Polícia estuda condução coercitiva de mulher que acusa Neymar

Ela já foi intimada quatro vezes para depor e é esperada até sexta-feira (7)

Carlos Petrocilo Rogério Pagnan
São Paulo

A Polícia Civil de São Paulo estuda aplicar medida de condução coercitiva caso a mulher que acusou Neymar de estupro, em boletim registrado no último dia 31, continue sem atender às notificações para comparecer à Delegacia de Defesa da Mulher, localizada no bairro Santo Amaro, na capital paulista. Ela é esperada até sexta-feira (7)

A delegada Juliana Lopes Bussacos, que instaurou inquérito para investigar a acusação, confirmou que a mulher recebeu quatro notificações. Já havia sido chamada no sábado (1), segunda (3) e terça (4), mas ignorou todos os chamados.

A advogada Yasmin Pastore Abdalla, que se apresentou à imprensa como defensora da suposta vítima, também foi intimada.

"Eu não tenho conhecimento de quando ela vai depor", se limitou a dizer Danilo Garcia de Andrade, advogado criminalista contratado para também representar a acusadora. 
 

Neymar durante treino da seleção brasileira na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).
Neymar durante treino da seleção brasileira na Granja Comary, em Teresópolis (RJ). - CARL DE SOUZA/AFP

Os policiais querem que a mulher explique a versão dado por seu ex-advogado, de que ela não teria relatado ser vítima de estupro, mas de agressão.

Se essa versão se confirmar, a denunciante corre o risco de responder por falsa comunicação de crime, já que em seu primeiro depoimento à polícia, registrado no boletim de ocorrência, ela descreveu ter sofrido violência sexual.

A reportagem tentou entrar em contato com a advogada, que não atendeu às ligações nem respondeu às mensagens enviadas.

O caso veio a público no último sábado (1º) e, mais tarde neste mesmo dia, o jogador se pronunciou por meio de um vídeo publicado em seu Instagram. Na postagem, posteriormente retirada do ar pela rede social, o camisa 10 da seleção brasileira se defende da acusação e expõe as conversas com a suposta vítima, exibindo também imagens da mulher nua e seminua –com o rosto e partes íntimas borradas. 

A Polícia Civil foi até a Granja Comary no domingo (2) buscar explicações do atleta por ter, no vídeo, exposto imagens íntimas da mulher. O jogador ainda não havia voltado de um período de folga, concedido a todo o elenco, e não foi ouvido pelos policiais. Na entrevista coletiva no centro de treinamento da seleção, Neymar foi defendido pelos colegas.

O jogador havia sido intimado a depor na próxima sexta-feira (7), mas a polícia aceitou pedido para que o depoimento fosse adiado. Uma nova data deve ser proposta ainda nesta quarta pela defesa de Neymar, conforme a disponibilidade de sua agenda, já que o atleta está integrado ao elenco da seleção brasileira para a disputa de amistosos e da Copa América.

Em entrevista à Band, o pai do jogador disse preferir que seu filho tenha cometido um crime de internet a um crime de estupro.

Na entrevista coletiva, o técnico Tite se disse incapaz de julgar seu comandado.

A acusação gera tensão também entre os patrocinadores de Neymar. A Nike, por exemplo, já demonstrou preocupação, assim como a Mastercard. Ele também estampa, por exemplo, a capa do videogame Fifa, ocupando o lugar que antes era de Cristiano Ronaldo, retirado pela produtora do jogo após o português ser acusado de ter estuprado uma mulher em Las Vegas.

Em entrevista ao canal SBT, o vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Francisco Noveletto, chegou a dizer que, se fosse o atleta, pediria dispensa da seleção para cuidar de sua defesa. Depois, explicou que foi apenas uma opinião infundada e que ele não falou em nome da CBF.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.