CCBB reabre teatro em São Paulo com trilogia de Júlio Verne para crianças

'20 Mil Léguas Submarinas' e 'Viagem ao Centro da Terra' estão entre as peças

São Paulo

Você sabe quem foi Júlio Verne? Talvez não seja tão fácil ligar o nome à pessoa assim de cara, mas com certeza basta que se diga que é ele o autor dos livros “20 Mil Léguas Submarinas”, “A Volta ao Mundo em 80 Dias” e “Viagem ao Centro da Terra” para que qualquer criança brilhe os olhos de puro interesse.

Conhecer de perto esse fascínio que a obra do escritor francês, nascido em 1828, causa tanto nos pequenos quanto nos adultos é o que a Cia. Solas de Vento promete.

Começa neste final de semana uma longa temporada de seu repertório, só com peças baseadas nos livros, no teatro do Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo (CCBB-SP).

A estreia acontece com “A Volta ao Mundo em 80 Dias”, que faz apresentações presenciais de 28/11 a 6/12. Todas as providências de segurança estão sendo tomadas. É preciso ir de máscara, sentar longe dos outros e comprar os ingressos pela internet.

Dois atores sentados em uma locomotiva estilizada, feita apenas com tubos e pneus de carros e bicicletas; a chaminé é uma lata de lixo e a fumaça, um lençol esvoaçante
Cena de "A Volta ao Mundo em 80 Dias", de Júlio Verne, pela Cia. Solas de Vento - Mariana Chama/Divulgação

E a escolha por abrir o festival com este título não é à toa —em 2011, a peça levou os prêmios APCA e FEMSA de melhor diretora, com Carla Candiotto, e melhor ator, para Bruno Rudolf.

“É uma história de viagem e aventura repleta de peripécias. Percebemos que esse trajeto ao redor do mundo oferecia várias oportunidades para criar imagens cênicas usando nossas habilidades circense”, conta Bruno.

Com o sucesso do primeiro espetáculo, veio a vontade de montar uma trilogia baseada em Júlio Verne, um homem conhecido como alguém capaz de prever o futuro, já que seus escritos anteciparam equipamentos que só surgiriam muitos anos depois, como a televisão, o submarino, a nave espacial e o aparelho de fax, por exemplo.

“É importante lembrar que ele escreveu num outro tempo. Sua obra é um rico retrato de uma época. Levando em conta esse contexto, podemos destacar a sua grande curiosidade”, explica.

“Ele se interessava por todos as novas descobertas e técnicas de sua época. Através das histórias que ele criou, ele divulgava para o grande público essas novas invenções e descobertas cientificas e geográficas, além de incluir sua própria fantasia, o que faz dele um pai da ficção científica”.

A temporada segue com “Viagem ao Centro da Terra” e “20 Mil Léguas Submarinas”, uma peça inédita. A partir de 20/2, as três montagens ficam em cartaz simultaneamente como mostra de repertório.

“Esses livros não foram a principio escritos para o público infantil. Nosso trabalho de adaptação para o palco é bastante norteado pelo desejo de traduzir essas aventuras para um universo mais lúdico e infantil”, adianta o ator.

Para cada montagem, a companhia convidou um diretor diferente. Carla Candiotto tocou “A Volta ao Mundo em 80 Dias”, Eric Nowinski ficou a cargo de “Viagem ao Centro da Terra”, e Alvaro Assad comanda “20.000 Léguas Submarinas”.

Em tempos de crianças confinadas em casa e muito conectadas às telas, Bruno explica que a companhia propõe uma relação mais ativa.

“Todas as projeções são criadas ao vivo, com livros e objetos manipulados em cena. Revelamos para o público como esses vídeos são criados, despertando assim a possibilidade de se apropriar e brincar com esses recursos tecnológicos”, conta.

Viagens Extraordinárias

A Volta ao Mundo em 80 Dias
28 e 29/11, às 15h
5/12, às 11h e às 15h
6/12, às 15h

Viagem ao Centro da Terra
12/12, às 15h
13/12, às 11h
19/12, às 11h e às 15h
20/12, às 11h

20 Mil Léguas Submarinas
De 16/1/2021 a 14/2
Sábados e domingos, às 15h

Trilogia Completa
De 20/2 a 11/4
Sábados às 11h e 15h, e domingos às 15h

Centro Cultural Banco do Brasil
Onde: r. Álvares Penteado, 112, São Paulo, SP
Quanto: R$ 15 (meia) e R$ 30
Compra: www.eventim.com.br
Informações: (11) 4298-1270

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.