Descrição de chapéu

Tréplica: Em 'Bacurau', cinema deixa interesse público, segregando-se na bolha do Partido

Como Inácio Araujo é civilizado, ganha o direito a esta minha tréplica, que aponta seus outros erros

Demétrio Magnoli

A turma furiosa do Bolsonaro diz que sou “esquerdista”, “comunista”. A turma furibunda do Lula, que sou “direitista”, “fascista”. Inácio Araujo segue a moda dos rótulos mas, cordato, diz que sou “da direita civilizada”. Acerta na segunda parte, erra na primeira.

Como ele é civilizado, ganha o direito a esta minha tréplica, que aponta seus outros erros.

Araujo concorda que “Bacurau” é caricatural. Contudo, justifica a caricatura em nome do “público de hoje”, que seria “bem mais simples”. Dou de barato, só para sustentar o diálogo, que ele tem razão. Nessa hipótese, como justificar leis de amparo ao cinema nacional?

Explico. O cinema situa-se sobre a faixa incerta que separa a arte do negócio. Mas só pode ser também arte se abraçar a complexidade —e, aí, vale a pena usar recursos públicos (de alguma forma decente) para assegurar sua sobrevivência.

Porém, se o cinema renuncia à indagação artística, limitando-se a “alegorias muito simples” destinadas a um público infantilizado, desaparece o motivo do incentivo público. Temo que a linha de defesa de “Bacurau” escolhida por Araujo fortaleça os argumentos de uma “direita selvagem” disposta a circunscrever o cinema aos domínios exclusivos do mercado. 

Araujo concorda que “Bacurau” é uma peça de propaganda política, comparando-o a “O Nascimento de uma Nação”, o elogio da Ku Klux Klan, e a “O Encouraçado Potemkin”, o elogio da revolução bolchevique. Aí a coisa pega.

Ele conhece muito mais de cinema que eu —mas até eu, antigo aluno informal do curso de Paulo Emílio Sales Gomes, sou capaz de apontar as inovações estéticas e técnicas dos dois clássicos. Já “Bacurau” é cinemão convencional, o “pretinho básico”, tão careta quanto os jovens que, no largo São Francisco, marcharam contra a guitarra elétrica (e, portanto, o imperialismo) em julho de 1967.

“Bacurau” é mistificação, mesmo se nossa régua descer à altura da propaganda política tradicional. Marisa Letícia, mártir assassinada pela burguesia vendida ao imperialismo? Tenha dó, Araujo!

“Sob ameaça de morte não é raro populações se unirem de maneira unânime”, ensina-me Araujo, sem perceber que, no Brasil de hoje (que, apesar de tudo, não é o Chile de Pinochet ou a Venezuela de Maduro), a “ameaça de morte” é só o espantalho erguido por “intelectuais orgânicos” para evitar o exame crítico do fracasso lulopetista entre indivíduos de esquerda.

“Bacurau” —e nisso Araujo acerta— é um chamado à ordem unida. O toque de corneta para enfileirar os soldados. “E daí?”, ele pergunta. Daí que, se é assim, o cinema deixa de ter interesse público, segregando-se na bolha dos fiéis do Partido.

Há algo de tristemente engraçado nas mensagens dos fiéis apaixonados por “Bacurau” que circulam nas redes. Muitas delas afirmam, com variações mínimas, que “é isso mesmo: a solução é a luta armada”.

Seria trágico se o Partido tivesse resolvido repetir o erro maiúsculo cometido na virada dos 1960 para os 1970 pelos heróis que venera. Mas não é nada disso. O Partido –felizmente!– só quer fazer prefeitos em 2020 e disputar competitivamente 2022. Esse papo de Guevara, Marighella e “Bacurau” não passa de música alta para que ninguém possa conversar.

Araujo celebra o fato de que “um autor que, habitualmente, não trata do cinema” (isto é, eu) abordar o tema. Seria um mérito de “Bacurau”. Errado, novamente: não tratei de cinema, mas de cultura política. “Bacurau” não tem méritos (exceto Gal e “Não Identificado”).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.