Descrição de chapéu santos fc

Mais precoce que Neymar, Rodrygo lidera nova geração santista

Atacante de 17 anos tem contrato com empresa de material esportivo desde os 11

Klaus Richmond
Santos

“Para mim, isso [jogar futebol] é trabalho”. A frase que Rodrygo Silva de Goes, então com 11 anos, disse aos seus pais soava estranha para um garoto que naquela época apenas alimentava o sonho de se tornar jogador profissional.

Hoje, aos 17 anos, o atacante que cresceu no Santos carregando a fama de ter um talento acima do normal prova que tão precoce quanto seus sonhos são seus feitos.

Rodrygo tem contrato com a Nike desde os 11 anos. É o jogador brasileiro mais jovem a fechar um acordo com a empresa de material esportivo.
 

Rodrygo, atacante do Santos, durante jogo no Pacaembu - Ricardo Nogueira - 14.abr.18/Folhapress


Dentro de campo, o garoto que virou titular do técnico Jair Ventura tornou-se também o mais jovem do país a marcar um gol pela Libertadores, na vitória por 3 a 1 contra o Nacional (URU). Tinha 17 anos, oito meses e seis dias.

Rodrygo está no clube desde 2011, mas, antes de se tornar um “menino da Vila”, era destaque do futebol de salão do São Paulo. A amizade com outra promessa da equipe alvinegra, o meia Lucas Lourenço, o motivou a ir para o Santos.

Rápido, driblador e goleador, nunca teve grandes casos de indisciplina, mas precisou ser doutrinado.
“Dentro da quadra, ele virava um bicho, queria ganhar a todo custo”, conta José Alexandre Fiuza, o Barata, coordenador do futsal santista.

A opinião de treinadores que acompanharam a carreira da jovem estrela é que Rodrygo se cobra por cada pequena jogada não realizada.

Em casa, a preocupação para não se deslumbrar recebeu atenção rígida, principalmente da mãe, Denise.

Ele precisava cumprir uma espécie de cartilha de comportamento colocada no armário com atribuições como “cumprimentar a todos no clube, não falar palavrões, não se achar melhor do que alguém, não reclamar com o juiz”.

O pai, Eric, também foi jogador profissional. Rodou por uma série de clubes, principalmente do interior paulista, e encerrou a carreira oficialmente no último ano para cuidar da família. Ele trabalha como observador na Un1que Football, empresa que gerencia a carreira de Rodrygo.

Se o jovem é constantemente comparado a Neymar, Eric não segue o perfil de Neymar pai no gerenciamento do trabalho do filho. Apesar dos aconselhamentos, treinadores e dirigentes disseram que o ex-jogador sempre se manteve discreto nos bastidores.


Rodrygo lidera uma geração promissora do clube, conhecida internamente por “safra de ouro”, com jogadores nascidos entre 2001 e 2002.

Só ele e o atacante Yuri Alberto, parceiro de concentração e principal concorrente na artilharia de torneios, já estão entre os profissionais.

“É consenso que, de todos os que passaram por nós, é quem mais se aproxima do Neymar. Não vimos nada parecido na condução em velocidade, mudança de direção no um contra um, jogar de pé trocado”, disse Barata.

O gol marcado contra os uruguaios, uma arrancada do meio de campo, acentuou as comparações com o ídolo.

“Quero ser o Rodrygo, não o novo Neymar”, disse o jovem.

Diferentemente do astro do PSG, Rodrygo é tímido e evita aparições em público. Cresceu em família evangélica e ia a cultos com o pai. No Santos, frequentava as reuniões do atacante Ricardo Oliveira, que também é pastor.

Apesar da rotina marcada por concentrações, treinos e viagens, Rodrygo ainda precisa conciliar o profissionalismo com a escola. Está no terceiro ano do ensino médio da escola Azevedo Júnior, próxima à Vila Belmiro, e recebe orientações dos educadores.

“Explicamos que [ele] precisa trabalhar para a equipe, que não pode se sobrecarregar de responsabilidade nem perder a disciplina”, disse a vice-diretora Eliana Maria Grossi.



Rodrygo estreou como profissional em 2017. Antes, passou por longa negociação para permanecer no clube.

“Quando teve a proposta do Liverpool para ir embora, disse para o Modesto [ex-presidente]: paga o que o menino está pedindo”, afirmou Elano, técnico que lançou o atacante.

A renovação incluiu a ajuda para a compra de um apartamento para a família e aumentos por metas alcançadas.

Apesar de contar com Rodrygo, Jair Ventura acumula dúvidas no setor ofensivo para a partida desta terça (24) contra o Estudiantes (ARG), às 21h30, na Vila Belmiro, pela quarta rodada da fase de grupos da Libertadores.

Os atacantes Eduardo Sasha e Arthur Gomes não participaram do último treino e são dúvidas. A baixa confirmada é Bruno Henrique, recém-recuperado de lesão no olho direito, mas vetado pelo departamento médico santista devido a uma nova contusão, desta vez na coxa esquerda.

Na TV
Santos x Estudiantes
21h30, Fox Sports

Rodrygo

Nascimento: 9.jan.2001 (17 anos), em Osasco

Peso e altura: 63 kg e 1,73 m

Posição: atacante

Estreia como profissional: 4.nov.2017, Santos 3x1 Atlético-MG, pelo Brasileiro

Contrato: válido até 19.jul.2022, com multa rescisória de 50 milhões de euros (R$ 210 milhões)

11 anos
tinha Rodrygo quando assinou seu primeiro contrato com a Nike

Pelo Santos
19 jogos
5 gols

Passes
22, 4 por jogo
74,1% certos

Chutes a gol
1,6 por jogo
58% certos

Fontes: Santos e Wyscout

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.