Morre aos 56 anos o baixista carioca Arthur Maia

Conhecido por atuar ao lado de grandes nomes da MPB, músico teve parada cardíaca

O baixista brasileiro Arthur Maia
O baixista brasileiro Arthur Maia - Reprodução/Facebook
São Paulo

​Morreu neste sábado (15), aos 56 anos, o baixista Arthur Maia. O músico sofreu uma parada cardíaca e foi levado a um hospital em Niterói (RJ), mas não resistiu.

Sobrinho do também baixista Luizão Maia, Arthur ganhou notoriedade após sair em turnê com grandes nomes da MPB brasileira, como Ivan Lins, Gilberto Gil, Ney Matogrosso e Caetano Veloso.

O baixista também participou de gravações de álbuns com Roberto Carlos, Marisa Monte, Jorge Ben Jor, Djavan e uma série de outros nomes da música nacional e internacional.

Ao longo de sua carreira, o músico lançou cinco discos solo: "Maia" (1991), "Sonora (1996), "Arthur Maia e Hiram Bullok ao Vivo" (1999), "Planeta Música" (2002) e "O Tempo e a Música" (2010). Seu trabalho mesclava influências de ritmos como o jazz, o funk e o samba —ele era conhecido por transitar com fluidez de um ritmo a outro.

Nos anos 1980, Maia fundou com Paschoal Meirelles, Mauro Senise e Rique Pantoia a banda instrumental Cama de Gato. O primeiro álbum dos seis que lançaram juntos (que levava o nome do grupo) teve vendagem considerada muito alta para o estilo instrumental. Também participou de outros conjuntos musicais, como Black Rio e Egotrip.

Maia participou, sozinho e acompanhado de outros músicos, dos principais festivais de jazz internacionais, como os de Montreux, Nova York e Paris.

Em sua página do Facebook, Caetano lamentou a morte do músico, afirmando que era "um dos reis do suingue brasileiro". Ele lembrou que Maia viajou com ele e Gil na turnê de "Tropicália 2", no início dos anos 1990, e compartilhou vídeo de uma apresentação.

Gil também usou sua rede social para lamentar a perda de quem disse considerar "um dos maiores baixistas da atualidade".​

 

Daniela Mercury foi outra artista que, em resposta à postagem de Gil, prestou homenagem a Arthur Maia, "maravilhoso baixista e pessoa tão querida". Para Paulinho Moska, que também se manifestou no Twitter, Maia era um "gênio absoluto". ​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.