e o sistema não ter recebido ainda."

"Além disso, existem óbitos que são identificados através de declaração de óbito fora do sistema de vigilância e precisam ser inseridos no sistema de vigilância. Então é esperada essa diferença entre o que às vezes o município comunica e o que está constando no sistema de vigilância epidemiológica estadual", afirmou.

Para Fatima Marinho, médica e pesquisadora do Instituto de Estudos Avançados da USP, que trabalhou com dados de epidemias no Ministério da Saúde, prefeituras de cidades menores podem demorar mais a notificar, sobretudo quando os casos crescem e o acúmulo de trabalho é grande para poucos técnicos.

"Há um problema de comunicação. Especialmente nas prefeituras mais precárias, com menos gente, a informação pode circular com mais lentidão até chegar num lugar que a centralize. Mas é sempre melhor pegar esses dados diretamente com as cidades, que têm dados mais atualizados que os níveis estadual e federal", diz.

Outro problema pode ser a falta de padronização entre o que é considerado caso confirmado e que tipo de teste é feito.

Fernanda Campagnucci, da ONG Open Knowledge Brasil, que tem monitorado a transparência dos estados sobre os dados do vírus, diz que falta também uma diretriz nacional para padronizar essas informações.

"Deveria haver uma articulação maior do Ministério da Saúde na coleta desses dados. Já que todo mundo tem que notificar, não faz sentido que estados e municípios usem fontes diferentes para monitorar o problema. A metodologia deve ser fornecida junto com a divulgação dos dados", afirma.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.