Curado de câncer, Dorival Júnior faz planos de voltar ao futebol

Treinador recebeu alta após cirurgia para retirada do tumor, no início de outubro

São Paulo

Dorival Júnior não se desesperou quando soube que estava com câncer na próstata. Não ficou nem sequer nervoso. Sua reação foi tão prática quanto possível em uma situação como essa.

“Meu único pensamento foi: ‘vamos resolver logo isso, então’”.

A notícia chegou em março, mas ele só se submeteu à cirurgia para retirada do tumor em 1o de outubro. Teve de esperar os resultados de mais exames. Mais difícil foi lidar com a preocupação dos três filhos (Lucas, Bruno e Gabriela) e da mulher Valéria.

Dorival Júnior posa para a Folha em sua casa, em Florianópolis
Dorival Júnior posa para a Folha em sua casa, em Florianópolis - Giuliane Gava/Folhapress

Hoje em dia ele confessa que a doença o fez pensar em “algumas situações”. Não cita a palavra “morte” em hipótese alguma. Mas a preocupação não foi excessiva. Jogador profissional por 13 anos e técnico desde 2002, ele escondeu o diagnóstico de colegas do mundo do futebol, imprensa e torcedores. Só divulgou em setembro, antes da operação.

“Nesse período recebi contatos de alguns clubes que estavam sem profissionais, mas perguntei se podíamos esperar até dezembro. Era algo sério [a doença], e eu tinha de buscar uma solução”, relembra.

A confiança de Dorival se deu, em parte, porque o câncer foi descoberto no início. Não aconteceu por meio do exame de toque, como costuma ocorrer. Seu médico desconfiou que poderia haver algo errado quando seu teste de sangue deu taxa alterada de PSA (sigla em inglês para Prostate-Specific Antigens), as moléculas produzidas pela próstata. Quando o homem tem algum problema, a concentração de PSA aumenta.

“Acho que não encarei com uma preocupação excessiva. Pegar bem no início ajudou bastante e eu já fazia acompanhamento. Mesmo antes da confirmação eu tinha certeza que não seria algo tão ruim assim. Foi o que aconteceu. Por isso que a prevenção é fundamental”, completa.

Dorival não considera que seu caso tenha sido tão grave porque tem outro na família para comparar. Valéria teve detectados tumores nas duas mamas e a situação era muito mais séria, segundo o treinador. Ela passou por cinco cirurgias em quatro meses. Ele afirma ter sido traumático para ele e os filhos.

“No futebol a gente brinca muito. Dizia que tal mês teria de fazer o exame [de toque]. Mas o exame de sangue também é fundamental. O homem é propício a ter problemas na próstata, então é preciso quebrar esse tabu”, diz.

A doença fez com que retomasse contatos antigos. Gente com quem não conversava havia anos mandou mensagens de apoio ou telefonou para conversar. Isso fez com que se sentisse querido pelo mundo do futebol. Quando saiu do hospital, assegura não ter sentido dor alguma e o pedido do médico foi que repousasse por dez dias.

O que Dorival Júnior quer fazer agora é retomar a vida. Ele ainda não engoliu a forma como terminou seu último trabalho, no ano passado. Comandou o Flamengo em 12 jogos e levou o time ao vice-campeonato brasileiro. Ganhou sete partidas e perdeu duas. Mas, com a eleição presidencial no clube, o eleito Rodolfo Landim contratou Abel Braga para o seu lugar. Este acabou substituído pelo português Jorge Jesus, que conquistou o título brasileiro

Claro que na cabeça de Dorival passa que poderia ser ele a comandar o Flamengo campeão da Libertadores e que em dezembro vai disputar o Mundial de Clubes no Qatar.

Dorival Júnior está liberado para voltar ao futebol após o câncer na próstata
Dorival Júnior está liberado para voltar ao futebol após o câncer na próstata - Giuliane Gava/Folhapress

“Eu estou liberado, sem problema nenhum. Recebi alta há 20 dias.”

Desde o pós-cirurgia, quando voltou para casa, o que ele mais tem feito é assistir a jogos de futebol pela televisão. Mas ele escolhe o que ver.

“Dá saudade, não? Fiquei o ano todo fora e você sente falta. [Assistir pela TV] é totalmente diferente. A variedade é muito grande, de segunda a segunda. Algumas partidas mais qualificadas, outras nem tanto. Você seleciona.”

Ele não foi o único treinador a passar pela doença nos últimos meses. Na terça (26), Vanderlei Luxemburgo passou por cirurgia para tratar de câncer de pele.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.