Regina Duarte posta vídeo contra 'marxismo cultural' e retoma 'guerra' de Alvim

Atriz não respondeu se aceitará convite de Bolsonaro para a Cultura, em sucessão a secretário associado ao nazismo

São Paulo

A atriz Regina Duarte, que esteve em Brasília na semana passada para estudar a possibilidade de assumir a Secretaria Especial da Cultura do governo Bolsonaro, compartilhou neste domingo (26) um vídeo se posicionando contra o que conservadores chamam de "marxismo cultural".

As imagens mostram o ex-BBB Adrilles Jorge vociferando contra o que ele considera ser um movimento da esquerda para ganhar território na indústria cultural. "O que o marxismo cultural faz? Coloca negros contra brancos, mulheres contra homens, homossexuais contra heterossexuais", diz Jorge. 

"Quem é esse cara ?!", perguntou Regina em comentário publicado junto com o do vídeo. "Que depoimento bacana, profundo, super real" (sic), escreveu a atriz. O vídeo foi visto por 188 mil perfis no Instagram.

Atriz Regina Duarte chega a Brasília para encontrar com o presidente da República, Jair Bolsonaro - Jorge William/Agência O Globo

O trecho do vídeo postado por Regina está editado e não mostra que no mesmo programa da rádio Jovem Pan, o Jovem Pan Morning Show, o apresentador Guga Noblat contesta o ex-BBB e diz que o termo "marxismo cultural" foi criado "por teoria conspiratória que ninguém leva a sério". 

Jorge, em sua argumentação, responde que "só existe isso no mundo hoje, pessoas que se colocam no lugar de vítimas para massacrar as outras".

Para ele, "isso é o marxismo cultural propalado pela industria cinematográfica, teatral e literária". Jorge acha que "toda a indústria midiática, a indústria da arte no Brasil, é povoada por esquerdistas fanáticos" e que "essa guerra cultural é uma guerra santa, sim".

Guga Noblat não recuou. "Corre daí, corre enquanto é tempo, não pega essa bomba." "Ela [Regina] vai entrar na secretaria que tem a maior carga ideológica no momento."

Depois de atacara o que chama de "marxismo cultural", o ex-participante do BBB também defendeu a proibição do rock por um edital da Funarte, a Fundação Nacional de Artes, reforçando um erro de informação: essa proibição nunca aconteceu.

Jorge também fez boa avaliação de um edital público lançado pelo "nazistão", em referência ao programa de incentivo do governo Bolsonaro anunciado por Roberto Alvim na quinta (16), antes de o ex-secretário ser demitido por ter copiado frases de Joseph Gobbels em um pronunciamento em vídeo.

Segundo o ex-BBB, "o projeto do nazistão era bom", porque fomentaria desde ópera até quadrinhos. 

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.