Em 2019, Marcelo passa mais tempo fora de campo no Real do que dentro

Lateral brasileiro convive com críticas e joga apenas 47% do tempo de jogo do Real Madrid no ano

Marcelo (direita) não vive boa fase no Real Madrid
Marcelo (direita) não vive boa fase no Real Madrid - Andrew Boyers/Reuters
Madri

Existe no futebol espanhol uma cultura que define a hierarquia de capitães das equipes. O critério é o tempo de casa. No Real Madrid (ESP) o zagueiro Sergio Ramos, com 14 anos de clube, é o dono da braçadeira, mas logo na sequência vem o lateral esquerdo brasileiro Marcelo, 30. O que dá a dimensão de sua importância não apenas no elenco, mas na história recente do clube merengue.

São quatro títulos de Champions League desde que chegou ao Santiago Bernabéu, em 2006, além de quatro ligas espanholas. Essa relação, porém, já viveu dias melhores.

Na atual temporada, o brasileiro não vem ganhando espaço com o técnico Santiago Solari, especialmente desde a virada do ano. Em 2019, esteve em campo em apenas 47% do tempo de jogo do time.

Desde que as partidas do Espanhol foram retomadas em 3 de janeiro, após a pausa de fim de ano, Marcelo só participou de 3 dos 9 jogos disputados. Nos confrontos contra Betis, Sevilla, Alavés, Atlético de Madri e Levante, este no último fim de semana, ficou apenas no banco de reservas.

Outro jogo ao qual assistiu do banco foi a vitória sobre o Ajax por 2 a 1, na Holanda, pelas oitavas de final da Champions League, o compromisso mais importante do Real Madrid neste início de 2019.

Na temporada 2014/2015, Marcelo registrou seu recorde com a camisa branca. Participou de 53 partidas das 59 que o clube realizou —89,8% de presença. Contribuíram para esses números sua assiduidade nos dois torneios mais relevantes do período: a Champions, atuando em 11 dos 12 jogos do time; e o Espanhol, presente em 34 das 38 rodadas. O que não tem acontecido no atual curso.

Torcedores críticos ao rendimento do brasileiro o acusam de estar acima do peso, responsabilizando-o também por alguns gols sofridos nas últimas partidas. Ao longo de sua carreira, Marcelo precisou conviver, mesmo no auge, com as dúvidas sobre sua capacidade defensiva.

“O principal problema de Marcelo é o físico. O jogador não está em seu peso ideal e isso o impede de render o seu nível habitual. Se tem algo que Solari demonstrou desde sua chegada ao comando foi justiça, e depois de muitas oportunidades, decidiu por deixá-lo no banco”, analisa o jornalista Juan Ignacio García-Ochoa, do diário espanhol Marca.

Marcelo, que segundo o site do Real Madrid pesa 80 kg e mede 1,74 m, contesta as informações publicadas a respeito de um possível sobrepeso. Segundo a rádio Onda Cero, ele teria iniciado a pré-temporada com sete quilos a mais.  

“É uma coisa que inventam para fazer mal a um atleta, um profissional. É impossível jogar com sete quilos a mais. Impossível. Não tenho problema com críticas, não me afetam, podem dizer o que querem, podem publicar notícias falsas. Assim é o futebol, mas vou estar sempre com um sorriso no rosto”, afirmou o lateral ao Esporte Interativo.

A gota d’água do descontentamento dos torcedores com seu desempenho dentro de campo foi a derrota do último dia 17 para o Girona, no Santiago Bernabéu, pela liga.

No segundo gol dos visitantes, Marcelo parecia estar melhor posicionado que o adversário para cortar rebote do goleiro Keylor Navas, mas permitiu a aproximação do atacante Portu, que cabeceou para o gol e decretou a vitória do Girona por 2 a 1.

Um perfil dedicado ao Real Madrid no Instagram fez uma comparação entre Marcelo  e seu concorrente pela posição de titular da lateral esquerda, Sergio Reguilón. Com o jovem de 22 anos como titular, o time venceu os últimos nove jogos. Já com Marcelo, venceu apenas um e perdeu seis vezes.

Irritado, o brasileiro comentou na rede social: “Tudo culpa minha!!! Seguimos”.

“Não existe outro Marcelo no mundo. Mas o atual Marcelo, fora de forma, é pior que o atual Reguilón, que é duro na defesa e veloz para se incorporar ao ataque”, completa García-Ochoa.

A má fase de Marcelo no clube caminha paralelamente a um momento de incertezas quanto à sua condição de titular na seleção brasileira.

O jogador já perdeu metade das convocações do técnico Tite, principalmente por lesões musculares. Desde a Copa do Mundo da Rússia, o lateral ainda não participou de nenhuma convocação do Brasil.

A Copa do Rei, competição pela qual o Real recebe nesta quarta-feira (27), às 17h (de Brasília), o Barcelona, no Santiago Bernabéu, é o torneio em que Marcelo tem tido mais oportunidades na equipe.

De janeiro para cá, ele foi titular nos quatro duelos da copa (Leganés, Girona duas vezes e Barcelona), uma sequência que não ganhava por um mesmo campeonato desde as quatro primeiras rodadas do Espanhol, entre agosto e setembro de 2018.

Nada como um clássico em casa para mostrar aos descontentes, e a Santiago Solari, que ainda sobra vida útil para o lateral brasileiro em Madri.

O jornalista viaja a convite de La Liga, que organiza o Campeonato Espanhol

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.