CBF adota 'regra dos dez dias' e libera atletas infectados para jogo

Jogadores que passaram esse período em isolamento e estão assintomáticos podem atuar

São Paulo

A liberação de quatro jogadores do Atlético-GO para o jogo contra o Flamengo, nesta quarta-feira (12), mesmo com diagnóstico positivo do novo coronavírus, não será um caso isolado nas quatro divisões do Campeonato Brasileiro.

O coordenador médico da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Jorge Pagura, diz que a decisão foi tomada na segunda-feira (10) e está amparada em diretrizes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, e em orientações da Sociedade Brasileira de Infectologia.

A CBF, no entanto, não divulgou oficialmente essa modificação no protocolo na segunda. Informou apenas que, a partir de então, os times poderiam escolher outro laboratório para coletar exames, além do Hospital Albert Einstein, e também que todos os atletas dos elencos deverão ser testados.

Atlético-GO teve atletas infectados, mas liberados para o jogo contra o Flamengo
Atlético-GO teve atletas infectados, mas liberados para o jogo contra o Flamengo - Heber Gomes/Atlético-GO/Divulgação

Em um documento entregue à CBF, o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Clóvis Arns, estabelece a "regra dos dez dias", na qual os atletas que testaram positivo e cumpriram isolamento durante esse período ficam habilitados para jogar, desde que assintomáticos. Se tiverem sintomas, como febre ou falta de ar, a orientação é que não sejam utilizados na partida.

"Atletas que já apresentaram PCR de nasofaringe para Covid detectado (positivo) ou anticorpos Ig G ou anticorpos totais reagentes ou positivos há mais de 10 dias podem treinar e jogar e não necessitam realizar nenhum outro teste até o final do campeonato", diz item do relatório enviado por Arns à CBF.

A justificativa médica apresentada é a de que nessa altura o vírus já não tem capacidade de ser transmitido.

Pagura diz que, a partir do momento em que comunicou os clubes dessa possibilidade, na noite de segunda, a CBF já recebeu quase 30 pedidos de recursos médicos dos times.

“O Atlético-GO, na Série A, e o Oeste, na Série B, foram analisados e liberados. O Corinthians avisou que não recorreria”, afirmou Pagura, que não quis detalhar quais os demais times e o teor dos pedidos.

Nesta terça-feira (11), o Corinthians avisou que o zagueiro Gil e o atacante Léo Natel, diagnosticados com coronavírus, não viajariam com o elenco para o jogo contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte. Eles também já estariam no fim do período de infecção e inclusive vinham testando negativo até então.

Adversário do Atlético-GO nesta quarta-feira, o Flamengo afirmou apenas que irá seguir as orientações da CBF e colocará o seu time em campo.

A identidade dos jogadores atleticanos infectados não foi revelada. “Nao foi o Altético-GO quem inventou esse recurso, e sim a CBF. Também não é nenhuma manobra. A decisão está baseada em pessoas de renome, órgãos que dão esse respaldo”, afirmou o médico do clube goiano, Gleyder José Nunes de Sousa.

“Não é tão simples para deixar o atleta em condições. O clube precisa comprovar que cumpriu o isolamento e apresentar todo o seu histórico clínico", completou.

Presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Arns, na condição de pessoa física e consultor da CBF, contribuiu para a revisão do protocolo e para a permissão da utilização de jogadores assintomáticos que tenham respeitado a "regra dos dez dias".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.