Descrição de chapéu Coronavírus

Todos correm o risco de se infectar de forma grave com coronavírus, diz órgão de saúde dos EUA

CDC também reforça necessidade de priorizar vulneráveis para reduzir impacto da pandemia

Washington

A Covid-19 pode matar até mesmo jovens e pessoas sem doenças pré-existentes, ou seja, que estão fora do que hoje é considerado grupo de risco para o novo coronavírus.

Mais: diante do cenário amplo e do alto índice de infecção entre negros e pobres, os mais vulneráveis devem ser priorizados para diminuir o impacto global da pandemia.

Essas são principais conclusões de um estudo divulgado na semana passada pelo Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês).

Responsável pela coordenação da pesquisa, o epidemiologista Jeremy Gold disse em entrevista à Folha que é preciso reformular a mensagem para aqueles que acham que não são suscetíveis à doença e reforçar a ideia de que o distanciamento social é necessário a todos e não apenas a idosos e pessoas com comorbidades.

O epidemiologista Jeremy Gold, do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês).
O epidemiologista Jeremy Gold, do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês). - Casey Wright

"É importante que todos entendam que correm risco de se infectar de maneira grave", explica Gold.
O estudo analisou 305 pacientes com admissão em março em oito hospitais da Geórgia, um dos estados americanos mais atingidos pela pandemia.

Entre os internados em situação grave, um em cada quatro não apresentava fatores de risco para a Covid-19, o que chamou a atenção da equipe do CDC, assim como a taxa de negros hospitalizados, que chegava a 80%.

Segundo o órgão de saúde ligado ao governo americano, depois de internados os negros apresentaram os mesmos resultados clínicos que os dos brancos, o que indica que o principal motivo para maior ocorrência de casos e mortes por Covid-19 entre negros nos EUA é a desigualdade econômica e social.

Estudo conduzido por sua equipe no CDC mostra que 1 em cada 4 pacientes hospitalizados em estado grave não tinha fatores de risco para a Covid-19 e, desses, 5% morreram. O que isso significa?
Nossa conclusão é que mesmo os adultos jovens e aqueles que não possuem fatores de risco para a doença podem necessitar de internação para Covid-19 e morrer.

É preciso mudar a mensagem para os jovens e pessoas que hoje estão fora do grupo de risco e que não se consideram suscetíveis à Covid-19?
É importante que todos entendam que correm risco de se infectar de maneira grave. Concluímos que todos os adultos, independentemente da condição médica ou idade, correm esse risco. Em idosos ou pessoas com problemas de saúde, o risco é ainda maior. Portanto, o distanciamento social é necessário não apenas para proteger os idosos e as pessoas com condições médicas subjacentes, é importante para proteger a todos.

Os negros representam grande parte das internações e mortes por Covid-19 nos EUA. Por que eles são mais afetados por essa pandemia?
Existem várias razões possíveis e o CDC está analisando os dados sobre a Covid-19 para tentar identificar e entender essas disparidades. As diferenças de saúde entre grupos raciais e étnicos se dão geralmente devido a condições econômicas e sociais. Condições de vida, de trabalho, de saúde, doenças crônicas, e menos acesso a cuidados podem desempenhar papel no número desproporcional de infecções entre certos grupos raciais.

Os resultados clínicos dos pacientes negros foram semelhantes aos dos que não eram negros, de acordo com seu estudo. O que isso quer dizer?
Negros estão desproporcionalmente representados entre pacientes internados e a própria internação é uma medida tomada em caso de doença grave que resulta em peso para o paciente, suas famílias e o sistema de saúde. Embora seja reconfortante que, uma vez hospitalizados, os pacientes negros com Covid-19 não tenham tido piores resultados do que os que não são negros, nossos dados sugerem que os negros ainda carregam um fardo desproporcional no caso da Covid-19 grave.

As medidas de prevenção para Covid-19 deveriam priorizar comunidades vulneráveis?
Sim, é preciso dar prioridade aos vulneráveis, inclusive às comunidades negras. A história mostra que as taxas de doenças graves e mortes tendem a ser mais altas entre minorias durante emergências de saúde pública. Atender às necessidades das populações vulneráveis é essencial para diminuir o impacto geral das ameaças globais à saúde pública.

Como o governo e os serviços de saúde devem agir nesse sentido?
O governo dos EUA está reunindo e usando informações para melhorar o gerenciamento clínico dos pacientes e fazer a alocação de recursos pelo país, além de direcionar mensagens educativas e de saúde pública para esse público. Estamos apoiando parcerias entre pesquisadores, organizações profissionais e comunitárias, entre outros, para atender à necessidade de informações para evitar a Covid-19 entre minorias étnicas e raciais.

O governo americano também está providenciando diretrizes e orientações para apoiar ações para diminuir a disseminação da Covid-19 em escolas, ambientes de trabalho e outros locais, incluindo aqueles em comunidades vulneráveis.

Pelo menos 42 dos 50 estados americanos começaram a relaxar medidas de distanciamento social em alguma medida nos últimos dias. Diante da conclusão de que todos os adultos estão sob risco da Covid-19 grave, avalia que é cedo para retomar as atividades?
Decidir sobre quando reabrir escolas e comércio nos EUA é uma decisão complexa. Nosso relatório fornece dados às autoridades para ajudar a tomar essa decisão.


Raio-X
Jeremy Gold é oficial de Serviço de Inteligência Epidêmica do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. É formado em biologia pela Universidade McGill, no Canadá, e em medicina pela Faculdade de Medicina Albert Einstein, nos EUA

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.