Escritora faz passeio nostálgico com sua gata Ervilha em quadrinho

Com texto de Sofia Nestrovski e ilustrações de Deborah Salles, 'Viagem em Volta de uma Ervilha' resgata infância da autora

Matheus Lopes Quirino
São Paulo

Escritores e gatos têm muito em comum. Não somente por serem afáveis ao perambular noturno, ditarem suas próprias regras, mas, principalmente, por estarem associados à reclusão durante o dia, recaindo sobre eles um estigma de solidão.

“Esse livro foi escrito em um período em que eu ficava muito sozinha, estava mergulhada no mestrado, fazendo frilas de casa, totalmente reclusa”, conta Sofia Nestrovski.

No seu livro de estreia, “Viagem em Volta de uma Ervilha”, é celebrada a parceria entre a escritora e a desenhista Deborah Salles, finalista do prêmio de quadrinhos HQ Mix de 2018, na categoria novo talento.

A parceria começou em 2017. Apresentadas por uma amiga em comum, não demorou para que Salles passasse a frequentar o apartamento da escritora, que morava sozinha. 

Hoje, Nestrovski divide o apartamento com Princesa Ervilha, sua gata achada em uma caixa de papelão e protagonista da viagem arquitetada pelas artistas.

“A Deborah pegou uma trena e mediu parede a parede, começou a mapear o lugar”, disse a dona do pequeno apartamento da rua Piauí, cenário da HQ. Não obstante, o leitor mais atento fará conexão com outra história, “Viagem em Volta do Meu Quarto” (1794), do francês Xavier de Maistre.

“Me inspirei um pouco no livro [de Maistre], é um título incrível. A única diferença é que é um apartamento”, completou a escritora, que também lembra as aventuras da pequena Eloise, personagem da história infantil homônima de Kay Thompson, no hotel Plaza, em Nova York.

Nota-se ao longo das páginas uma profunda imersão no universo das palavras. “Eu respirava literatura, dormia pensando no mestrado, fazia resenhas para a Quatro Cinco Um, tinha coluna no Nexo, dava aula sobre William Shakespeare”, lembra Nestrovski. Nos quadrinhos, a escritora e Princesa Ervilha percorrem o universo em sua cabeça.

As duas viajam por clássicos da literatura, em cenários de ficção científica, no Expresso do Oriente, no mundo de Gulliver e nadando ao lado da baleia Moby Dick. “Eu era uma criança muito sozinha, morava nos Estados Unidos, minha mãe trabalhava o dia todo, então eu lia muito, inventava histórias”, relembra Nestrovski.

mulher sorri
SAO PAULO, SP, BRASIL, 26/08/2017 - Sofia Nestrovski, no pocket show de Livia e Artur Nestrovski, em 2017 - Greg Salibian/Folhapress

A própria Princesa Ervilha é um resgate desta infância analógica —foi batizada em homenagem ao conto de fadas “A Princesa e a Ervilha”, de Hans Christian Andersen.

“É o conto da menina que foi revelada princesa porque acordou com dor nas costas depois de dormir numa cama de vinte colchões, empilhados sobre um único grão de ervilha”, escreve ela na HQ.

A autora defende que seu livro é um trabalho indefinido quanto ao público. Tanto adultos quanto crianças podem se encantar. “Viagem em Volta de uma Ervilha” guia o leitor em um passeio nostálgico pela infância, pelo lúdico e pelos sonhos.

Citando nominalmente ou indiretamente autores de prestigiosa reputação, como Carlos Drummond de Andrade, Emily Brontë e T.S. Elliot, Nestrovski, que vem de uma família artística, conheceu mais a si mesma, revisitando seu passado não tão distante.

O construtivismo, gráfico e textual, é razão do livro que, conta a autora, foi caminhando enquanto a amizade dela e de Salles engrenava. Durante o processo de criação não havia roteiro e sugestões entravam em encontro ou desencontro.

Salles ilustrava e Nestrovski roteirizava aquilo que via, enquanto Princesa Ervilha observava, ronronando ou percorrendo as lombadas de livros espalhados pelo apartamento.

Viagem em Volta de uma Ervilha

  • Preço R$ 39,90 (112 págs.)
  • Autor Sofia Nestrovski
  • Editora Veneta
  • Ilustrações Deborah Salles

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.