Descrição de chapéu The New York Times

Mulher de 103 anos bate recorde nos 100 m rasos e dá dicas de longevidade

Julia Hawkins foi apelidada de 'furacão' por causa de seu desempenho nas pistas

Sarah Mervosh
The New York Times

Dois anos atrás, aos 101, Julia Hawkins estabeleceu um recorde. Um recorde de velocidade.

Ela disputou uma prova de 100 metros rasos, fechando com um tempo de 39s62. Isso lhe valeu o apelido "hurricane [furacão].

Esta semana, aos 103 anos, Hawkins voltou à pista para disputar provas de 50 e 100 metros rasos nos Jogos Seniores dos Estados Unidos, em Albuquerque. Acredita-se que ela seja a mulher mais velha a disputar uma prova de atletismo de pista no país, de acordo com a organização do evento, que reúne atletas olímpicos com idades de 50 anos ou mais

A corredora Julia Hawkins, 103
A corredora Julia Hawkins, 103 - Reprodução/Instagram

É fato que não existe muita disputa na categoria centenária. E Hawkins estava basicamente correndo contra si mesma. Ela concluiu os 100 metros rasos cerca de seis segundos acima de sua marca recorde, mas ainda assim gostou do resultado. "Estou dois anos mais velha, lembra?"

Hawkins começou a correr já tarde na vida, e o esporte se tornou uma de suas muitas paixões. Ela vive em Baton Rouge, Louisiana, onde realiza caminhadas diárias e cuida das árvores em seu terreno. Ela tem três filhos, quatro netos e um bisneto. Foi casada durante 70 anos com Murray, que morreu em 2013. Os dois se casaram por telefone, durante a Segunda Guerra Mundial.

Quando o The New York Times chegou para uma entrevista na manhã de quarta-feira, ela estava fazendo uma pausa nas corridas para passar o dia em um jardim botânico. (As flores são outra de suas paixões.) Conversamos com ela mais tarde, antes de uma celebração com outros atletas idosos e de seu voo de volta para a Louisiana, na quinta-feira.

Leia abaixo a conversa, editada e condensada.

Se posso perguntar, em que dia a senhora nasceu? No dia 10 de fevereiro de 1916.
 
Até onde sei, a senhora só começou a correr quando já era bem idosa. Aos 100 anos. Mas sempre participei dos Jogos Seniores, no ciclismo. Fiz a transição para a corrida aos 100 anos. Minha primeira tentativa foi nos 50 metros rasos. Achei divertido e me apaixonei por correr.
 
A senhora pode nos falar um pouco sobre seu regime de treinamento? Corro nas ruas perto de minha casa, ocasionalmente, mas não com muita frequência.

À medida que envelheço, sinto que o número de provas de 100 metros rasos que me restam é limitado, e não gosto de desperdiçar tempo com treinos. Você entende? Tenho marcas na rua para as 50 jardas e as 100 jardas, e as sigo. Mas não treino demais. Movimento-me bastante, de qualquer jeito, e faço tudo que preciso na hora que preciso.
 
Como é que a senhora recebeu o apelido "Hurricane" [furacão]? Bem, foi ideia de alguém. Havia muitos furacões na Louisiana, e o fato de que causem tamanho estrago me levou a não gostar tanto assim do nome, mas furacões são parte de nossa vida, e acho que, se as pessoas consideram o apelido bonitinho, por mim tudo bem. Mas adoro flores e costumo usar uma flor no cabelo quando corro, e por isso preferiria ser a "dama das flores" e não a "dama furacão".
 
Bem, talvez usemos "dama das flores", então? Qualquer um dos dois está bem para mim.
 
O que a senhora faz nas horas vagas? Leio. Estou tendo problemas de vista, e então leio audiolivros. Recebo livros maravilhosos que me contam histórias, e estou curtindo.

Tenho 0,4 hectare de terra e um monte de bonsais; isso basta para me manter ocupada. É preciso regá-los todos os dias, e quase a cada dia é preciso consertar alguma coisa em um deles. Saio para almoçar com amigos quase todo dia. Alguém cuida de mim à noite; ela prepara meu jantar e meu café da manhã. Estou sendo bem cuidada.
 
A senhora tem algum segredo de longevidade e para manter a forma? Para ficar em forma, basta se manter ativo. Controle seu peso e se exercite. Tenho muitas paixões, coisas que me interessam. Manter o interesse em muitas coisas faz com que você se mantenha ocupado, com que mantenha a mente ocupada.
 
Pensando no passado, qual é a maior causa de orgulho em sua vida? Meus filhos e meu marido são meu maior orgulho. São as coisas maravilhosas de minha vida –e os netos e o bisnetos. Essas são coisas que não se pode superar. O resto (correr) é só a cereja no bolo.
 
Muito obrigada! Foi um grande prazer conversar com a senhora. A senhora tem alguma coisa mais a dizer?
Se puder, mantenha-se em ótima forma. Tenha muitas paixões. E busque momentos mágicos. Isso é algo que fiz durante minha vida toda –pense em coisas que foram momentos mágicos para você, alvoradas e crepúsculos, arco-íris, belos pássaros, música e as coisas agradáveis que as pessoas lhe dizem. Todos esses são momentos mágicos, e não têm custo. Esteja de olhos abertos para eles.

 
Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.