Descrição de chapéu
Cinema

Multipremiado, filme chinês faz do longínquo país o lugar onde estamos

'Um Elefante Sentado Quieto' é o primeiro e último longa de Hu Bo, que se matou aos 29 anos

Cássio Starling Carlos

Um Elefante Sentado Quieto (Da Xiang Xi Di Er Zuo)

  • Classificação 14 anos
  • Elenco Zhang Yu, Peng Yuchang, Wang Uvin, Li Congxi
  • Produção China, 2018
  • Direção Hu Bo

“O mundo é simplesmente asqueroso.” A última frase dita por um jovem antes de dar um tiro na cabeça resume e simboliza “Um Elefante Sentado Quieto”, primeiro e último longa do chinês Hu Bo.

Os créditos, ao final das quase quatro e fascinantes horas de projeção, trazem uma dedicatória ao cineasta, que se matou aos 29 anos sem conhecer a onda de premiações que o filme conquistou em festivais em 2018. Seu ato final agrega um sentido a mais a esse épico fúnebre centrado em personagens que vagueiam feito mortos sem sepultura.

Mesmo que o impacto da proposta pareça único, o filme pertence e prolonga a longa tradição do cinema chinês, retomada após a morte de Mao Tsé-tung, em 1976, marco do fim do comunismo absolutista no país e do início da transformação da China em paradigma de sucesso material.

Os filmes dessa vigorosa vertente da produção chinesa tratam de interpretar a realidade no plano individual, olhar na altura humana para apreender o que o discurso de êxito mascara ou apaga.

Os quatro personagens que o longa de Hu Bo segue vivem em uma cidade qualquer do norte do país, mas seus dramas são tão comuns que podemos reconhecê-los no metrô, no ônibus ou no espelho de casa.

Um garoto sem grana que deseja bens de consumo, um bandidinho que transa com a mulher do amigo, uma garota maltratada pela mãe e um idoso que os filhos querem mandar para o asilo compõem esse quadro de dramas quase imperceptíveis.

As histórias se entrecruzam nas escadas de um prédio, nos corredores da escola ou nas ruas onde não se distinguem construções e ruínas. Ao fim, os protagonistas sem rumo se juntam numa viagem em busca da atração mencionada no título, metáfora da inércia e do excesso de peso.

O que poderia ser mais um filme pessimista sobre a realidade do precariado se impõe com uma estética que valoriza o apagamento.

A longa duração das sequências, os enquadramentos que excluem ou desfocam a ação e a escolha de seguir os atores de costas indicam proximidade com o “slow cinema”, tendência contemporânea que valoriza signos de “profundidade” em oposição à velocidade e à aceleração “descartável” do cinema industrial.

Hu Bo, porém, ultrapassa o efeito de moda ao produzir, com essa estética rarefeita, um sentimento de vazio que conduz incessantemente à violência, último e inútil espasmo de sentido.

Esse modo de sobrecarregar o tempo e de nos impedir de enxergar o espaço além dos limites do quadro nos levam a identificar o longínquo norte da China como o lugar onde estamos.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.