Projeto corrige textos da Wikipédia e evita '1984' da vida real

Iniciativa já virou alvo de grupos que acreditam ser possível conversar com mortos e que a Terra é plana

São Paulo

Todo dia, Winston Smith, o protagonista de “1984”, se senta diante de um ditógrafo no Ministério da Verdade. Seu trabalho é reescrever o passado, substituindo frases e parágrafos inteiros de notícias de jornais para refletir os posicionamentos políticos do Grande Irmão.

O cargo faz jus à distopia do livro de Orwell —um dos lemas do regime da ficção dita que “quem controla o presente controla o passado”. Mas isso ganhou ecos contemporâneos nos últimos tempos, com a epidemia de fake news e de revisionismos históricos.

Alguns projetos têm se organizado para combater essa multiplicação de Winstons Smiths de hoje. Um deles é a Guerrilha Cética na Wikipédia. Fundado pela ativista americana Susan Gerbic, ele se dedica desde 2010 a criar e corrigir artigos na página.

A iniciativa hoje tem 135 colaboradores espalhados pelo planeta. Pelas contas de Gerbic, já publicou 1.275 páginas, com mais de 53 milhões de visualizações. E virou também alvo de grupos que acreditam ser possível conversar com mortos e que a Terra é plana.

No Brasil, o time é composto só por três pessoas, moradores dos estados de Bahia, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. Um deles é Elizandro Max, professor de matemática da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul.

Max conta que o treinamento dos voluntários dura quatro meses. “Se você procura algo no Google, a primeira coisa que aparece é o começo de um artigo da Wikipédia”, diz.

Ele lembra que, no país, os temas aos quais ele e os colegas dedicam mais tempo são práticas de medicina alternativa, como homeopatia.

Questionado se páginas sobre a ditadura militar, que tem se tornado alvo de revisionismo histórico, também estão no radar, o professor explica que elas costumam ser vigiadas por dezenas de pessoas e não só pelo grupo.

Foi o que aconteceu há dez dias, no artigo da Wikipédia sobre Roberto Alvim, ex-secretário de Cultura. O diretor teatral foi exonerado do cargo depois de parafrasear Joseph Goebbels, ministro nazista, num vídeo. Ao longo do dia, mais de 60 mudanças foram feitas em sua página, muitas delas acrescentando à sua biografia o termo “nazista”. Todas foram corrigidas.

Já nos artigos em inglês, Gerbic afirma que ultimamente têm se esforçado para combater o movimento antivacina.

“A mídia pode atrapalhar bastante. Os jornais acham que precisam apresentar os dois lados nas reportagens, mas não é assim que isso funciona na vida real. Porque só infla o poder desses movimentos e faz a ciência parecer duvidosa”, afirma a ativista.

Se o livro de Orwell é uma distopia, a Wikipédia pode, então, ser considerada uma utopia que funcionou?

“Realmente, pelo jeito que a Wikipédia é desenhada, parece que jamais vai funcionar. Mas funciona”, responde Max. “Por muito tempo, fazer um trabalho escolar consultando a Wikipédia foi um tabu. Mas não deveria ser assim. Não tem problema em utilizá-la como ponto de partida para acessar fontes primárias”, completa o professor.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.