Acusado de assédio, bailarino brasileiro Marcelo Gomes retorna aos palcos

A companhia Sarasota Ballet integrou o dançarino como artista convidado

São Paulo

 Após enfrentar acusações de assédio sexual nos Estados Unidos, o bailarino brasileiro Marcelo Gomes voltará aos palcos nova-iorquinos como artista convidado do grupo Sarasota Ballet. As informações são do jornal The New York Times.

A apresentação se dará no dia 18 de agosto, no Joyce Theater. Será a sua primeira apresentação desde que ele pediu demissão, em dezembro de 2017, do ABT (American Ballet Theater), grupo no qual era o principal dançarino e em que atuava havia 20 anos. 

O bailarino Marcelo Gomes, em foto de 2011
O bailarino Marcelo Gomes, em foto de 2011 - Leticia Moreira/Folhapress

Segundo a investigação, o suposto assédio não envolveu nenhum ex ou atual membro do American Ballet Theatre e não aconteceu enquanto Gomes era empregado da companhia. O dançarino não comenta as acusações. 

Junto ao Sarasota, Gomes se apresentará em quatro programas ao longo da temporada de 2018 e 2019. Segundo disse o diretor  da companhia ao jornal americano, "nos dias de hoje é difícil encontrar pessoas que tenham o nível artístico dele".

Gomes foi convidado para se juntar ao ABT em 1997, quando tinha 18 anos e foi alçado a bailarino principal em 2002. Ele estrelou "Sinatra Suite", da coreógrafa Twyla Tharp, e conseguiu licença do ABT para participar de diferentes projetos, como artista convidado do Kirov e do Royal Ballet. O brasileiro fez sua estreia no Balé Bolshoi em 2013.

O bailarino apareceu também em "The Car Man" e "O Lago dos Cisnes", de Matthew Bourne, e foi Carabosse em "A Bela Adormecida". Ele recebeu o prêmio Dance Magazine em 2015 e coreografou a campanha de TV "I Will What I Want", da Under Armour, estrelada pela bailarina Misty Copeland.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.