Descrição de chapéu

Nenhum outro grupo permanece tão atual quanto os Racionais MC's

Turnê em comemoração aos 30 anos do grupo se encerra neste sábado (12)

Mano Brown em show do Racionais MC's na turnê comemorativa de 30 anos, no ginásio Nilson Nelson, em Brasília
Mano Brown em show do Racionais MC's na turnê comemorativa de 30 anos, no ginásio Nilson Nelson, em Brasília - Divulgação
Pedro Borges

“Negro Drama”. A recordação mais linda que tenho dessa música foi ainda pequeno, quando saía de ônibus do campo do Itapicuru, localizado na Brasilândia, zona norte de São Paulo. Estava pronto para jogar futebol com o time do Corinthinhas e durante o percurso da partida, todos os meninos, a maioria pretos, cantavam a música do início ao fim.

A cena se repetiu para mim na quinta (10) e na sexta (11) no Credicard Hall, quando fui ao show dos Racionais MC’s. Agora adulto, a emoção foi a mesma. A turnê, que rodou nove cidades por todo o país, em homenagem aos 30 anos do grupo se encerra neste sábado (12) no mesmo local dos dias anteriores.

Os Racionais MC’s, principal nome do rap no país, chega à marca de três décadas da melhor maneira possível. Saudáveis, alegres, resistentes na luta, Mano Brown, Edi Rock, Ice Blue e KL Jay levaram o público a um momento de catarse coletiva. A prova dos 30 anos de sucesso, ininterruptos e sempre em alta, é ter a casa cheia nos dias de show em São Paulo.

O contínuo sucesso e o carinho do público com os quatro pretos mais perigosos do Brasil, como eles se intitularam ao longo da carreira, pode ser definido por alguns motivos. Destaco aqui dois: qualidade e atualidade. 

O que surgiu de mais potente no anos 1990 e início dos anos 2000 do que os Racionais MC’s? Certamente nasceram grupos e manifestações culturais importantes. Poucos, contudo, conseguiram reunir uma crítica ácida, uma batida envolvente e letras incríveis como eles.

Entre as poucas bandas que reúnem essas características, sinto dizer para os fãs de outros grupos, ninguém reuniu toda essa potência e permaneceu tão atual diante de um Brasil que segue muito desigual e violento, em especial contra as periferias e o povo negro.

A música "Diário de um Detento", uma narrativa sobre o Carandiru e o massacre no presídio em 1992, pode se referir às carnificinas de Altamira em 2019, Manaus em 2017, e de outros presídios que no país foram vítimas de uma política de segurança pública genocida. No Carandiru, em 1992, 111 mortes. Em Altamira, 57, e Manaus, 56. A maioria, pretos. O ser humano segue “descartável no Brasil, como modess usado ou bombril”, como diz a letra.

A atual política de segurança pública e o pacote do ministro Sergio Moro, que devem intensificar o genocídio no país, são denunciados em “A Fórmula Mágica da Paz”, com mais de 10 minutos de duração e que, mesmo assim, foi cantada no show do início ao fim por todos. Nos dias de finados, em 2 de novembro, seguimos vendo as senhoras com “a roupa humilde, a pele escura, o rosto abatido pela vida dura, colocando flores sobre a sepultura”. A música anuncia e o cotidiano confirma a continuidade de uma letalidade policial elevada para quem é preto e morador de periferia.

O recado do grupo, porém, é de que a periferia vai sobreviver. E tem sobrevivido, vivido e resistido. É essa a mensagem que esses quatro homens pretos, todos racionais, nos apresentam como armas. O hino “Negro Drama” segue como um combustível para o dia a dia do preto brasileiro e para a luta antirracista no país, que continua levantando suas bandeiras em defesa da vida do maior segmento social do país. Nós sabemos quem trama e quem está conosco, e dos traumas que carregamos para não sermos mais um preto fodido, como anuncia a letra. 

Me emociono só de pensar no quanto essas quatro pessoas foram importantes para a minha vida e de toda uma coletividade. Apesar do caráter nacional e até internacional dos Racionais MC’s, poucas expressões musicais conseguiram expressar com tanta precisão o que é ser preto em São Paulo, na terra que se orgulha de ser bandeirante.

A turnê é um presente para nós, que os amamos, e para eles. Fico feliz de ver homens pretos, que são o maior alvo da violência policial, poderem dançar, sorrir e brincar. É lindo ver um público, de periferia e negro, cantando do começo ao fim em êxtase coletiva e reverenciando os quatro músicos.

Turnê Racionais MC’s 3 Décadas

  • Quando Sáb. (12): 23h30
  • Onde Credicard Hall (av. das Nações Unidas, 17.955)
  • Preço R$ 45 a R$ 300

Pedro Borges é co-fundador e editor chefe do Alma Preta. Jornalista formado pela UNESP, Pedro Borges compõe a Rede de Jornalistas das Periferias, e também a Coalizão Negra por Direitos

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.